Variante Epsilon da Califórnia pode escapar das vacs




Esta imagem de microscópio eletrônico não datado disponibilizada pelos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA em fevereiro de 2020 mostra SARS-CoV-2, amarelo, emergindo da superfície das células, azul/rosa, cultivadas em laboratório. Também conhecido como 2019-nCoV, o vírus causa COVID-19. (NIAID-RML/AP/The Canadian Press)

Uma variante do vírus CCP (Partido Comunista Chinês) tem propriedades que podem ajudá-lo a ser mais resistente às vacinas atuais ou à imunidade que uma pessoa ganhou com a infecção anterior do COVID-19, de acordo com um novo estudo revisado por pares.

A variante "Epsilon", detectada pela primeira vez na Califórnia em maio de 2020, tem três mutações em sua proteína de pico que a ajudam a neutralizar anticorpos que são produzidos por vacinas mRNA como pfizer e moderna, disseram pesquisadores da Universidade de Washington e do laboratório Vir Biotechnology, com sede em San Fransisco, em seu relatório.

Proteínas de espigão são encontradas na superfície do coronavírus e são as que permitem que o vírus se conecte e entre células humanas. Vacinas atuais estão sendo usadas contra ele.

O estudo, publicado na revista Science em 1º de julho,sugere que as mutações de proteínas de pico também podem ajudar a variante Epsilon a escapar da imunidade que uma pessoa desenvolveu anteriormente da infecção passada com o vírus CCP, que causa a doença COVID-19.

A eficácia dos anticorpos gerados pelas vacinas atuais ou pela infecção anterior de uma pessoa foi 50 a 70% menos eficaz contra a variante Epsilon do que contra cepas de vírus ccp circulantes do tipo selvagem (que não contêm grandes mutações), de acordo com os achados do estudo.

A variante Epsilon se dividiu em linhagens — B.1.427 e B.1.429 — desde seu primeiro surgimento. Os casos da variante tornaram-se mais difundidos nos Estados Unidos e desde então foi relatado em pelo menos 34 outros países.

Em 30 de junho, o Departamento de Saúde Pública da Califórnia registrou 20.585 casos de Epsilon. Os Estados Unidos registraram pelo menos 47.987 casos no total, que representam 97% dos 49.221 casos em todo o mundo, informou o Daily Mail. O Centers for Disease Control and Prevention (CDC) diz que a variante representa atualmente 0,1% do total de casos de vírus CCP nos Estados Unidos.

Acredita-se que a variante seja cerca de 20% mais infecciosa em relação às cepas de vírus CCP circulantes do tipo selvagem, de acordo com o CDC.

O CDC anteriormente rotulou epsilon como uma "variante de preocupação", mas sua classificação foi desescalada a uma "variante de interesse" a partir de 29 de junho, o que a agência diz ser devido à "diminuição significativa" na proporção dos vírus que circulam no país, bem como "dados disponíveis indicando que vacinas e tratamentos são eficazes contra essa variante".