VACINAS ÉTICAS ( objeção de consciência ). Você receberia um vacina que vem de um feto abortado?







Desde que a Organização Mundial da Saúde alertou o mundo pela primeira vez para a existência de um misterioso grupo de casos de pneumonia em Wuhan, China, pesquisadores já desenvolveram mais de duzentos candidatos à vacina para combater a expansão do CORONAVIRUS. CoV.2.

No final de novembro de 2020, havia 237 projetos de vacinas SARS-CoV-2 em todo o mundo. A maioria ainda está em fase pré-clínico, testada em animais, mas 48 já são testadas em humanos. Vários desses 48 já chegaram ao fim da fase de ensaios clínicos e produziram resultados promissores.

De acordo com a contagem da Organização Mundial da Saúde (OMS), das 48 vacinas que chegaram à fase de testes em humanos, 11 chegaram à Fase 3, durante a qual o produto é testado em um grande número de voluntários para confirmar sua eficácia e detectar possíveis efeitos colaterais. Três vacinas passaram com sucesso nesta Fase III de avaliação clínica e estão prontas para uso em público. Estas são as cavvines desenvolvidas pela Pfizer-BioNTech, Moderna e AstraZemeca. A vacinação pública desenvolvida pela Pfizer-Biotech já começou no Reino Unido sem incidentes. Assim, após dez meses de rápida evolução, a competição entre os diversos laboratórios para produzir uma vacina eficaz e segura contra o novo coronavírus tomou um rumo decisivo e resultou em um resultado promissor.

R - OS VÁRIOS TIPOS DE VACINAS

As esperanças de uma vacina eficaz e segura baseiam-se, em parte, na grande variedade de técnicas utilizadas nos múltiplos projetos lançados. Os métodos diferem, mas todas as vacinas têm o mesmo objetivo: ensinar o sistema imunológico do corpo a reconhecer e fabricar suas defesas - anticorpos - especificamente contra Sars-CoV-2. Essas defesas serão capazes de neutralizar rapidamente o vírus quando o cruzarem. Existem várias maneiras de apresentar ao corpo a "carteira de identidade" do vírus a partir do qual o corpo pode construir suas defesas imunológicas:


1) - Vacinas contra vírus atenuadas ou inativadas, estas são as vacinas mais convencionais, as vacinas históricas, Pasteur's e Jenner's.


Eles mesmos são divididos em duas categorias: vacinas atenuadas vivas, que contêm todo o patógeno, mas enfraquecidas por tratamento químico ou físico, e vacinas inativadas que contêm uma versão do patógeno incapaz de se multiplicar. Vacina contra o vírus atenuado. Exemplos: VACINAS DE RMM (sarampo-caxumba-rubéola), vacina contra varicela, vacina oral contra poliomielite, vacina contra herpes (zoster herpes), febre amarela.

Esta técnica é usada por 4 vacinas em desenvolvimento contra SARS-CoV-2 O objetivo aqui é injetar na pessoa uma versão enfraquecida do vírus que causa a doença. Este vírus atenuado está "vivo", mas não tem mais poder patogênico. Na maioria das vezes, o vírus pode continuar a se replicar, mas não o suficiente para ser uma ameaça e deixar o corpo doente. O vírus vivo atenuado tem a vantagem de causar uma resposta imune completa e robusta, bem como imunidade duradoura, sem a necessidade de adjuvantes (produtos que estimulem as defesas do corpo). É também um método barato. No entanto, pode ter alguns riscos para pessoas com sistemas imunológicos frágeis que são menos capazes de combater um vírus, mesmo que enfraquecido, por isso não é recomendado para essas pessoas.

Este tipo de vacina também apresenta o risco de agravamento da infecção por Sars-CoV-2 em vez de ajudar o corpo a combatê-la. Esse fenômeno, conhecido como aprimoramento dependente de anticorpos (ADE) foi a origem do fiasco da vacina contra a dengue projetada pela Sanofi-Pasteur, que causou a morte de várias crianças entre 2016 e 2017 nas Filipinas. As vacinas contra o vírus atenuadas também requerem refrigeração e proteção contra a luz, o que pode complicar seu transporte e retenção. Vacina contra o vírus inativado Exemplos: gripe, poliomielite, hepatite A, vacinas antirrábicas.

Esta técnica é usada por 18 vacinas em desenvolvimento contra SARS-CoV-2 O vírus injetado foi morto (por calor, radiação ou exposição a agentes químicos) e perdeu sua capacidade de se replicar no corpo. Mas ele retém o suficiente de seu físico integridade a ser reconhecida pelo sistema imunológico. Embora este método seja mais seguro do que vírus atenuados - especialmente para pessoas frágeis - a proteção imunológica que ele confere é menos durável e menos completa, pois o tratamento físico de vírus pode danificar uma ou mais de suas proteínas de antígeno. Precisa de adjuvantes e múltiplas doses para criar uma proteção eficaz.


2) - Vacinas Vetoriais Virais : Replicação da vacina vetorial viral Exemplos: a vacina desenvolvida contra o Ebola (2016). Esta técnica é utilizada por 20 vacinas em desenvolvimento contra sars-cov-2. Este tipo de vacina usa um vetor viral para transportar alguns dos genes do vírus SARS-Cov-2 para o corpo, fazendo com que anticorpos se formem no corpo. O vírus vetorial, como um adenovírus, foi geneticamente manipulado para fazê-lo perder toda a patogenicidade, e o material genético do vírus SARSCov-2, como genes que codificam a proteína do pico, foi inserido em seu genoma. Uma vez que os "veículos" do vírus tenham entrado em uma célula humana, seu material genético (modificado para codificar a proteína da espícula) é liberado e, em seguida, "ler" para produzir tanto a proteína coronavírus e cópias de si mesmo que infectará novas células. Esta técnica fornece uma forte resposta imune (que é positiva), bem como proteção duradoura. Mas é caro e complexo, e sua eficácia pode ser comprometida se a pessoa já esteve em contato com o vírus escolhido para entregar o antígeno. Este último não deve desencadear a reação de anticorpos contra sua versão "original", correndo o risco de ser eliminado com o nosso sucesso em provocar uma reação imune contra o antígeno que carrega. Vacina vetorial viral não replicante Nenhuma vacina usando essa técnica já foi comercializada Esta técnica é utilizada por 28 vacinas em desenvolvimento contra o SARS-Cov.2 O funcionamento dessas vacinas é semelhante àqueles que usam vetores virais replicantes, com a diferença que uma vez entrou na célula, o vírus só fará o antígeno escolhido e não cópias de si mesmo. Esta técnica, usada na terapia genética por um longo tempo (adenovírus em particular), é considerada muito segura. Adenovírus são particularmente usados por pesquisadores. Esta família de vírus, conhecida por causar infecções respiratórias mais comuns, oferece boa estabilidade, grande segurança e uma facilidade vantajosa de manuseio. No entanto, essa técnica complexa, longa para se desenvolver, é cara, e pode haver reações imunológicas do corpo ao vetor viral.


3) - VACINAS CONTRA PROTEÍNAS

Este tipo de vacina utiliza uma tecnologia mais nova. Envolve injetar proteínas do SARS-Cov-2, que serão reconhecidas pelo corpo. Vacinas sub-unitárias de proteínas Exemplos: Vacinas contra hepatite B ou coqueluche. Esta técnica é utilizada por 77 vacinas em desenvolvimento contra Sars-cov-2 . Essas vacinas são bastante simples. Eles contêm apenas proteínas coronavírus, que serão injetadas diretamente no corpo e reconhecidas como antígenos. Como não são injetados componentes "vivos", o método é considerado particularmente seguro. Mas como essas proteínas são injetadas sozinhas, elas não causam uma resposta imune muito importante. Muitas vezes são acompanhados por produtos adjuvantes, que estimulam a resposta imune. Este método também pode ter um custo significativo e tempo de desenvolvimento. Vacinas pseudovirais de partículas Exemplos: Vacinas contra papilomavírus humano ou hepatite C Esta técnica é utilizada por 20 vacinas em desenvolvimento contra sars-cov-2. Eles contêm proteínas que se unem para formar uma estrutura e na superfície do qual está o antígeno coronavírus (sua proteína de acoplamento). Essa estrutura, chamada de "recombinante", não é infecciosa, pois está vazia, mas imita muito bem a forma do vírus. Esse tipo de vacina tem resultados muito bons na resposta imune, mas é tecnicamente muito difícil de fabricar e requer muito investimento.


4) - VACINAS GENÉTICAS

Esta é a técnica mais inovadora. Estas vacinas não contêm nenhum material do vírus, mas apenas seu material genético, DNA ou RNA. Introduzido no corpo por um vetor, ele migra para células humanas para sintetizar as proteínas do vírus - a "carteira de identidade" do vírus - contra a qual o corpo pode desenvolver anticorpos.

Vacinas de DNA:

Nenhuma vacina de DNA para humanos foi comercializada até o momento. Esta técnica é usada por 20 vacinas em desenvolvimento contra SARS-Cov-2 Essas vacinas contêm DNA do vírus. Os fios de DNA injetados carregam os genes do vírus responsável pela síntese de seus antígenos (por exemplo, proteína spike, pico). Agulhas plantadas na pele geram um microcampo elétrico, o que faz com que os fios migrem para as células humanas circundantes e permite que elas penetrem em seu núcleo. (Técnica de Eletroporação). Uma vez no núcleo, os genes são "lidos" pela máquina celular, que faz a proteína correspondente: a proteína Spike, da espícula SARS-CoV-2. As proteínas virais assim fabricadas (em muitas cópias dentro das células humanas) são detectadas no meio intracelular, desencadeando a resposta imune do organismo. Embora nova, essa tecnologia é considerada segura. Por outro lado, geralmente causa uma resposta imune moderada e requer o uso de adjuvantes, ou mesmo várias doses administradas com algumas semanas de intervalo, a fim de fornecer proteção duradoura.

VACINAS DE RNA: Nenhuma vacina de RNA para humanos foi comercializada até o momento. Técnica usada por 29 vacinas em desenvolvimento contra SARS-CoV2.

Essas vacinas funcionam de forma semelhante às vacinas de DNA, mas usam RNA mensageiro em vez de DNA. Messenger RNA é uma cópia temporária de um fragmento de DNA, destinado a ser lido na célula receptora para fazer uma proteína em seus ribossomos. Este RNA mensageiro é encapsulado em um envelope lipídico para ser injetado no corpo para ser imunizado. Uma vez injetado, o RNA mensageiro entra nas células humanas através de seu envelope lipídico que se funde com a membrana celular. O RNA mensageiro, então, sintetizará diretamente a proteína viral pelos ribossomos sem ter que passar pelo núcleo da célula, o que diminui consideravelmente o risco de genotoxicidade (modificação do DNA de nossas células). as proteínas Spike do SARS-CoV-2 produzidas nas células são detectadas e desencadeiam a resposta imune desejada. Os riscos e benefícios associados a essa técnica são semelhantes aos das vacinas de DNA. No entanto, a técnica de RNA mensageiro evita ter que trazer células hospedeiras de DNA viral para o genoma, uma fonte potencial de problemas subsequentes, e uma fonte potencial de reações fortes de genotoxicidade no hospedeiro. É, portanto, muito mais seguro. Por outro lado, o mRNA é menos estável que o DNA e requer condições de armazenamento muito mais frias. Tais vacinas podem ser produzidas com velocidade sem precedentes (como evidenciado pelo fato de que as duas primeiras vacinas SARS-CoV-2 que foram capazes de passar com sucesso todas as barreiras de controle e estar prontas hoje para uso clínico são vacinas de RNA mensageiro).

B - VACINAS QUE ATINGIRAM A FASE III DE EXPERIMENTAÇÃO CLÍNICA, PRONTAS PARA APLICAÇÃO PÚBLICA

Onze vacinas com características diferentes chegaram à Fase 3, última etapa de testes pré-mercado. Pfizer, BioNTech e Fosun Pharma, RNA Vaccine, aprovado para uso clínico no Reino Unido e nos EUA (dezembro de 2020). Eficiência 95%. Aprovado pela FDA. O uso público começou. Moderna e Niaid, Vacina RNA, Fase III Experimento Clínico Concluído. Prontos para uso clínico, 94,5% anunciaram eficácia. Assinado pela FDA, o Uso Público Começou. CanSino Biologics Inc. e Beijing Institute of Biotechnology, Viral Vector, Licenciado desde junho para uso militar por um ano, Instituto de Pesquisa De eficácia Não Utilizado Gamaleya, Vetor Viral, "Sputnik V", Autorizado em 11 de agosto como parte do Mecanismo de Autorização de Uso de Emergência, Eficiência Declarada 95% AstraZeneca e Universidade de Oxford, Vetor Viral, Fase III Trials Concluídos, Eficiência Anunciada em 70% Janssen, uma subsidiária da Johnson e Johnson Johnson , Vetor Viral, Marketing Planejado no Primeiro Trimestre de 2021, Eficiência insuperável Sinopharm e Instituto de Produtos Biológicos de Pequim, Vacina Inativada, Comercializada desde o final de julho para uso limitado (especialmente para trabalhadores da saúde), eficácia insuperável Sinovac e Instituto Butantan, Vacina Inativada, licenciada desde julho para uso limitado, eficácia desconhecida Sinopharm e Instituto Wuhan de Produtos Biológicos, Vacina Inativada, Comercialização Licenciada desde o final de julho para uso limitado (especialmente para trabalhadores médicos). Também autorizado em 14 de setembro nos Emirados Árabes Unidos. Eficiência não conhecida Novavax, Sub-Unidade de Proteínas, Marketing Planejado no Primeiro Trimestre de 2021, Eficiência Insegura Bharat e Conselho Indiano de Pesquisa Médica - Instituto Nacional de Virologia, Vacina Inativada, Marketing Planejado no 2º trimestre de 2021, Eficiência Não Conhecida Outros laboratórios são menos avançados: as vacinas que estão desenvolvendo ainda estão na fase 1, incluindo a segurança do produto e sua capacidade de desencadear um imunológico; resposta fase 2, durante a qual o estudo da vacina continua e a dose apropriada é determinada.

C – VACINAS RNA

1) História Desde sua descoberta em 1961, o RNA mensageiro tem sido objeto de extensa pesquisa aplicada para seu uso para o tratamento de várias patologias (Ugur Sahin, 2014) [1]. O conceito do uso de drogas codificadas por ácido nucleico foi desenvolvido na década de 1990 após a demonstração de Wolff e colaboradores[2] que a injeção direta de RNA mensageiro transcrito in vitro - (IVT)mRNA - ou um plasmídeo contendo DNA (DNA plasmídeo) no músculo esquelético do camundongo levou à expressão da proteína nucleica codificada por ácido no músculo injetado. Esta pesquisa foi continuada, mas com DNA em vez de RNA mensageiro por causa da instabilidade dele, e pesquisas focadas em tecnologias baseadas no uso de DNA plasmídeo ou DNA viral. Na década de 1990, a exploração do uso do RNA mensageiro transcrito in vitro foi desenvolvida para uma variedade de usos, incluindo substituição de proteínas e vacinação para câncer e doenças infecciosas. As primeiras aplicações dessa técnica foram para câncer[3]. Em 1995 Conry RM et al[4] demonstraram que injeções intramusculares de RNA nu codificando o antígeno carcinoembrionário provocaram uma resposta com formação específica de anticorpos de antígenos.

Em 1996, Boczkowski D et al[5].mostraram que células dendríticas expostas à codificação de mRNA para um antígeno específico ou um mRNA total extraído de células tumorais e sub-pele administrada em um camundongo afetado pelo tumor induzem uma resposta imune das células T e inibiram o crescimento de tumores já desenvolvidos. Desde então, muitos ensaios clínicos utilizando vacinas baseadas em células dendríticas transformadas ex vivo com IC mRNA foram realizados em pacientes com câncer e estabeleceram a natureza possível e segura de essa abordagem[6] .

As tentativas de aplicar essas vacinas de mRNA contra doenças infecciosas vieram mais tarde. Em 1993 foi demonstrado que o IVTmRNA transportado em um lipossomo e codificando uma nucleoproteína do vírus da gripe induz uma resposta específica do vírus nas células T dos camundongos[7].

Foi só em 2012 que os primeiros ensaios pré-clínicos de mRNA foram realizados em agentes infecciosos. Geall AJ et al. (2012) [8] mostraram que injeções intramusculares de IVTmRNA auto-amplificadora revestidas em nanopartículas lipídicas induzem uma resposta protetora de anticorpos contra RSV, vírus sincicial respiratório e vírus da gripe em camundongos.

O conceito de vacinação de RNA mensageiro contra doenças infecciosas comprovou sua validade[9]. No entanto, as aplicações clínicas desse conceito foram até agora limitadas pela instabilidade e ineficiência da ingestão de mRNA in vivo[10].


2) Como funciona As vacinas de RNA do Messenger :

Baseiam-se, portanto, na injeção de RNA mensageiro sintético. Isso inclui a sequência da proteína de interesse, bem como outras proteínas não estruturais que facilitarão sua tradução por máquinas celulares. Esta sequência é cercada por uma tampa no final de 5' e uma cauda poli-A no final de 3'. O antígeno codificado pela Pfizer e pela vacina BNT162b2 da BioNTech é uma proteína S otimizada para SARS-CoV-2 . Há também uma segunda construção em que uma réplica é adicionada (após o UTR de 5'UT). Esses RNAs são chamados de auto-replicação (amplificar). Este último permite mais antígenos porque as réplicas amplificarão independentemente o mRNA. Um fator que há muito limita o uso de RNAs mensageiros no campo das vacinas contra doenças infecciosas. É a fraqueza da resposta imune obtida do corpo que recebe essas RNAs. Para obter uma forte resposta imune adaptativa à ingestão de mRNA codificando proteínas SARS-CoV-2, os receptores de imunidade inata teriam que ser ativados para desencadear um "sinal de perigo" nas células. Esse "efeito inato" é um passo essencial na criação de um ambiente local que contenha proinflamatório citocinas e interferons, propícios ao recrutamento e ativação adequada de células imunes contra patógenos.

Uma vacina de ácido nucleico não deve apenas fornecer ácido nucleico codificando o antígeno alvo, mas também deve ativar suficientemente os sensores de perigo expressos pelas células. Os "sensores de perigo" para moléculas de mRNA maduras que sintetizam proteínas estão localizados no citoplasma celular e os sensores de perigo para a detecção de mRNAs exógenos estão localizados principalmente em endossomos (TLR7/8receptores). As moléculas de mRNA utilizadas como vacina devem, portanto, ser transportadas em endossóis. Isso pode ser feito usando um Nanovetor lipídico[11] . Parece que muitos tipos de células são capazes de internalizar essas RNAs que são então traduzidas em proteínas. Esse processo imita o que acontece em uma infecção natural. A célula "infectada" com antígenos do mRNA apresenta-os através de suas células de imunidade do Complexo de Histocompatibilidade Maior (MHC). As vacinas de RNA mensageiro têm sido demonstradas para estimular tanto a resposta imune celular (CD4- Tcells e CD8) quanto a resposta imune humoral (ativação de linfócitos B e produção de anticorpos específicos de antígeno). mRNA também pode desencadear imunidade inata. Células dendríticas, monócitos e células B expressam fortemente o TLR 7, um sistema de reconhecimento intracelular não específico de patógenos (sistema PAMPs-PRR). Quando o TLR7 reconhece o RNA de uma única linha, as células secretam IFN-alfa e outras quimiocinas. Essas células, todas com células que apresentam antígenos, também ativam células T através de seu TLR 7. Aqui, é a própria molécula de RNA que ativa esses mecanismos e não o antígeno de proteína traduzido.


3) BENEFÍCIOS:

Se as vacinas de RNA mensageiro estão agora atraindo muita atenção dos especialistas, isso ocorre porque elas oferecem benefícios significativos. Em primeiro lugar, sua produção em larga escala e de baixo custo não é um problema com a tecnologia atual. [12] Elas podem ser fabricados mais facilmente e mais rápido do que as vacinas tradicionais que requerem o crescimento e, em seguida, a inativação de patógenos ou suas proteínas. Eles também podem ter um efeito mais duradouro contra patógenos que tendem a sofrer mutação, como coronavírus e vírus da gripe. Cada dose de vacina é extremamente pura e contém apenas RNA de interesse encapsulado em seu portador lipídico e nada mais. Então eles estão seguros. Como mencionado acima, os adjuvantes não parecem ser necessários para obter uma resposta satisfatória, e uma simples cápsula lipídica potencializa as propriedades imunogênicas do RNA. mRNAs têm uma meia-vida muito curta e são facilmente degradadas. Eles não interagem com o genoma. Seu apoio pela máquina celular ocorre exclusivamente no citoplasma ao contrário das vacinas de DNA. Lendo a literatura sobre o tema, parece que as vacinas mRNA dão grandes esperanças para o tratamento de doenças infecciosas para as quais ainda não há vacina, como sars-cov.2.


4) Limites e perguntas:

No entanto, essa nova tecnologia tem limitações ou desvantagens Primeiro, os mRNAs podem causar reações adversas no corpo onde são injetados. Alguns estudos clínicos relataram eventos adversos de grau 3, que são eventos adversos, que invalidam completamente ou ameaçam a vida do paciente, para duas vacinas mRNA para combater a raiva e os vírus H10N8 e H7N9 enquanto estavam em fase 1 em humanos. Então esse tipo de vacina é instável. MRNAs tendem a se degradar rapidamente, o que pode limitar sua eficácia, e a força da imunidade que geram. [13] Essa fragilidade dos RNAs mensageiros é uma desvantagem.

A Pfizer anunciou que sua vacina terá que ser mantida a -80 graus C. Isso representa problemas logísticos óbvios. Em seguida, será impossível comprar a vacina com antecedência e armazená-la na geladeira antes da vacinação. É concebível que as pessoas tenham que ir aos centros de vacinação que são capazes de armazenar grandes quantidades de unidades vacinais em nitrogênio líquido, e realizar a injeção em um período relativamente curto de tempo. As questões que surgem sobre essas vacinas estão relacionadas principalmente à falta de retrospectiva científica em seu uso. Como explicado acima, a vacinação de RNA mensageiro ativa tanto a resposta imune adaptativa quanto a inata. Mas a alta produção de interferons, como resultado da ativação do TLR7, também aumentaria a atividade de ribonucleases, enzimas que cortam RNA. Os RNAs do mensageiro da vacina que perdem sua cápsula lipídica ou não são encapsulados no momento da injeção seriam, portanto, mais propensos a serem destruídos antes mesmo de entrarem nas células.


5) Vacina BNT162b1 da Pfizer-Biotech

A vacina BNT162b1 desenvolvida pela Pfizer e pela empresa alemã de biotecnologia BioNTech é um RNA mensageiro transportado em mRNA modificado por nanopartículas lipídicas que codifica o domínio de ligação receptora (RBD) da proteína de pico SARS-CoV-2. A versão desta proteína de espícula contém mutações que a incluem em uma conformação de tal forma que induz, na melhor das hipóteses, uma resposta com a formação de anticorpos neutralizantes no corpo que a recebe. O mRNA codificando o RBD da proteína de pico é envolto em uma nanopartícula lipídica que a estabiliza e permite um acesso mais fácil aos endossários celulares. É dado em duas doses sucessivas separadas por um intervalo de 21 dias. Um relatório inicial sobre os resultados da revisão clínica fase 1 da vacina BNT162b1 foi publicado pela Pfizer e BioNTech em 14 de outubro de 2020 no New England Journal of Medicine (Walsh EE, 14 de outubro de 2020). Participaram do evento 195 pessoas, divididas em 13 grupos de 15 participantes. Em cada grupo, 12 participantes receberam a vacina e três receberam placebo. BNT162b2 causou menos reações sistêmicas do que o BNT162b1, particularmente em idosos. O exame comprovou a segurança da vacina e sua imunogenicidade. De acordo com os resultados das Fases 1 e 2 do experimento publicados em 22 de outubro de 2020 na revista Nature[15], a vacina da Pfizer não causou efeitos adversos graves e levou a uma forte resposta imunológica, o estudo envolveu 45 pacientes que receberam uma das três doses da vacina candidata ou um placebo. Nenhum desses pacientes teve efeitos graves adversos. Alguns desenvolveram efeitos colaterais como febre (75% no grupo que recebeu a maior dose), fadiga, dor de cabeça, calafrios, dor muscular e dor nas articulações. Os pesquisadores descobriram que a vacina fez com que o sistema imunológico do corpo produzisse anticorpos neutralizantes nos níveis 1,8 a 2,8 maiores do que os encontrados em pacientes que haviam curado a infecção. A vacina também levou o corpo a produzir células T e outras moléculas para combater o vírus, de acordo com os resultados de outro ensaio clínico fase 1/fase 2 publicado na Nature no final de setembro de 2020[16] A Pfizer e a BioNTech iniciaram o teste clínico fase III em julho de 2020, recrutando 44 mil pessoas nos Estados Unidos, Brasil e Argentina. Metade dos voluntários recebeu a vacina, a outra metade recebeu um placebo. [17] A Pfizer e a BioNTech receberam aprovação da FDA em outubro para começar a matricular crianças de 12 anos ou mais em ensaios clínicos. Em 9 de novembro de 2020, a Pfizer e a BioNTech fizeram seu primeiro anúncio sobre os resultados já alcançados na Fase 3. Eles informaram que sua vacina poderia prevenir mais de 90% das infecções sintomáticas covid-9[18]. O estudo de eficácia clínica da vacina da Pfizer envolveu a inscrição de 45.538 participantes, dos quais 42% eram de origem diversa. Não foram observados incidentes graves e não houve preocupações de segurança no estudo. A primeira análise dos resultados abrangeu 62 casos e mostrou eficácia preventiva em pacientes vacinados superiores a 90%, sete dias após a injeção da segunda dose. Isso significa que a proteção é fornecida 28 dias após o início da vacinação. Em 18 de novembro, as duas empresas divulgaram a análise principal dos primeiros resultados do ensaio clínico da Fase III de sua vacina. Das 44.000 pessoas no estudo, 170 casos de Covid-19 sintomático foram identificados, dos quais 162 estavam no grupo placebo, e apenas oito estavam no grupo vacinal. Isso significava que a vacina reduziu o risco de infecção em 95%. Em 2 de dezembro de 2020, a agência nacional de saúde do Reino Unido para o controle de medicamentos, a Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde (MHRA), a agência de medicamentos do Reino Unido, reconheceu a vacina da Pfizer/ BioNTech como segura para uso, dando o autorização para o início das vacinas no Reino Unido[20]apenas sete meses após o início dos testes clínicos da vacina. China e Rússia já aprovaram o uso de vacinas desenvolvidas em seus países, mas não completaram o teste dos participantes em ensaios clínicos. O Reino Unido tornou-se o primeiro país a permitir uma vacina contra o SARS-Cov-2. Em 8 de dezembro de 2020, às 6:31 da .m. Margaret Keenan, 91 anos, tornou-se a primeira pessoa no mundo a receber a vacina SARS-CoV-2 da Pfizer-BioNtech [21] A Health Canada deu o prazo para aprovação da vacina Pfizer/BioNTech, e em 9 de dezembro tornou-se o segundo país a se abrir para o uso da vacina. O Canadá pediu 76 milhões de doses da Pfizer. [22] Os resultados do estudo clínico da Fase 3 da Vacina Pfizer foram revisados pela FDA nos Estados Unidos para aceitação de vacinas naquele país. A FDA divulgou um artigo sobre esta vacina em 10 de dezembro de 2020. Este documento de 100 páginas inclui todas as análises da agência e da Pfizer sobre a vacina. A Pfizer havia anunciado que a vacina de duas doses era 95% eficaz, o que é verificado. Mas o relatório vai além ao mostrar que a proteção oferecida pela vacina já começa dez dias após a primeira dose da vacina, com eficácia de 52%. Durante o mesmo período, o número de casos de Covid-19 aumentou constantemente no grupo placebo. A eficácia chega a 95% após a segunda dose. O relatório da FDA mostra que a vacina é eficaz no mesmo nível, independentemente da idade, raça ou peso. A vacina protege pessoas com 65 anos ou mais com a mesma eficácia que mostra nos jovens, um achado reconfortante. A resposta robusta à vacina em idosos e obesos é uma notícia importante. O relatório da FDA retoma os resultados dos relatórios anteriores da Pfizer, entrando em muito mais detalhes sobre efeitos colaterais adversos e eventos. O relatório observa que muitos participantes sofreram dor, febre e outros efeitos colaterais após a vacinação, o que é normal para uma vacina. As reações aos locais de injeção ocorreram em 84% dos participantes, fadiga em 62,9%, dores de cabeça em 55,1%, calafrios em 31,9% e febre em 14,2% dos casos. Reações severas foram observadas em 2,8% dos voluntários com mais de 55 anos e em 4,6% dos voluntários com menos de 55 anos. Os participantes mais jovens frequentemente tinham reações mais fortes relacionadas aos seus sistemas imunológicos mais robustos. Eventos adversos graves, mais graves do que a única reação forte, foram observados com a mesma baixa taxa (0,5%) indivíduos vacinados, bem como aqueles que receberam placebo. Houve quatro casos de paralisia de Bell (paralisia facial), paralisia ou fraqueza temporária no braço injetado pela vacina (nenhum no grupo placebo). Houve também 64 casos de linfadonopatia, com linfonodos inchados no grupo vacinado em comparação com seis casos no grupo placebo. Pode-se dizer que não foram observados eventos adversos graves nos participantes do ensaio clínico, o que poderia ter sido causado diretamente pela vacina. O artigo mostra que os cientistas da FDA reconheceram a eficácia e a segurança da vacina Pfizer/BioNTech. O documento descreve a vacina como "altamente eficaz" com "um perfil de segurança favorável". Estes resultados da Fase 3 da vacina BNT162b2mRNA da Pfizer/BioNTech foram incluídos em um artigo sumário publicado em 10 de dezembro de 2020 no New England Journal of Medicine (Polak et al.) [24] Afirma que o estudo envolveu 43.548 participantes, com mais de 16 anos, dos quais 21.720 receberam a vacina, segundo prêmio randomizado, e 21.728 por placebo. As pessoas obesas, ou com condições patológicas previamente estabelecidas, estavam bem representadas entre os participantes e 40% delas tinham mais de 55 anos. Os incidentes secundários incluíram dor moderada no local da injeção, fadiga e dores de cabeça, o que é comum a qualquer vacinação. A incidência de eventos graves foi baixa, sendo igualmente comum em ambos os grupos, se a vacina foi recebida ou um placebo recebido. Houve apenas 8 casos de Covid-19 entre os 21.720 participantes que receberam a vacina, com a doença começando 7 dias após a segunda dose da vacina, enquanto 162 casos da doença foram notificados entre os participantes que receberam apenas placebo. Dos 10 casos de Covid-19 graves que começaram após a primeira dose do produto injetado, 9 ocorreram em indivíduos que receberam placebo e apenas um em um sujeito que recebeu BNT162b2 Assim os resultados são impressionantes. Ele pode conclui-se que o regime de injeção da vacina BNT162b2 em duas doses sucessivas, com 21 dias de intervalo, proporciona 95% de proteção em pessoas com mais de 16 anos de idade.. Essa eficácia tem sido observada da mesma forma nos diversos subgrupos definidos por idade, sexo, etnia, índice de massa corporal e pré-existência de condições patológicas. A segurança ao longo de uma média de dois meses de observação parecia semelhante à observada com outras vacinas antivirais. Há certamente limites para o escopo desses primeiros resultados. O número de casos de covid-19 graves notificados após a vacinação (um no grupo vacinado, oito no grupo placebo) é muito baixo para tirar conclusões, particularmente sobre a ocorrência de um caso grave, apesar da vacinação. Além disso, o relatório não fornece dados sobre o número de casos assintomáticos detectados por soroconversão a uma nucleoproteína do vírus que não está incluída na composição da vacina. Finalmente, foram apenas 20.000 pessoas vacinadas nesta série.

O que acontecerá com os milhões, na verdade bilhões, por vir? Incidentes graves não podem aparecer no curso desta imunização maciça? Por quanto tempo a vacina permanecerá eficaz? São perguntas que não podem ser respondidas hoje. Além disso, a exigência de manter a vacina fria (-70 graus) coloca limites ao seu uso em países em desenvolvimento e regiões pobres do mundo. Mas os resultados em si são impressionantes o suficiente para descartar qualquer objeção à implementação imediata da vacinação. Em 11 de dezembro de 2020, a FDA concedeu à Pfizer/BioNTech aprovação para uso emergencial da vacina nos Estados Unidos. Como o colunista do NEJM Eric J.Rubin escreve: "Isto é um triunfo." Deve-se reconhecer que esse sucesso deve-se, em parte, à comunicação muito rápida da sequência do vírus, feita a cientistas de todo o mundo, pelos Centros Chineses de Controle de Doenças. Foi o caso do rápido desenvolvimento da vacina mRNA, combinada com a experiência recente com as vacinas de RNA mensageiro, particularmente no campo do câncer. A Pfizer anunciou que a terceira fase de seu ensaio clínico, que teve início em julho de 2020, continuará por mais dois anos, durante os quais os dados sobre a segurança e eficácia da vacina continuarão a ser coletados. A empresa incentiva os voluntários a permanecerem na pesquisa o maior tempo possível para que possam esclarecer a eficácia da vacina. A Pfizer e a BioNTech planejam fabricar 50 milhões de doses de sua vacina até o final de dezembro de 2020, o suficiente para 25 milhões de pessoas. O Centro de Controle e Prevenção de Doenças espera que 40 milhões de doses de vacina estejam disponíveis nos Estados Unidos até 2020, sendo 25 milhões provenientes da Pfizer e 15 milhões provenientes da Moderna se a última vacina for aceita pela FDA em dezembro. O governo dos EUA concordou em adquirir 100 milhões de doses de cada vacina, com a opção de comprar mais 900 milhões de doses de cada uma das duas vacinas. A Pfizer e a BioNTech esperam produzir até 1,3 trilhão de doses em 2021 para servir o mundo. A Moderna espera produzir de 500 milhões a um trilhão de doses de sua vacina em 2021. .


6) VACINA MRNA 1273 DA MODERNA A vacina candidata mRNA 1273 desenvolvida pela empresa americana Moderna e pelo Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID) é uma vacina RNA mensageiro muito próxima em seu projeto e operação da vacina BNT 162 b2 mRNA da Pfizer/BioNTech. Ele também usa RNAs mensageiro codificando a proteína do pico. Os códigos de vacina para o antígeno S-2P, que consiste na membrana de glicoproteína SARS-CoV-2 com uma âncora transmembrana e um local de decote S1-S2 intacto. [25] O S2P é estabilizado em sua conformação por duas substituições de prolina nas posições aminoácidos 986 e 987 na parte superior da hélice central na sub-unidade S2. [26] Em 14 de julho de 2020, a Moderna publicou os primeiros resultados promissores de um ensaio clínico da Fase I envolvendo 45 participantes entre 18 e 55 anos. [27] Os participantes receberam as duas doses sucessivas da vacina com 28 dias de intervalo. Foram divididos em três grupos com base na baixa, média ou alta dose da vacina administrada. Após receberem as duas doses da vacina, todos os participantes desenvolveram anticorpos neutralizantes em níveis superiores aos encontrados em convalescentes do SaRS-CoV-2 infecção. A vacina desenvolvida pela Moderna, portanto, parecia segura e bem tolerada. No entanto, mais da metade dos participantes experimentou alguns efeitos adversos colaterais, semelhantes aos observados após a vacinação contra a gripe, incluindo fadiga, calafrios, dores musculares e dor no local da injeção. Alguns dos participantes da dose média e alta dose de grupos vacinais desenvolveram febre após a segunda injeção. Uma pessoa que recebeu a maior dose experimentou uma febre "grave", com náuseas, sensação de leveza na cabeça e um episódio de síncope. Este participante se recuperou após um dia e meio de desconforto. Essas doses não serão entregues em ensaios clínicos da Fase 3. Em 28 de julho de 2020, a equipe da Moderna publicou um novo estudo no New England Journal of Medicine, mostrando como a vacina da Moderna induz uma forte resposta imune em macacos. Depois de receber uma dose de 10 ou 100 gramas de vacina e uma segunda dose duas semanas depois, os macacos foram expostos ao coronavírus na oitava semana. Os pesquisadores descobriram que os macacos desenvolveram uma forte resposta imune contra o vírus. Seu sistema imunológico produziu anticorpos neutralizantes e células T. Dois dias após a reexposição ao vírus, nenhuma replicação viral foi encontrada no nariz e nos pulmões, sugerindo que a vacina protegeu os macacos da infecção precoce. A organização governamental Warp Speed destinou US$ 955 milhões à Moderna para pesquisa e desenvolvimento desta vacina. Deve-se notar sobre esta vacina Moderna que os cientistas usaram a linha celular heK-293 dos tecidos de um feto abortado na Holanda na década de 1970. No entanto, essa linhagem só foi usada pela Moderna para testar a proteína spike que foi usada para construir a vacina. As células HEK-293 não foram utilizadas na construção da vacina em si, mas para aumentar o conhecimento necessário para projetar a vacina. [29] Em 16 de novembro de 2020, a empresa anunciou os primeiros resultados do ensaio clínico fase 3 de sua vacina. Este estudo, chamado de estudo COVE, inscreveu mais de 30.000 participantes nos Estados Unidos. Nesta série foram observados 95 casos de COVID-19, incluindo 90 casos no grupo placebo e 5 casos no grupo vacinal mRNA-1273. Os 95 casos incluíram 15 adultos com mais de 65 anos e 20 participantes de diversas comunidades. Isso deu 94,5% de eficácia da vacina m-RNA 1273 na proteção contra o vírus SARS-CoV-19. [30] Foram observados 11 casos de COVID-19 graves no grupo placebo, nenhum no grupo vacinal. A vacina tinha sido geralmente bem tolerada, com a maioria dos efeitos adversos sendo de gravidade moderada ou moderada. Reações graves de grau 3 foram observadas em 2% dos casos. Envolveu dor no local da injeção em 2,7% dos casos após a injeção da primeira dose da vacina, e fadiga (9,7%), arthralgias (5,2%), dor de cabeça (4,5%) dor variada (4,1%) vermelhidão no local da injeção (2%) após a segunda injeção. Esses eventos foram de curta duração. No geral, esses dados mostraram que a vacina era segura e eficaz da mesma forma em todos os subgrupos. Com base nesses resultados, a Moderna planejou, dentro de uma semana desta declaração, enviar uma autorização para a vacina à FDA em questão de urgência. A empresa espera produzir de 500 milhões a 1 trilhão de doses até 2021. A fase clínica 3 do Ensaio Clínico da Vacina Moderna continua. A Moderna planeja continuar seu estudo controlado por placebo até que 151 casos de doença sintomática sejam identificados. Dadas as taxas de transmissão atuais, isso pode levar apenas algumas semanas. A vacina preparada pela Moderna é muito semelhante à vacina produzida pela Pfizer/BioNTech e possui características semelhantes em termos de eficácia e possíveis efeitos colaterais. No entanto, pode ter uma vantagem sobre a vacina Pfizer/BioTech: é de fato mais estável e essa estabilidade tem sido comprovada por longos períodos de tempo a -20°C, o que corresponde às temperaturas dos freezers nas farmácias. No entanto, mesmo -20 °c é problemático, pois essa temperatura requer transporte em termos muito específicos, modelo daqueles usados na África para o transporte da vacina contra o ebola[32] .

D - A vacina ChAdOx1nCoV-19 DE OXFORD /ASTRAZENECA

A vacina ChAdOx1 nCoV-19, comumente referida como a vacina de Oxford, foi desenvolvida por pesquisadores da Universidade de Oxford e AstraZeneca. É uma vacina baseada no uso de um vetor de adenovírus que codifica a proteína do pico. (vacina à base de vetores adenovírus). A vacina usa um vetor de adenovírus geneticamente modificado para que não possa se replicar em humanos - o vetor de adenovírus deficiente de replicação ChAdOx1 - e inseriu genes no genoma do adenovírus para codificar as proteínas de pico - glicoproteção estrutural de comprimento total proteína de "pico" ou "pico" - Esta é a sequência de aminoácidos de codificação 2-1273 de CoV-2-SARS sintetizado com o líder tPA da extremidade de 5'(ativador de plasmininogênio tecidual) clonado em um plasmídeo de transporte. A vacina "ensina" o corpo a reconhecer esses antígenos, de modo que quando uma pessoa vacinada é exposta ao vírus CoV-2-SARS seu sistema imunológico pode eliminá-lo. A vacina é dada em duas doses, com 28 dias de intervalo. Em um comunicado à imprensa emitido em 23 de novembro de 2020[34] a Universidade de Oxford apresentou os primeiros resultados de seu estudo clínico fase 3 da vacina. Ele disse que a vacina do candidato era 70% eficaz na prevenção do COVID-19 e poderia ser 90% eficaz quando administrada na dose correta. A primeira análise desses ensaios em estágio final foi baseada em 131 participantes que desenvolveram o COVID-19 após receberem a vacina ou placebo. Naqueles que receberam duas doses completas, a vacina foi cerca de 62% eficaz na prevenção do COVID-19, mas naqueles que receberam primeiro uma meia dose e depois uma dose completa (isso não foi deliberado, mas resultado de um erro de dosagem nos primeiros ensaios), a vacina foi 90% eficaz. Não foram encontrados problemas graves de segurança, e nenhum dos participantes que desenvolveram uma infecção após receber a vacina precisou ser internado ou teve doença grave. Os ensaios tiveram que ser interrompidos duas vezes depois que dois participantes diferentes desenvolveram sintomas neurológicos, mas foram retomados quando os pesquisadores não encontraram nenhuma ligação entre a vacina e os sintomas, segundo Vox. Outro participante do estudo, um médico brasileiro de 28 anos, havia morrido por complicações relacionadas ao COVID-19, mas havia recebido apenas o placebo e não a vacina em si. Os comentaristas acharam esses resultados curiosos se não desorientadores. Como a imunização pode ser mais eficaz naqueles que receberam uma dose menor de vacina? [3]. Parecia ter havido um erro em algum lugar, provavelmente no grupo para o qual a AstraZeneca reivindicou 90% de eficácia da vacina. [4]. A impressão dos comentaristas é que a vacina tem uma eficácia de 62%, portanto moderada, e que outros dados são necessários para entender os 90% postados após uma dose mais fraca da vacina, o que parece incrível.


DESAFIO ÉTICO:

[5] No entanto, a técnica usada para produzir a vacina ChAdOx1nCOV-19 levanta um desafio ético. De fato, o adenovírus ChAdOIx1, que os pesquisadores usam como portador da sequência que compreende os genes da proteína do pico, é obtido e propagado em determinadas células, T-RexHEK293 (Invitrogen)[6] . Esta linhagem vem da linhagem heK293. Esta linhagem HEK 293 foi gerada em 1973 a partir de células renais fetais humanas, extraídas dos restos de um feto deliberadamente abortado na Holanda. A identidade dos pais do feto abortado é desconhecida, assim como a razão do aborto[7] . Não haveria cooperação genuína no mal do aborto, mesmo que esse mal tenha sido perpetrado há quarenta anos? A discussão sobre o tema é facilitada pela reflexão feita em 2005 pela Pontifícia Academia para a Vida quanto ao uso da vacina rubéola preparada com células humanas RA 2//3 a partir de um aborto[40].

Em 21 de dezembro de 2020, o cardeal Luis Ladaria, Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, emitiu uma nota sobre a moralidade do uso de certas vacinas contra o COVID-19. Esta nota ecoa as conclusões da declaração da Academia, simplificando-as, para aplicá-las ao caso da infecção pelo COVID-19. Entre outras coisas, incentiva produtores e distribuidores de vacinas SARS. Cov.2 para garantir a natureza ética da vacina que eles escolheram para produzir e disseminar. Também afirma que a indústria farmacêutica, governos e instituições internacionais têm um imperativo moral para garantir a natureza ética das vacinas SARS-CoV.2 que pretendem produzir, autorizar ou disseminar em seus respectivos setores. O primeiro cuidado da Pontifícia Academia para a Vida de Fãs sua declaração de 2005 foi identificar as várias formas de cooperação com o mal.

Uma primeira distinção é feita entre cooperação ativa (ou positiva) com a cooperação maligna e passiva (ou negativa) com o mal, a primeira referindo-se à atuação de um ato de cooperação em uma ação ruim que é realizada por outra pessoa, enquanto a segunda refere-se à omissão de um ato de denúncia ou obstrução da ação maligna, quando houve o dever moral de impedir o inquérito maligno.

É evidente que qualquer tipo de cooperação passiva formal deve ser considerada ilegal, mas mesmo a cooperação material passiva deve ser evitada. Cooperação formal é quando o oficial moral coopera na ação imoral de outra pessoa, compartilhando a intenção errada deste último. A cooperação formal é sempre totalmente culpada e moralmente ilegal. Cooperação material é quando o agente moral contribui materialmente para a realização do ato maligno, sem compartilhar a intenção maligna do ato. Em outras palavras, essa pessoa encontra-se fisicamente associada de alguma forma com o ato maligno, sem ter pretendido, e sem aprovar esse ato. Essa cooperação material pode ser dividida em duas categorias: imediata e mediada. Em cooperação material imediato (direta) o sujeito coopera diretamente com o ato errado (por exemplo, a enfermeira que auxilia um médico que realiza um aborto). Na cooperação material mediada (indireta), o sujeito não participa do ato imoral, mas sua ação facilita indiretamente sua execução - por exemplo, fornecendo compressas estéreis a uma clínica que realiza abortos. Essa cooperação material pode ser ainda dividida em cooperação material mediada próxima e cooperação material mediada remotamente, de acordo com a "distância" cronológica ou espacial que existe entre o ato de cooperação e o ato maligno perpetrado pelo agente principal. Quando a cooperação material imediata diz respeito a um assunto sério, como um ataque à vida humana, deve ser sempre considerado ilícito, mesmo que os colaboradores não compartilhem a intenção da pessoa cometer o ato ruim. No caso da cooperação material mediada e se a colaboração for indireta, a gravidade moral da cooperação e, portanto, sua imputabilidade, diminui com o aumento da distância (temporal ou material) entre o ato de cooperação e a má ação. No entanto, mesmo com uma distância importante (quarenta anos) e uma imputabilidade que se tornou insignificante, o fato da cooperação permanece porque o aborto não pode ser apagado da história e da memória. Como esse ensino se aplica à questão das vacinas? - Em primeiro lugar, qualquer forma de cooperação formal em um aborto deve ser considerada moralmente errada. Portanto, qualquer pessoa que - independentemente da categoria à qual pertence - coopere de uma forma ou de outra, compartilhando a intenção de fazê-lo, na realização de um aborto voluntário com o propósito de produzir as vacinas acima mencionadas, está, na realidade, participando do mesmo mal moral que a pessoa que realizou o aborto. Essa participação também ocorreria no caso em que uma pessoa que compartilha a intenção do aborto se abstenha de denunciar ou criticar essa ação ilícita, embora tenha o dever moral de fazê-lo (cooperação formal passiva). Segue-se que as pessoas que, sabendo da origem das células humanas usadas para preparar a vacina, não protestam contra o uso dessas vacinas e não fazem nada contra seu uso são culpadas de cooperação passiva e, portanto, atribuíveis

A cooperação com o erro do aborto inicial ao qual a produção da vacina está ligada atinge seu nível mais alto quando é realizada por autoridades nacionais e internacionais quando essas autoridades , embora ciente do problema ético levado pela vacina, não leve isso em conta e autorize ou mesmo imponha o uso da referida vacina em sua área de governança.

A preparação, distribuição e comercialização de vacinas produzidas utilizando material biológico cuja origem está ligada a células de um feto abortado voluntariamente é moralmente repreensível. No entanto, deve ser reconheceu que, na cadeia de produção-distribuição-mercado, diferentes agentes colaboradores podem ter responsabilidades morais muito diferentes dependendo de sua posição na cadeia. - Médicos que prescrevem o uso da vacina, e usuários de vacinas, para si ou seus filhos, se envolvem em uma forma muito distante de cooperação material mediada, sem consequências para a responsabilidade e responsabilização.

-Por outro lado, se esses mesmos médicos ou usuários de vacinas aprovarem o ato de aborto voluntário que levou ao desenvolvimento da vacina, eles entram em uma cooperação formal, e sua responsabilização está completa.

CONCLUSÃO:

Vacinas eticamente problemáticas não devem ser utilizadas se puderem ser usadas sem colocar em risco a saúde humana. Caso contrário, uma vacina alternativa deve ser usada. Se o agente infeccioso contra o qual a vacina é dirigida é altamente invasivo, causa doenças graves, tem letalidade significativa, e se não houver vacina alternativa disponível, a vacina eticamente problemática será usada, mas deve ficar claro que a aceitação não significa aprovação, mas a escolha do mal menor para o bem comum.

Como esse pensamento geral sobre vacinas se aplica ao caso específico da vacina AstraZeneka SARS.2 ? Esta vacina usa inquestionavelmente células T-RexHEK293 na preparação do vetor viral usado como "portador" de informações genéticas. A origem desta linha celular é um feto humano abortado voluntariamente. Há, portanto, cooperação com o mal desse aborto por parte de todos os envolvidos no desenvolvimento da vacina e autorizá-la. Essa cooperação é formal e material, o que implica total responsabilidade. Por outro lado, essa cooperação é material, indireta, mediada e remota para os médicos que prescrevem a vacina e para aqueles que a utilizam, o que reduz muito sua responsabilidade. Há, no entanto, uma série de fatores, específicos para a fabricação do SARS da AstraZeneca. Vacina COV.2, que parece reduzir a gravidade da responsabilidade moral dos produtores e usuários desta vacina.

(1)- O feto humano do qual as células renais da linhagem HEK293 foram derivadas não foi abortado para uso de suas células em laboratório. O aborto veio apenas em segundo lugar, após o aborto, e aparentemente não havia nenhuma ligação causal direta entre o aborto e a preparação das células renais humanas a partir do tecido fetal abortado. Foi feita uma tentativa de usar esse argumento para justificar a extração de células humanas para fins laboratoriais dos restos de fetos abortados voluntariamente, citando um duplo efeito. O objetivo adequado seria a coleta de células humanas para pesquisa e desenvolvimento de vacinas. O efeito negativo seria a morte do feto que não foi buscada para seu próprio bem. Mas isso não pode ser aplicado porque o bom efeito (coleta de células humanas para vacinas) passa pelo efeito ruim (aborto).

2)- As duas transfecções sucessivas às quais as células renais do feto abortado foram submetidas à linha T-RexHEK293 introduziram uma transformação no genoma das células, o que as tornou diferentes das células renais iniciais, e é essa diferença que as torna úteis na biologia. Isso é verdade, mas a diferença é mínima, da ordem de uma mutação. A linha T-RexHEK293 não é um "primo" das células renais humanas derivadas do feto abortado, mas é descendente direto dessas células.

3)- As células T-RexHEK293 não estão envolvidas no modo de ação da vacina, que é genético. Eles permitem a produção de um adenovírus de transporte modificado para hospedar genes adicionais em seu genoma, de modo que o uso dessas células poderia ser considerado um acessório, fato complementar ao desenvolvimento da vacina. Essa perspectiva não está correta porque a qualidade da vacina depende da qualidade do vetor e, portanto, das linhas celulares que permitem seu desenvolvimento. O uso de células T-RexHEK293 é parte integrante do desenvolvimento de vacinas. Essas circunstâncias, que poderiam ser consideradas atenuantes, não podem substituir o fato de que, no desenvolvimento da vacina da AstraZeneca, o uso é feito de uma linha celular derivada de um aborto voluntário. Por isso, é eticamente apropriado não usar essa vacina, mas usar vacinas alternativas.

No entanto, o Nota de 21 de dezembro de 2020 da Congregação para a Doutrina da Fé autoriza o uso dessas vacinas no combate ao SARS. CoV.2, "usando linhas celulares de fetos abortados em sua preparação" caso nenhuma vacina alternativa esteja disponível. Mas não está claro onde e quando tal situação de escassez de vacinas poderia ocorrer. Atualmente, existem 48 vacinas contra o SARS. Cov.2, que não representam um problema ético, e agora chegaram ao estágio de uso clínico. Entre essas 48, as vacinas RNA mensageiros Pfizer/BioNTech e Moderna, destacam-se por sua alta eficácia (95%) e segurança. A vacina Astra Zeneca (cuja eficácia é relativamente baixa, 70%) pode, portanto, ser dispensado sem problemas, A nota da Congregação para a Doutrina da Fé ainda indica que o uso de vacinas antiéticas, historicamente ligadas ao aborto voluntário, seria possível nos países onde a distribuição de vacinas éticas seria "mais difícil devido às condições especiais de armazenamento e transporte". O artigo faz alusão aos requisitos especiais de armazenamento das vacinas RNA mensageiros que requerem baixas temperaturas e, portanto, equipamentos especiais para permanecerem estáveis (-70C e -20C). De fato, a Pfizer/BioNTech traz seus próprios contêineres de armazenamento onde opera, e isso seria verdade para os países africanos, bem como para os países da América Latina ou Pacífico. Manter a vacina Moderna a 20 graus Celsius é ainda mais fácil tecnicamente. Além disso, a China está fazendo um grande esforço internacional para oferecer suas vacinas SARS a preços baixos para os países pobres. Cov.2, (Sinopharm, Sinovac), que são vacinas convencionais, atenuadas do vírus, eficazes, atendendo demandas éticas. Mesmo em países mais pobres, vacinas alternativas à vacina AstraZeneca estarão disponíveis em um futuro próximo. Deve-se lembrar também que permanecer em silêncio sobre a natureza antiética da vacina AstraZeneca seria cooperar com o mal do aborto e incentivar outras empresas a também usar linhas celulares de fetos humanos que são deliberadamente abortados. Não queremos essa regressão moral.


[1] Sahin U, Karikó K, Türeci Ö., mRNA-based therapeutics - desenvolvendo uma nova classe de medicamentos, Nature Reviews Drug Discovery, outubro de 2014, vol.13, n°10, pp.759-780. .

[2] Wolff JA, Malone RW, Williams P, Chong W, Acsadi G, Jani A, Felgner PL, Transferência direta de genes para o músculo do rato in vivo., Science, 23 de março de 1990, vol.247, n°4949 Pt 1, pp.1465-1468.

[3] Fiedler K, Lazzaro S, Lutz J, Rauch S, Heidenreich R , mRNA Cancer Vaccines, Recent Results in Cancer Research, 2016, vol.209, pp.61-85..

[4] Conry RM, LoBuglio AF, Wright M, Sumerel L, Pike MJ, Johanning F, Benjamin R, Lu D, Curiel DT, Caracterização de um vetor de vacina RNA de RNA mensageiro., Cancer Research, 1 de abril de 1995, vol.55, n°7, pp.1397-400.

[5] Boczkowski D, Nair SK, Snyder D, Gilboa E. As células dendríticas pulsadas com RNA são potentes células que apresentam antígenos in vitro e in vivo. . J Exp Med. 1996 Ago 1;184(2):465-72. doi: 10.1084/jem.184.2.465.

[6] Kreiter S, Diken M, Selmi A, Türeci Ö, Sahin U., Vacinação tumoral usando RNA mensageiro: perspectivas de uma terapia futura, Opinioina Atual em Imunologia, junho de 2011, vol.23, n°3, pp.399-406. .

[7] Martinon F, Krishnan S, Lenzen G, Magné R, Gomard E, Guillet JG, Lévy JP, Meulien P., Indução de linfócitos T citotóxicos específicos do vírus in vivo por mRNA liposome-preso, European Journal of Imunology, julho de 1993, vol.23, n°7, pp.1719-1722.. . Martinon F, Krishnan S, Lenzen G, Magné R, Gomard E, Guillet JG, Lévy JP, Meulien P. [8] Geall AJ, Verma A, Otten GR, Shaw CA, Hekele A, Banerjee K, Y, Beard CW, Brito LA, Krucker T, O'Hagan DT, Singh M, Mason PW, Valiante NM, Dormitzer PR, Barnett SW, Rappuoli R, Ulmer JB, Mandl CW. Christian W Mandl, Entrega nãoviral de vacinas de RNA auto-amplificadoras, Procedimentos da Academia Nacional de Ciências, U S A, 4 de setembro de 2012, vol.109, n°36, pp.14604-14609. Hekele A, Bertholet S, Archer J, Gibson DG, Palladino G, Brito LA, Otten GR, Brazzoli M, Buccato S, Bonci A, Casini D, Maione D, Qi ZQ, Gill JE, Caiazza NC, Urano J, Hubby B, Gao GF, Shu Y, De Gregorio E, Mandl CW, Mason PW, Settembre EC, Ulmer JB, Craig Venter J, Dormitzer PR, Rappuoli R, Geall AJ., Vacina SAM (®) rapidamente produzida contra a influenza H7N9 é imunogênica em camundongos., Micróbios Emergentes e Infecção, Agosto de 2013, vol.2, n°8:e52. doi: 10.1038/emi.2013.54. Epub 2013 Ago 14. Mascola JR, Fauci AS,. Novas tecnologias de vacinação para o século XXI, Nature Reviews, Imunologia, fevereiro de 2020 vol.20, n°2, pp.87-88.

[9] Geall AJ, Mandl CW, Ulmer JB, RNA: a nova revolução nas vacinas de ácido nucleico, Seminários em Imunologia, Abril de 2013, vol.25, n°2, pp.152-159.

[10] Pardi N, Hogan MJ, Porter FW, Weissman D, .mRNA vaccines - uma nova era na vacinação., Nature Reviews descoberta de medicamentos, abril de 2018, vol.17, n°4, pp.261-279.

[11] Pitard B, Nanotaxi pour les Vaccins ARN et ADN, Médecine-Sciences, octobre 2019, vol.15, n°10, pp.749-752.

[12] Jackson NAC, Kester KE, Casimiro D, Gurunathan S, DeRosa F. A promessa de vacinas mRNA: uma perspectiva biotecnológica e industrial., Vacinas NPJ. 4 de fevereiro de 2020, vol.5:11. doi: 10.1038/s41541-020-0159-8. eCollection 2020.

[13] Pardi N, Hogan MJ, Porter FW, Weissman D, vacinas mRNA - uma nova era na vacinação., Nature Reviews Drug Discovery, abril de 2018 , vol.17, n°4, pp.261-279. [14] Walsh EE, Frenck RW Jr, Falsey AR, Kitchin N, Absalon J, Gurtman A, Lockhart S, Neuzil K, Mulligan MJ, Bailey R, Swanson KA, Li P, Koury K, Kalina W, Cooper D, Fontes-Garfias C, Shi PY, Türeci Ö, Tompkins KR, Lyke KE, Raabe V, Dormitzer PR, Jansen KU, Şahin U, Gruber WC, Safety and Immunogenicity of Two RNA-based Covid-19 Vaccine Candidates, The New England Journal of Medicine, 14 de outubro de 2020, NEJMoa2027906. doi: 10.1056/ NEJMoa2027906. Online antes da impressão.

[15] Mulligan MJ, Lyke KE, Kitchin N, Absalon J, Gurtman A, Lockhart S, Neuzil K, Raabe V, Bailey R, Swanson KA, Li P, Koury K, Kalina W, Cooper D, Fontes-Garfias C, Shi PY, Türeci Ö, Tompkins KR, Walsh EE, Frenck R, Falsey AR, Dormitzer PR, Gruber WC, Şahin U, Jansen KU, Fase I/II estudo da vacina COVID-19 RNA BNT162b1 em adultos, adultos, . Natureza, outubro de 2020, vol.586, n°7830, pp.589-593. .

[16] Sahin U, Muik A, Derhovanessian E, Vogler I, Kranz LM, Vormehr M, Baum A, Pascal K, Quandt J, Maurus D, Brachtendorf S, Lörks V, Sikorski J, Hilker R, Becker D, Eller AK, Grützner J, Boesler C, Rosenbaum C, Kühnle MC, Luxemburger U, Kemmer-Brück A, Langer D, Bexon M, Bolte S, S. Karikó K, Palanche T, Fischer B, Schultz A, Shi PY, Fontes-Garfias C, Perez JL, Swanson KA, Loschko J, Scully IL, Cutler M, Kalina W, Kyratsous CA, Cooper D, Dormitzer PR, Jansen KU, Türeci A vacina COVID-19 BNT162b1 provoca respostas de anticorpos humanos e células TH1 T, Natureza, 22 de outubro de 2020, vol.586, n°7830, pp.594-599..

17 Noah Weiland, Carl Zimmer, vacina da Pfizer oferece forte proteção após a primeira dose, The New York Times, em 8 de dezembro de 2020.

[18] Pfizer e BioNTech anunciam candidato à vacina contra COVID-19 obteve sucesso na primeira análise provisória do estudo fase 3 segunda-feira, 09 de novembro de 2020 - 06:45am https://www.pfizer.com/news/press-release/press-releasedetail/pfizer-and-biontech-announce-vaccine-candidate-against

[19]Pfizer e BioNTech concluir fase 3 estudo do candidato à vacina COVID-19, Reunião Todos os Pontos Finais de Eficácia Primária Quarta-feira, 18 de novembro de 2020 - 06:59am, https://www.pfizer.com/news/press-release/press-release-detail/pfizer-andbiontech-conclude-phase-3-study-covid-19-vaccine

[20] Roberts Michelle, Covid-19: Vacina Pfizer/BioNTech julgada segura para uso no Reino Unido, BBC, 2 de dezembro de 2020 https://www.bbc.com/news/health-55145696?fbclid=IwAR2t3tzcH5uf14Mb3YliekUp5FjDjkRPJO12wcen1TAIe73WjrDnJhfV9U Cécile Ducourtieux, Le Royaume-Uni ouvre la voie à la vacinação contre levid le covid. L'autorisation précoce du vaccin Pfizer offre une victoire à Boris Johnson, Le Monde, vendredi 4 Décembre 2020.

[21] Vacina Covid-19: Primeira pessoa recebe jab Pfizer no Reino Unido , BBC, https://www.bbc.com/news/uk-55227325

[22] Camada aprova a vacina Pfizer-BioiNTech Coronavirus, The New Yoirk Times, 12 de dezembro de 2020.

[23] Reunião do Comitê Consultivo de Vacinas e Produtos Biológicos Relacionados, 10 de dezembro de 20230, Documento de Briefing da FDA, Pfizer-BioNTech COVID-19. Noah Weiland, Carl Zimmer, vacina da Pfizer oferece forte proteção após a primeira dose, The New York Times, 8 de dezembro de 2020. Matthew Herper, cientistas da FDA endossam a vacina Pfizer/BioNTech Covid-19 'altamente eficaz' antes do painel-chave, STAT, 8 de dezembro de 2020, https://www.statnews.com/2020/12/08/fda-scientists-endorse-highly-effective-pfizer-biontechcovid-19-vaccine-ahead-of-key-panel/

[24] Polack FP , Thomas SJ , Kitchin N , Absalon J , Gurtman A , Lockhart S , Perez JL , Pérez Marc G , Moreira ED , Zerbini C , Bailey R , Swanson KA , Roychoudhury S , Koury K , Ping Li 1 , Kalina WV , Cooper D , Frenck Jr RW , Hammitt LL , Türeci O , Nell H , Schaefer A , Ünal S , Tresnan DB , Mather S , Dormitzer PR , Şahin U , Jansen KU , Gruber WC , C4591001 Clinical Trial Group, Segurança e Eficácia da Vacina BNT162b2 mRNA Covid-19, The New England Journal of Medicine, 10 de dezembro de 2020, doi: 10.1056/NEJMoa2034577. Online antes da impressão.


[25] Jackson LA, Anderson EJ, Rouphael NG, Roberts PC, Makhene M, Coler RN, McCullough MP, Chappell JD, Denison MR, Stevens LJ, Pruijssers AJ, McDermott A, Flach B, Doria-Rose NA, Corbett KS, Morabito KM, O'Dell S, Schmidt SD, Swanson PA 2º, Padilla M, Mascola JR, Neuzil KM, Bennett H, Sun W, Peters E, Makowski M, Albert J, Cross K, Buchanan W, Pikaart-Tautges R, Ledgerwood JE, Graham BS, Beigel JH, mRNA-1273 Study Group , An mRNA Vaccine against SARS-CoV-2 - Preliminary Report., The New England Journal of Medicine, 12 novembro 2020, vol.383, n°20, pp.1920-1931. Wrapp D, Wang N, Corbett KS, Goldsmith JA, Hsieh CL, Abiona O, Graham BS, McLellan JS, Estrutura Cryo-EM do pico 2019-nCoV na conformação pré-fusão., . Ciência, 13 de março de 2020, vol.367, n°6483, pp.:1260-1263.


[26] Corbett KS, Edwards DK, Leist SR, Abiona OM, Boyoglu-Barnum S, Gillespie RA, Himansu S, Schäfer A, Ziwawo CT, DiPiazza AT, Dinnon KH, Elbashir SM, Shaw CA, Woods A, Fritch EJ, Martinez DR, Bock KW, Minai M, Nagata BM, Hutchinson GB, Wu K, Henry C, Bahl K, Garcia-Dominguez D, Ma L, Renzi I, Kong WP, Schmidt SD, Wang L, Zhang Y, Ph. Chang LA, Loomis RJ, Altaras NE, Narayanan E, Metkar M, Presnyak V, Liu C, Louder MK, Shi W, Leung K, Yang ES, West A, Gully KL, Stevens LJ, Wang N, Wrapp D, Doria-Rose NA, Stewart-Jones G, Bennett H, Alvarado GS, Nason MC, Ruckwardt TJ, McLellan JS, Denison MR, Chappell JD, Moore IN, Morabito KM, Mascola JR, Baric RS, Carfi a , Graham BS, projeto de vacina SARS-CoV-2 mRNA habilitado pela preparação de protótipos de patógenos, Nature, 22 de outubro. 2020, vol.586, n°7830, pp.567-571.

[27] Jackson LA, Anderson EJ, Rouphael NG, Roberts PC, Makhene M, Coler RN, McCullough MP, Chappell JD, Denison MR, Stevens LJ, Pruijssers AJ, McDermott A, Flach B, Doria-Rose NA, Corbett KS, Morabito KM, O'Dell S, Schmidt SD, Swanson PA 2nd, Padilla M, Mascola JR, Neuzil KM, Bennett H, Sun W, Peters E, Makowski M, Albert J, Cross K, Buchanan W, Pikaart-Tautges R, Ledgerwood JE, Graham BS, Beigel JH; mRNA-1273 Study Group, Uma vacina mRNA contra SARS-CoV-2 - Relatório Preliminar., The New England Journal ofMedicine, 12 de novembro 2 20, roubo. 383, nº 20, pp.:1920-1931.

[28] Corbett KS, Flynn B, Foulds KE, Francica JR, Boyoglu-Barnum S, Werner AP, Flach B, O'Connell S, Bock KW, Minai M, Nagata BM, Andersen H, Martinez DR, Noe AT, Douek N, Donaldson MM, Nji NN, Alvarado GS, Edwards DK, Flebbe DR, Lamb E, Doria-Rose NA, Lin BC, Louder MK, O'Dell S, Schmidt SD, Phung E, Chang LA, Yap C, Todd JM, Pessaint L, Van Ry A, Browne S, Greenhouse J, Putman-Taylor T, Strasbaugh A, Campbell TA, Cook A, Dodson A, Steingrebe K, Shi W, Zhang Y, Abiona OM, Wang L, Pegu A, Yang ES, Leung K, Zhou T, Teng IT, Widge A, Gordon I, Novik L, Gillespie RA, Loomis RJ, Moliva JI, Stewart-Jones G, Himansu S, Kong WP, Nason MC, Morabito KM, Ruckwardt TJ, Ledgerwood JE, Gaudinski MR, Kwong PD, Mascola JR, Carfi A, Lewis MG, Baric RS, McDermott A, Moore IN, Sullivan NJ, Roederer M, Seder RA, Graham BS, Avaliação da vacina mRNA-1273 contra SARS-CoV-2 em Primatas Não Humanos., The New England Journal of Medicine, 15 de outubro de 2020, vol.383, n°16, pp.1544-1555.

[29] Que conexão a vacina da Moderna tem com o tecido fetal abortado? Agência de Notícias Católica, Denver, Redação, 24 de novembro de 2020 https://www.catholicnewsagency.com/news/what-connection-does-modernas-vaccine-have-toaborted-fetal-tissue-20134


[30] Candidato à vacina COVID-\19 da Moderna atende seu ponto final de eficácia primária no Fots Análise Provisória do Estudo da Fase 3 COVE, 16 de novembro de 2020, https://investors.modernatx.com/news-releases/news-release-details/ modernos-covid-19-vaccine-candidate-meets-its-primary-efficacy/

[31] Moderna, "O candidato à vacina COVID-19 da Moderna atende ao seu ponto final de eficácia primária na primeira análise provisória do estudo da fase 3 COVE", 16 de novembro de 2020;https://investors.modernatx.com/news-releases/ news-release-details/modernas-covid-19-vaccinecandidate-meets-its-primary-efficacy.

[32] Jon Cohen, As apostas de vacinas sobre proteína superficial coronavírus compensam, Science, 20 de novembro de 2020, vol.370, n°6519, pp.894-895.


[33] van Doremalen N, Lambe T, Spencer A, Belij-Rammerstorfer S, Purushotham JN, Port JR, Avanzato VA, Bushmaker T, Flaxman A, Ulaszewska M, Feldmann F, Allen ER, Sharpe H, Schulz J, Holbrook M, Okumura A, Meade-White K, Pérez-Pérez L, Edwards NJ, Wright D, Biss Cett, Gilbride C. Williamson BN, Rosenke R, Long D, Ishwarbhai A, Kailath R, Rose L, Morris S, Powers C, Lovaglio J, Hanley PW, Scott D, Saturday G, de Wit E, Gilbert SC, Munster VJ, ChAdOx1 nCoV-19 vacina previne pneumonia SARS-CoV-2 em rhesus macaques, Natureza, 22 de outubro de 2020, vol.586, n°7830, pp.578-582. Voir p.583, métodos. 8doi: 10.1038/s41586-020-2608-y. Epub 2020 Jul 30. 32731258

[34]Divulgação, Regulatory News Service, AstraZeneca PLC 1 Francis Crick Avenue, Cambridge Biomedical Campus, Cambridge CB2 0AA, Reino Unido. 23 de novembro de 2020 07:00 GMT. Vacina AZD1222 atingiu o ponto final de eficácia primária na prevenção do COVID-192Us diferentes regimes de dosagem demonstraram eficácia com um mostrando um perfil melhor Não hospitalizações ou casos graves de COVID-19 em participantes tratados com AZD1222 https://www.astrazeneca.com/ media-centre/press-releases/2020/azd1222hlr.html

[35] Ewen Callaway, Nature NEWS 23 de novembro de 2020, por que os resultados positivos da vacina COVID de Oxford estão intrigando os cientistas Dados pré-liminares sugerem que a imunização foi mais eficaz em participantes de testes que receberam uma dose menor. Rebecca Robbins, Benjamin Mueller, Depois de admitir o erro, a AstraZeneca enfrenta perguntas difíceis sobre a vacina itas, The New York Times, em 25 de novembro de 2020.

[37] Helen Branswell, Matthew Herper, dados detalhados sobre a vacina AstraZeneca-Oxford Covid-19 mostram que tem eficácia moderada, até 8 de dezembro de 2020, STAT

[38] van Doremalen N, Lambe T, Spencer A, Belij-Rammerstorfer S, Purushotham JN, Port JR, Avanzato VA, Bushmaker T, Flaxman A, Ulaszewska M, Feldmann F, Allen ER, Sharpe H, Schulz J, Holbrook M, Okumura A, Meade-White K, Pérez-Pérez L, Edwards NJ, Wright D, Bissett C, Gilbride C, Williamson BN, Rosenke R, Long D, Ishwarbhai A, Kailath R, Rose L, Morris S, Powers C, Lovaglio J, Hanley PW, Scott D, Saturday G, de Wit E, Gilbert SC, Munster VJ, ChAdOx 1 nCoV-19 vacina previne pneumonia SARS-CoV-2 em rhesus macaques, Nature, 22 de outubro de 2020, vol.586, n°7830, pp.578-582. Métodos voir, geração da vacina ChAdOx1nCoV-19, p583.wdoi: 10.1038/s41586-020-2608-y. Epub 2020 Jul 30. PMID: 32731258

[39] Alex van der Eb. "USA FDA CTR For Biologics Evaluation and Research Vaccines and Related Biological Products Advisory Committee Meeting" (PDF). Linhas 14-22: USFDA. p. 81 https://www.fda.gov/ohrms/dockets/ac/01/transcripts/3750t1_01.pdf


[40] Pontifícia Academia para a Vida, Declaração, Reflexões Morais sobre Vacinas Preparadas a partir de Células Derivadas de Fetos Humanos Abortados, Vaticano, 5 de junho de 2005. O documento pode ser encontrado online no The National Catholic Bioethics Quarterly, Outono 2006, Vol.6, No.3, pp.541-550.

[41] Congregação para a Doutrina da Fé, Nota sobre a moralidade de usar algumas vacinas anti-Covívid, Roma,. 21 de dezembro de 2020., No.2: "Nesse sentido, quando as vacinas Covid-19 eticamente irrepreensíveis não estão disponíveis (por exemplo, em países onde vacinas sem problemas éticos não são disponibilizadas para médicos e pacientes, ou onde sua distribuição é mais difícil devido a condições especiais de armazenamento e transporte, quando ou vários tipos de vacinas são distribuídas no mesmo país, mas as autoridades de saúde não permitem que os cidadãos escolham a vacina com a qual ser vacinada, é moralmente aceitável Vacinas Covid-19 que usaram linhas celulares de fetos abortados em seu processo de pesquisa e produção."

Por Jacques Suaudeau, Grenoble, ex-Diretor Científico da Pontifícia Academia para a Vida, Assistente Eclesiástico do FIAMC e Doutor em Medicina.


74 visualizações0 comentário