VÍRUS COVID-19 ENTRA NO CÉREBRO




A proteína de pico de SARS-CoV-2 pode passar pela barreira hematoencefálica de camundongos. A proteína provavelmente faz com que o cérebro libere citocinas e provoque neuroinflamação. As descobertas se somam a evidências crescentes de que o COVID-19 pode entrar no cérebro daqueles infectados pelo vírus.

Cada vez mais evidências estão surgindo de que as pessoas com COVID-19 estão sofrendo de efeitos cognitivos, como confusão e fadiga.

E os pesquisadores estão descobrindo o porquê. O vírus SARS-CoV-2, como muitos vírus antes dele, é uma má notícia para o cérebro. Em um estudo publicado em 16 de dezembro na Nature Neuroscience,pesquisadores descobriram que a proteína do pico, muitas vezes retratada como os braços vermelhos do vírus, pode atravessar a barreira hematoencefálica em camundongos.

Isso sugere fortemente que o SARS-CoV-2, a causa do COVID-19, pode entrar no cérebro.

A proteína do pico, muitas vezes chamada de proteína S1, dita quais células o vírus pode entrar. Normalmente, o vírus faz a mesma coisa que sua proteína de ligação, disse o autor principal William A. Banks, professor de medicina na Faculdade de Medicina da Universidade de Washington e médico e pesquisador do Puget Sound Veterans Affairs Healthcare System. Os bancos disseram que proteínas de ligação como a S1 geralmente causam danos à medida que se desprendem do vírus e causam inflamação.

"A proteína S1 provavelmente faz com que o cérebro libere citocinas e produtos inflamatórios", disse ele.


Nos círculos científicos, a inflamação intensa causada pela infecção pelo COVID-19 é chamada de tempestade de citocinas. O sistema imunológico, ao ver o vírus e suas proteínas, exagera em sua tentativa de matar o vírus invasor. A pessoa infectada fica com névoa cerebral, fadiga e outros problemas cognitivos.

Banks e sua equipe viram essa reação com o vírus HIV e queriam ver se o mesmo estava acontecendo com o SARS CoV-2.

Banks disse que a proteína S1 em SARS-CoV2 e a proteína GP 120 no HIV-1 funcionam da mesma forma. São glicoproteínas – proteínas que têm muitos açúcares, marcas de proteínas que se ligam a outros receptores. Ambas as proteínas funcionam como braços e mão para seus vírus agarrando-se a outros receptores. Ambos cruzam a barreira hemencefálica e S1, como o GP120, é provavelmente tóxico para os tecidos cerebrais.

"Foi como um déjà vu", disse Banks, que fez um extenso trabalho sobre HIV-1, gp120 e a barreira hemencefálica.

O laboratório de Banks estuda a barreira hemencefálica no Alzheimer, obesidade, diabetes e HIV. Mas eles colocaram seu trabalho em espera e todas as 15 pessoas no laboratório começaram seus experimentos sobre a proteína S1 em abril. Eles recrutaram o colaborador de longa data Jacob Raber, professor nos departamentos de Neurociência Comportamental, Neurologia e Medicina de Radiação, e suas equipes na Oregon Health & Science University.

O estudo pode explicar muitas das complicações do COVID-19

"Sabemos que quando você tem a infecção pelo COVID você tem dificuldade para respirar e isso é porque há infecção em seu pulmão, mas uma explicação adicional é que o vírus entra nos centros respiratórios do cérebro e causa problemas lá também", disse Banks.

Raber disse em seus experimentos que o transporte de S1 era mais rápido na lâmpada olfativa e rim de machos do que fêmeas. Esta observação pode estar relacionada ao aumento da suscetibilidade dos homens a desfechos mais graves do COVID-19.

Quanto às pessoas que tomam o vírus de ânimo leve, Banks tem uma mensagem:

"Você não quer mexer com esse vírus", disse ele. "Muitos dos efeitos que o vírus COVID tem podem ser acentuados ou perpetuados ou até mesmo causados pela queda do vírus no cérebro e esses efeitos podem durar muito tempo."

Financiamento: Este estudo foi parcialmente apoiado por um suplemento COVID-19 financiado pelo Envelhecimento para uma bolsa rf1 compartilhada de Banks e Raber.




82 visualizações0 comentário