top of page

V@cs C-19 para crianças 'Não são medicamente necessárias': Dr. Peter McCullough




O Dr. Peter McCullough, médico, cardiologista, epidemiologista e especialista em tratamento COVID-19, expressou preocupação com a recente movimentação de conselheiros dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) para recomendar a adição de vacinas COVID-19 aos calendários de vacinação de crianças e adolescentes.

Todos os 15 membros do Comitê Consultivo de Práticas de Imunização (ACIP) votaram em 20 de outubro para adicionar as vacinas Moderna, Pfizer e Novavax aos calendários de vacinação de crianças e adolescentes de 2023 para maiores de 18 anos, afirmando que as vacinas ainda podem prevenir doenças graves — apesar da diminuição da eficácia.

"Vejo pacientes com COVID-19 na minha prática ao longo dos últimos três anos, inclusive dando conselhos sobre crianças mais novas. A doença [COVID-19] é caracteristicamente leve e é facilmente tratada. E assim as vacinas não são medicamente necessárias, elas não são clinicamente indicadas", disse McCullough à NTD News.

"Não temos nenhuma garantia de que elas serão seguras a curto ou até mesmo a longo prazo", acrescentou. "Como cardiologista, tenho grandes preocupações com a miocardite."

Pesquisa tailândia

McCullough citou um artigo de pesquisadores da Tailândia publicado em agosto que mostrou uma taxa de 2,3% de danos ao coração em crianças de 13 a 18 anos que tomaram a vacina Pfizer-BioNTech COVID-19.

E isso é só com uma dose", observou, referindo-se ao jornal. "Então, estou muito preocupado que essa decisão [CDC] esteja fora dos trilhos. Essas vacinas ainda são experimentais e não devem ser trazidas para o calendário vacinal."

As vacinas COVID-19 têm se mostrado cada vez mais ineficazes contra infecção e doenças graves de variantes mais novas do vírus. Além disso, não há evidências de que as vacinas protejam contra doenças graves para crianças menores de 5 anos. Os ensaios clínicos para essa população não foram alimentados para medir tal eficácia.

McCullough expressou preocupações sobre a eficácia e dosagem das vacinas. As vacinas originais, que estão sendo recomendadas para serem adicionadas ao cronograma, estão "agora obsoletas", observou ele, acrescentando que foram codificadas contra a proteína original wuhan SARS-CoV-2.

"A Moderna e a Pfizer tinham dosagem pediátrica. Havia uma grande preocupação de que crianças próximas aos 12 anos estariam ficando demais", observou. "Mas essas vacinas são obsoletas."

McCullough também expressou preocupações com os reforços bivalentes da Pfizer e da Moderna, que também foram recomendados pelos membros da ACIP para serem adicionados aos calendários de vacinação de crianças e adolescentes.

"As novas vacinas de reforço bivalente nunca foram testadas em humanos, nem adultos nem crianças", disse ele. "Então, eu não posso imaginar o que vai sair no cronograma em relação à série de injeções, o cronograma de quando elas são dadas, e então quais, porque as vacinas bivalentes nunca foram testadas em qualquer ser humano."

Nos Estados Unidos, ambos os propulsores bivalentes da Pfizer e da Moderna contêm fórmula dirigida contra a proteína Spike Wuhan SARS-CoV-2 original e extinta, e contra os elementos comuns dos subvariantes BA.4 e BA.5 da variante Omicron COVID-19. Os novos reforços bivalentes não foram testados em humanos.

"Esses reforços de vacinas bivalentes — eles falharam em estudos em animais, eles foram aprovados de qualquer maneira para adultos", observou McCullough. "Agora o verdadeiro dilema é o que acontece com o calendário de vacinas pediátricas? Tudo isso se soma que essas vacinas de forma alguma devem ser adicionadas a um cronograma de rotina."

McCullough alertou que a mudança poderia corroer a confiança dos pais no calendário vacinal, acrescentando: "se perderem a confiança, podem sair de todo o calendário vacinal para crianças".

De acordo com a Lei Nacional de Lesão vacinal infantil de 1986, nenhum fabricante de vacinas será responsabilizado em uma ação civil por danos decorrentes de uma lesão ou morte relacionada à vacina para qualquer vacina recomendada para crianças. Como tal, as vacinas recomendadas para crianças, como na recente votação da ACIP, receberão imunidade automática de responsabilidade, inclusive quando a vacina for administrada a um adulto.

"Esse ato forneceu um escudo de responsabilidade para os fabricantes", disse McCullough, observando que no momento em que a lei foi promulgada, várias vacinas estavam sendo desenvolvidas. "Esse ato deve ser dissolvido neste momento [e] os fabricantes de vacinas devem ser totalmente responsabilizados nos casos em que as crianças são lesadas por vacinas."

Zachary Stieber


130 visualizações0 comentário
bottom of page