Vacinação contra a gripe ligada a maiores taxas de mortalidade por COVID




Estudos sugerem que vacinas podem ter consequências não intencionais na resposta do nosso sistema imunológico a outras infecções virais

Uma forma problemática de interferência viral parece ser um efeito colateral das vacinas contra a gripe amplamente promovidas

POR JOSEPH MERCOLA

Vacinas podem, em alguns casos, desencadear doenças mais graves quando expostas a um vírus não relacionado, através de um processo conhecido como interferência do vírus.

Uma questão que se prolongou desde a campanha de vacinação em massa de 2009 contra a gripe suína pandêmica H1N1 é se a vacinação sazonal contra a gripe pode tornar as infecções pandêmicas piores ou mais prevalentes. Essa preocupação entrou em foco quando estudos levantam questões sobre a implantação de vacinas para o COVID-19 e pesquisas apontam para o potencial de interferência viral problemática.

Para ajudar a entender isso, é útil primeiro entender uma interferência mais comum e benéfica do vírus.

Este tipo pode ser um impulso para nossa luta contra patógenos invasores. A interferência viral normal ocorre quando uma infecção viral anterior oferece às células vizinhas uma espécie de proteção. De certa forma, o invasor original bloqueia os invasores virais subsequentes de tomar posse.

Um estudo publicado em março no Journal of Infectious Diseases revela um exemplo. Pesquisadores do Centro de Pesquisa de Vírus da Universidade de Glasgow e do Imperial College London descobriram que o resfriado comum pode oferecer alguma proteção contra o SARS-CoV-2, o vírus causador do COVID-19.

"Os rinovírus humanos causam o resfriado comum e são os vírus respiratórios mais prevalentes dos seres humanos", observa o resumo do estudo.

"Mostramos que o rinovírus humano desencadeia uma resposta de interferon que bloqueia a replicação sars-cov-2. Simulações matemáticas mostram que essa interação vírus-vírus provavelmente terá um efeito populacional, pois uma prevalência crescente de rinovírus reduzirá o número de novos casos de COVID-19."

Infelizmente, pesquisas descobriram que as vacinas podem produzir um tipo contraproducente de interferência viral que torna as pessoas mais, em vez de menos suscetíveis a vírus além do que estão sendo vacinados.

Uma revisão de 2010 na PLOS Medicine, liderada pela Dra Danuta Skowronski, especialista canadense em influenza do Centro de Controle de Doenças na Colúmbia Britânica, descobriu que a vacina sazonal contra a gripe aumentou o risco de as pessoas adoecerem com gripe suína pandêmica H1N1 e resultaram em crises mais graves de doença.

As pessoas que receberam a vacina tríplice viral durante a temporada de gripe 2008-2009 tiveram entre 1,4 e 2,5 vezes mais chances de serem infectadas com h1N1 pandemia na primavera e verão de 2009 do que aquelas que não receberam a vacina contra gripe sazonal.

Para verificar novamente os achados, Skowronski e outros pesquisadores realizaram um estudo de acompanhamento sobre furões. Seus achados foram apresentados na Conferência Interciência de 2012 sobre Agentes Antimicrobianos e Quimioterapia. Na época, Skowronski comentou sobre as descobertas de sua equipe, dizendo ao MedPage Today:

"Pode haver um efeito vacinal direto no qual a vacina sazonal induziu alguns anticorpos interativos que reconheceram o vírus pandemia H1N1, mas esses anticorpos estavam em níveis baixos e não eram eficazes na neutralização do vírus. Em vez de matar o novo vírus, ele realmente pode facilitar sua entrada nas células."

Ao todo, cinco estudos observacionais realizados em várias províncias canadenses encontraram resultados idênticos. Esses achados também confirmaram dados preliminares do Canadá e de Hong Kong. O especialista australiano em doenças infecciosas Peter Collignon alertou para os problemas associados a isso em uma entrevista à ABC News da Austrália em 2011. "Alguns dados interessantes se tornaram disponíveis, o que sugere que se você for imunizado com a vacina sazonal, você terá menos proteção ampla do que se você tiver uma infecção natural."

"Podemos estar perversamente nos estabelecendo que, se algo realmente novo e desagradável aparecer, as pessoas que foram vacinadas podem de fato ser mais suscetíveis em comparação com a obtenção dessa infecção natural."

Quando se trata de COVID-19, o aviso de Collignon pode ter sido particularmente relevante.

VACINAÇÃO CONTRA GRIPE AUMENTA INFECÇÃO POR CORONAVÍRUS NÃO ESPECIFICADO

Um estudo publicado em 10 de janeiro de 2020, edição da revista Vaccine descobriu que as pessoas eram mais propensas a ter algum tipo de infecção por coronavírus se tivessem sido vacinadas contra a gripe.

O estudo, intitulado "Influenza Vaccination and Respiratory Virus Interference Among Department of Defense Personnel During the 2017-2018 Influenza Season",observou:

"O recebimento da vacinação contra a gripe pode aumentar o risco de outros vírus respiratórios, fenômeno conhecido como interferência do vírus. ... Este estudo teve como objetivo investigar a interferência do vírus comparando o estado do vírus respiratório entre os funcionários do Departamento de Defesa com base em seu estado de vacinação contra a gripe."

Embora a vacinação sazonal contra a gripe não tenha aumentado o risco de todas as infecções respiratórias, ela estava de fato "significativamente associada a coronavírus não especificado" e metapneumovírus humano (hMPV10).

"Não especificado" significa que o vírus era da família coronavírus, mas não um tipo específico de coronavírus, como o SARS-CoV-2, que ainda era desconhecido na época da ção deste estudo.

Lembre-se, SARS-CoV-2 é 1 dos 7 coronavírus diferentes conhecidos por causar doenças respiratórias em humanos. Quatro deles — 229E, NL63, OC43 e HKU1 — causam sintomas associados ao resfriado comum.

OC43 e HKU1 também são conhecidos por causar bronquite, exacerbação aguda de doença pulmonar obstrutiva crônica e pneumonia em todas as faixas etárias, observa um estudo de 2013 publicado no The Journal of Infectious Diseases. Os outros três coronavírus humanos — capazes de causar doenças respiratórias mais graves — são SARS-CoV, MERS-CoV e SARS-CoV-2.

Os membros do serviço que receberam uma vacina sazonal contra a gripe durante a temporada 2017-2018 da gripe tiveram 36% mais chances de contrair infecção por coronavírus e 51% mais propensos a contrair infecção por HMPV do que indivíduos não vacinados, constatou o estudo do Departamento de Defesa.

VACINAÇÃO CONTRA INFLUENZA LIGADA A MAIORES TAXAS DE MORTALIDADE POR COVID


Em 1º de outubro de 2020, o professor Christian Wehenkel, editor acadêmico do PeerJ, publicou uma análise de dados na mesma revista, na qual relata ter encontrado uma "associação positiva entre as mortes do COVID-19 e as taxas de vacinação contra a gripe em idosos em todo o mundo".

Ou seja, as áreas com maiores taxas de vacinação entre idosos também apresentaram as maiores taxas de mortalidade por COVID-19. Para ser justo, a nota do editor aponta que a correlação não é igual a causalidade:

"O que isso significa? A propósito, em algumas cidades, o aumento das vendas de sorvetes se correlaciona com o aumento das taxas de assassinatos. Mas isso não significa que se mais sorvetes forem vendidos, então as taxas de assassinatos aumentarão. Há algum outro fator em jogo — a temperatura do tempo.

"Da mesma forma, este artigo não deve ser tomado para sugerir que o recebimento da vacinação contra a gripe resulta em um risco aumentado de morte para um indivíduo com COVID-19, pois pode haver muitos fatores de confusão em jogo (incluindo, por exemplo, fatores socioeconômicos)."

Dito isto, uma das razões para a análise foi verificar se os dados apoiariam relatórios alegando que a vacinação sazonal contra a gripe estava correlacionada com a menor mortalidade do COVID-19— incluindo uma que encontrou regiões na Itália com maiores taxas de vacinação entre idosos com menores taxas de mortalidade covid-19.

"Esperava-se uma associação negativa", escreve Wehenkel no PeerJ.

Mas não foi isso que ele encontrou.

"Ao contrário do esperado, a presente análise mundial e a sub-análise europeia não suportam a associação negativa relatada anteriormente entre as mortes de COVID-19 (DPMI) [COVID-19 mortes por milhão de habitantes] e IVR [taxa de vacinação contra a gripe] em idosos, observada em estudos no Brasil e na Itália", observou o autor.

O estudo analisou conjuntos de dados de 39 países com mais de meio milhão de habitantes e utilizou um ranking sofisticado para mitigar os efeitos das variáveis de confusão, incluindo variáveis geográficas e socioeconômicas, bem como variáveis relacionadas à intervenção não farmacêutica.

"Os resultados mostraram associação positiva entre óbitos por COVID-19 e IVR de pessoas ≥ 65 anos. Há um aumento significativo das mortes de COVID-19 das regiões oriental e ocidental do mundo. Mais exploração é necessária para explicar esses achados, e trabalhos adicionais nessa linha de pesquisa podem levar à prevenção de mortes associadas ao COVID-19."


O QUE PODE EXPLICAR O VÍNCULO VACINAÇÃO-MORTALIDADE?

Na seção de discussão do artigo, Wehenkel aponta que explicações anteriores sobre como a vacinação contra a gripe pode reduzir as mortes por COVID-19 não são apoiadas pelos dados coletados.

Por exemplo, ele cita pesquisas que atribuem o efeito benéfico da vacinação contra a gripe à melhoria da prevenção das coinfecções da gripe e do SARS-CoV-2, e outra que sugeriu que a vacina contra a gripe poderia melhorar a liberação do SARS-CoV-2.

Esses argumentos "não podem explicar a relação positiva, direta ou indireta entre as taxas de vacinação contra a gripe e tanto as mortes por 19 habitantes quanto a razão de fatalidade por caso encontrada neste estudo, o que foi confirmado por uma variável de classificação imparcial usando modelos de Floresta Aleatória", diz Wehenkel. Random Forest refere-se a um algoritmo de classificação preferencial usado em ciência de dados para modelar previsões.

Em vez disso, ele oferece as seguintes hipóteses: "A vacina contra a gripe pode aumentar a imunidade da gripe em detrimento da redução da imunidade ao SARS-CoV-2 por algum mecanismo biológico desconhecido, como sugerido por Cowling et al. (2012) para vírus respiratório não influenza.

"Alternativamente, imunidade temporária temporária e não específica mais fraca após a infecção viral por gripe pode causar essa associação positiva devido à estimulação da resposta imune inata durante e por um curto período de tempo após a infecção.

"As pessoas que receberam a vacina contra a gripe estariam protegidas contra a gripe, mas não contra outras infecções virais, devido à redução da imunidade não específica nas semanas seguintes, provavelmente causada por interferência do vírus."

"Embora os adjuvantes de vacina humana existentes tenham um alto nível de segurança,adjuvantes específicos em vacinas contra a gripe também devem ser testados para reações adversas, como o aumento adicional de indicadores de inflamação em pacientes COVID-19 com inflamação já fortemente aumentada."

O PARADOXO DA VACINA CONTRA GRIPE

Como a análise de Wehenkel se concentra no impacto da vacina contra a gripe na mortalidade do COVID-19 entre idosos, pode ser útil dar uma olhada nas informações apresentadas em um workshop da Organização Mundial da Saúde em 2012. Na página 6 da apresentação do workshop em questão, o apresentador discute "um paradoxo dos estudos de tendências" mostrando que "a mortalidade relacionada à gripe aumentou em idosos dos EUA enquanto a cobertura vacinal subiu de 15% para 65%".

Na página 7, ele ainda observa que, embora um declínio na mortalidade de 35% seria esperado com esse aumento na captação vacinal, assumindo que a vacina é de 60% a 70% eficaz, a taxa de mortalidade aumentou em vez disso, embora não exatamente em conjunto com a cobertura vacinal.

Na página 10, outro paradoxo é notado. Enquanto estudos observacionais afirmam que a vacina contra a gripe reduz o risco de mortalidade no inverno por qualquer causa em 50% entre os idosos, e a cobertura vacinal entre os idosos aumentou de 15% para 65%, nenhum declínio mortalidade foi observado entre os idosos durante os meses de inverno.

Vendo como os idosos são os mais propensos a morrer devido à gripe, e a gripe é responsável por 5% a 10% de todas as mortes no inverno, uma "economia de 50% de mortalidade [é] simplesmente não possível", afirma o apresentador. Em seguida, ele destaca estudos que mostram evidências de viés em estudos que estimam a eficácia da vacina contra a gripe em idosos. Quando esse viés é ajustado, a eficácia da vacina entre os idosos é desanimadora.

Curiosamente, o documento aponta que os imunologistas sabem há muito tempo que a eficácia da vacina em idosos seria baixa, graças à resposta imune senescente, ou seja, o declínio natural da função imunológica que ocorre com a idade. É por isso que a gripe "continua sendo um problema significativo em idosos, apesar dos programas generalizados de vacinação contra a gripe", observa o apresentador.


782 visualizações0 comentário