top of page

Uso de antidepressivos e infecção durante a gravidez ligados a distúrbios do neurodesenvolvimento


Os antidepressivos são comumente usados durante a gravidez, sendo prescritos para 80% das mulheres grávidas que precisam de medicação para depressão

Uma combinação de uso de antidepressão e infecções que levam à inflamação durante a gravidez aumentam o risco de distúrbios do neurodesenvolvimento, incluindo autismo em crianças, relata um novo estudo.

O uso de antidepressivos durante a gravidez pode se combinar com a inflamação para aumentar o risco de alterações no neurodesenvolvimento ao longo da vida no cérebro dos bebês, como aquelas ligadas ao autismo, sugere uma nova pesquisa da Escola de Medicina da Universidade da Virgínia.

Uma equipe de neurocientistas da UVA descobriu que os antidepressivos comumente usados, conhecidos como inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs), podem interagir poderosamente com a inflamação no corpo da mãe a partir de infecções ou outras fontes. Em ratos de laboratório, essa interação causou mudanças prejudiciais na placenta e na decidua – a conexão direta entre mãe e filho – e afetou o cérebro em desenvolvimento.

"Nossas descobertas sugerem que [os ISRSs] podem ter consequências deletérias quando misturados com infecção, inflamação, etc.", disse o pesquisador sênior John Lukens, Ph.D., do Departamento de Neurociência da UVA e seu Centro de Imunologia Cerebral e Glia (BIG), bem como o UVA Brain Institute.

"Nossos resultados podem ajudar a explicar o aumento da prevalência do autismo nos últimos 20 anos, já que desta vez coincide com o lançamento do uso generalizado de ISRS no mundo em desenvolvimento".

ISRSs durante a gravidez

Os ISRSs são comumente usados durante a gravidez, sendo prescritos para 80% das mulheres grávidas que precisam de medicação para depressão. As drogas são amplamente consideradas uma opção segura para o controle da depressão em mulheres grávidas, embora tenha havido algumas evidências de que elas podem aumentar as chances de parto prematuro, bem como aumentar o risco de problemas neurológicos e outros problemas de saúde em crianças.

Lukens e seus colaboradores descobriram que os ISRSs podem interagir com o sistema imunológico da mãe para produzir uma forte reação inflamatória na "interface materno-fetal", a conexão física entre mãe e filho durante a gravidez.

Os filhos de mães expostas à inflamação mais tarde mostraram mudanças comportamentais baseadas no sexo, como os comportamentos observados em pessoas com autismo, como diminuição da comunicação e diminuição do interesse em interações sociais. Tais modelos de ratos são amplamente utilizados como uma importante ferramenta de pesquisa do autismo.

"Identificamos sinais inflamatórios na placenta que se correlacionaram com alterações neurológicas na prole adulta de mães que encontraram um desafio imunológico durante a gravidez", disse a pesquisadora Kristine Zengeler, primeira autora de um novo artigo científico descrevendo as descobertas.

"Esses sinais poderiam ser usadas para ajudar a identificar biomarcadores e alvos medicamentosos para ajudar a mitigar as consequências do neurodesenvolvimento de estressores ambientais pré-natais, como uma resposta imune".

Pesquisas anteriores mostraram que infecções, distúrbios autoimunes e outras condições que alteram o estado imunológico de uma mãe durante a gravidez podem afetar o neurodesenvolvimento. Os ISRSs, acreditam os pesquisadores da UVA, podem estar interagindo com essa inflamação e amplificando-a, levando a mudanças cerebrais permanentes.

Os resultados fazem sentido, dizem os pesquisadores, por causa de como os ISRSs alteram a serotonina no corpo. A serotonina é um importante regulador do humor – muitas vezes é pensado como um produto químico "sentir-se bem" no cérebro – Mas também é um regulador vital da resposta imune do corpo. Bebês em desenvolvimento recebem serotonina apenas de suas mães através da placenta nos estágios iniciais da gravidez, de modo que interromper os níveis de serotonina na mãe pode ter consequências para o bebê também.

Os pesquisadores descobriram que a inflamação sozinha e em combinação com ISRSs alterou os níveis de serotonina na placenta, mas em direções opostas. "Descobrimos que as mães que encontraram um desafio imunológico durante a gravidez mostraram um sinal totalmente diferente na placenta quando estavam em ISRSs em comparação com as mães que não estavam em ISRSs", disse Zengeler.

"Isso destaca a importância de considerar todo o ambiente pré-natal, pois as drogas projetadas para amortecer a inflamação podem levar a consequências imprevistas no bebê se forem combinadas com outros moduladores, como os ISRSs".

Os pesquisadores observaram que os ISRSs são ferramentas importantes para gerenciar a depressão e enfatizaram que as mulheres grávidas não devem parar de tomá-los sem consultar seus médicos. Em vez disso, os cientistas estão pedindo estudos adicionais, eventualmente em seres humanos, para determinar como as drogas podem afetar mãe e filho e para entender melhor as interações de ISRSs e inflamação.

"O estresse, a depressão e a ansiedade maternos não tratados podem, por si só, perturbar o neurodesenvolvimento da prole, contribuindo para resultados comportamentais e cognitivos adversos", escrevem os pesquisadores. "Portanto, será de extrema importância considerar os benefícios relativos e as consequências potenciais dos ISRSs como uma opção terapêutica durante a gravidez".

Os pesquisadores publicaram suas descobertas na revista Brain, Behavior, and Immunity. O laboratório de Lukens também fez recentemente uma descoberta que poderia ser a chave para aumentar a capacidade do cérebro de combater a doença de Alzheimer e a esclerose múltipla.

Original Research: Open access.

“SSRI treatment modifies the effects of maternal inflammation on in utero physiology and offspring neurobiology” by Kristine E. Zengeler et al. Brain, Behavior, and Immunology




114 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page