Vasculhando a Ciência da CV-19




Pesquisas conflitantes e políticas questionáveis levantam questões sobre resposta à saúde pública pandêmica

POR CONAN MILNER

23 de junho de 2021

Usar um pano ou máscara facial de papel protege você de um vírus? O teste do PCR é um método confiável para identificar uma infecção? Os bloqueios ajudam a diminuir a propagação? Existem medicamentos seguros que trataram ou preveniram com sucesso o COVID-19?

Faça essas perguntas para uma seleção aleatória de pessoas e você provavelmente terá respostas muito conflitantes. Isso é porque há muita confusão em torno da pandemia COVID. Especialistas em saúde sempre enfatizaram que a ciência orienta suas ordens de saúde pública, mas muitos médicos, legisladores e cientistas têm desafiado essas regras sobre a falta de ciência que os apoia.

Até a origem do vírus tem sido repleta de controvérsias científicas. Desde o início da pandemia, as autoridades insistiram que o SARS-CoV2, o vírus disse causar COVID-19, emergiu da natureza, saltando de morcego para humano de uma só vez. Apesar das evidências sugerirem que um laboratório de virologia chinês pode ter sido a verdadeira fonte, uma declaração de fevereiro de 2020 na prestigiada revista Lancet criticou a conjectura do vírus feito pelo homem como uma teoria da conspiração selvagem. Depois disso, a ideia foi rotineiramente recebida com críticas, censura nas redes sociais e pior.

O ex-diretor do CDC Robert Redfield disse à Vanity Fair que recebeu ameaças de morte de colegas cientistas depois de dizer à CNN que acreditava que o COVID-19 havia "escapado" do Instituto de Virologia de Wuhan.

"Fui ameaçado e ostracizado porque propus outra hipótese", disse Redfield. "Eu esperava isso dos políticos. Eu não esperava isso da ciência.

Mas hoje, os mesmos especialistas em saúde que uma vez evitaram a ideia agora admitemque a teoria do vazamento de laboratório é pelo menos uma forte possibilidade.

É importante entender os detalhes científicos por trás do COVID-19, pois informações sólidas podem nos ajudar a reagir melhor a ela. Como todos nós experimentamos recentemente, uma pandemia não traz apenas um novo vírus, mas um novo estilo de vida. As medidas impostas feriram ou destruíram pequenas empresas, fecharam escolas e mantiveram nossos círculos sociais dolorosamente pequenos por mais de um ano, em um esforço para conter, ou pelo menos retardar, a propagação de uma doença potencialmente mortal. Funcionários venderam esses inconvenientes prolongados com um apelo à razão: "Confie na ciência".


Mas a ciência acabou apoiando esses sacrifícios? Os mandatos de máscaras e confinamentos realmente salvaram vidas como os especialistas em saúde alegaram? Depois de um ano de experiência no mundo real, e uma riqueza de estudos traçando o curso, podemos chegar a uma compreensão mais clara do que funciona e o que não funciona em uma pandemia?

Colleen Huber aborda a questão em seu novo livro, "A Derrota do COVID". Sua missão é educar as pessoas sobre como nossos corpos funcionam, métodos que usamos no passado para lidar com a infecção, e as evidências científicas relacionadas ao COVID-19 para que possamos entender melhor a crise que enfrentamos.

"Há tanto mal-entendido sobre tantas coisas relacionadas ao COVID. Quanto menos sabemos sobre o sistema imunológico humano, a atividade dos vírus em geral, as intervenções naturais que funcionaram tão bem para muitos de nossos ancestrais por inúmeras gerações, então mais uma história assustadora de vírus envia as pessoas para o fundo do medo", disse Huber. "O medo sozinho é bastante incapacitante. Acho que faz com que as pessoas concordem com coisas que de outra forma não concordariam."

As conclusões de Huber se opõem consistentemente a muito do que é relatado na grande mídia. Mas ela cita mais de 500 estudos médicos para fazer seu caso.

"Para cada um dos estudos que citei há muito mais alguns, especialmente para a terapêutica. Há uma quantidade enorme de mais que eu poderia ter citado", disse ela. "Como este não é o ponto de vista convencional, eu realmente queria ir pesado na pesquisa."

Seu objetivo é apresentar a melhor compreensão a partir de evidências de qualidade: estudos que envolvem humanos, principalmente pacientes COVID-19 e grupos de controle, e raramente animais.

A distinção é importante porque, no domínio da ciência, algumas pesquisas são consideradas mais fortes que outras. Por exemplo, o apoio a regras como o distanciamento social veio principalmente de estudos observacionais e modelos matemáticos que sugeriam que a medida poderia retardar a propagação da doença. No entanto, Huber diz que nenhuma evidência jamais apoiou o valor do distanciamento social de forma preventiva.

Evidências anteriores também mostraram que não funcionou bem o suficiente para passar pelo incômodo. A Organização Mundial da Saúde descartou a ideia de distanciamento social como medida de saúde pública em 2006 como "ineficaz e impraticável". No entanto, especialistas em saúde decidiram revisitar a ideia para o COVID. As pessoas foram instruídas a ficar a seis metros de distância uma da outra em 2020. Então, em 2021, a nova distância prescrita foi de três metros de distância.

Alguns espaços públicos internos ainda incentivam a prática com marcadores de piso como um lembrete da distância prescrita entre as pessoas. Mas pode ser mais teatro do que ciência. Em um artigo do Wall Street Journal, o ex-comissário da Food and Drug Administration (FDA) dos EUA, Dr. Scott Gottlieb, disse que não havia "base científica" para a diretriz de 1,80 m e nenhum "ensaio controlado randomizado que mostrasse valor dessa prática".

O raciocínio por trás da demanda oficial para espaço a todos a seis metros de distância sob COVID dependia do conceito de que as pessoas estavam espalhando o vírus sem saber. No entanto, ainda não está claro quanto dano esses espalhadores assintomáticos realmente causaram. Em uma reportagem da OMS de junho de 2020, a epidemiologista de doenças infecciosas Maria Van Kerkhove afirmou que a disseminação do vírus por portadores assintomáticos "parece ser rara".

Alguns dias depois, em um vídeo no Facebook Live, Van Kerkhove esclareceu que houve "mal-entendidos" anexados à sua declaração anterior. Ela explicou que pessoas assintomáticas podem de fato espalhar o vírus, embora o grau em que podem ser desconhecidos.

Huber não encontrou nenhuma evidência que demonstrasse qualquer transmissão de uma pessoa assintomática. A revista Nature publicou um estudo sobre a população de Wuhan, envolvendo quase 10 milhões de pessoas. Não encontraram testes positivos entre 1.174 contatos próximos de casos assintomáticos.

Máscaras salvam vidas?

Talvez nenhum aspecto do COVID seja mais controverso do que máscaras, e muito dessa confusão decorre de mensagens muito misturadas das pessoas que promovem a prática. Primeiro, as máscaras foram ditas para não proteger as pessoas da transmissão viral, então, um mês depois, elas eram consideradas roupas diárias essenciais para todos. No início deste ano, duas e três máscaras foram recomendadas para ainda mais proteção.

A mensagem sobre máscaras ainda está por todo o lado. Há alguns meses, as autoridades afirmaram que, mesmo depois de receber uma vacina COVID, as máscaras ainda precisariam ser usadas até pelo menos 2022 e possivelmente além. Mas recentemente, indivíduos totalmente vacinados foram autorizados a ficar sem máscaras dentro de casa. No entanto, muitos que já receberam seus jabs ainda optam por manter seu rosto coberto em público.

Mas as características de segurança percebidas do uso de máscaras não resistiram à experiência do mundo real. Em março, Texas e Mississippi levantaram suas exigências estaduais sobre ordens de máscara, apesar dos avisos de que a mudança levaria a uma onda de novos casos de coronavírus e certo desgraça. Em vez disso, a contagem de mortes despencou.

Huber pesquisou extensivamente a questão da máscara. A conclusão de sua equipe de pesquisa após a publicação de quatro artigos revisados por pares descobriu que as máscaras "pioraram o COVID-19 em todos os sentidos", devido à privação de oxigênio, pneumonia bacteriana e muito mais. Huber aponta para dados demográficos mostrando que o uso de máscaras também se correlaciona com taxas mais altas de COVID-19, bem como a física e química do porquê.

"Máscaras têm um perfil bastante perigoso", disse ela.

O que funciona?

Então, para que a ciência mostrou apoio? Há evidências de que casos graves e fatais de COVID-19 demonstram uma relação próxima com deficiências em nutrientes conhecidos por apoiar a função imunológica: especificamente vitaminas C e D, e o zinco mineral. Baixos níveis desses nutrientes foram consistentemente encontrados com as pessoas mais doentes. É também por isso que muitos médicos prescrevem esses nutrientes em seu protocolo de tratamento COVID.

Algumas das melhores evidências a esse respeito são para a vitamina D. Uma metanálise de vários estudos publicados em uma edição de outubro de 2020 da revista Nutrients correlaciona os níveis de vitamina D e casos DE COVID-19, bem como os mecanismos que podem impulsionar o processo de proteção.

Um estudo da Clínica Mayo constatou que entre os pacientes internados com "mortalidade hospitalar e a necessidade de ventilação mecânica invasiva" foi mais comum entre aqueles com níveis de vitamina D abaixo da faixa de referência recomendada.

Para pessoas já familiarizadas com esse nutriente, espera-se a proteção da vitamina D contra o COVID. Pesquisas anteriores mostraram resultados significativamente melhores de infecções respiratórias, internações hospitalares mais curtas, menor custo de cuidados e menor mortalidade com maiores níveis de soro de vitamina D. Os baixos níveis de D já foram associados a aumentos de citocinas inflamatórias, infecções do trato respiratório superior viral e coágulos sanguíneos — algumas das principais características do COVID-19.

Huber ressalta que a grande maioria das pessoas que morreram de COVID-19 eram idosos ou obesos, o que por acaso são apenas duas populações para as quais a baixa vitamina D é particularmente um problema. Idosos tendem a não ter a vitamina porque muitas vezes se mantêm dentro de casa, e seus corpos não fabricam a vitamina, assim como os mais jovens. A obesidade adiciona outro obstáculo.

"Vitamina D é uma vitamina solúvel em gordura. É armazenado na gordura do corpo", disse Huber. "Todos nós temos gordura. No entanto, quanto mais nos aproximamos da obesidade, mais a mesma quantidade de vitamina D no corpo é diluída em gordura periférica, por isso não está sendo usada tanto pelo sistema imunológico. A razão pela qual eu mencionei isso é porque, de acordo com o CDC, 78% [das mortes do COVID-19] eram obesas."


Medicamentos para tratamento

Outra grande controvérsia com o COVID-19 é se existem drogas seguras e eficazes para tratá-lo. Especialistas em saúde e reguladores só endossaram as três ou quatro vacinas experimentais autorizadas para uso emergencial, e qualquer outra coisa é fortemente desencorajada. Mas muitos médicos dizem ter tratado com sucesso o COVID com remédios que não foram aprovados pelos reguladores. A mais controversa delas é cloroquina ou hidroxicloroquina (HCQ).

Mas essa controvérsia é um desenvolvimento bastante recente. Em um artigo publicado em 2005no Virology Journal dos Institutos Nacionais de Saúde, pesquisadores concluíram que a cloroquina era um "potente inibidor da infecção e disseminação do SARS coronavírus".

"A cloroquina tem fortes efeitos antivirais na infecção pelo SARS-CoV de células primatas. Esses efeitos inibitórios são observados quando as células são tratadas com a droga antes ou depois da exposição ao vírus, sugerindo vantagem profilática e terapêutica", afirmaram os pesquisadores.

Para o COVID-19, no entanto, o HCQ foi marcado como perigoso. A revista Lancetinformou que o HCQ não ajudou no tratamento do COVID, mas piorou os resultados. Os reguladores rapidamente condenaram a droga, estudos de tratamento que examinavam o HCQ foram interrompidos, e os hospitais demitiram médicos para prescrever. No entanto, o relatório Lancet falhou na revisão por pares e o artigo foi silenciosamente retraído. Ainda assim, as autoridades de saúde ainda consideram o HCQ um tratamento COVID perigoso e mal aconselhado.

Mas a resposta oficial ao HCQ não corresponde à ciência. Além de muitos médicos ao redor do mundo relatarem sucesso na clínica, a pesquisa tem se mostrado mais promissora do que perigo. Até a redação do livro de Huber, 53 estudos mostraram resultados positivos com o HCQ para COVID. Além do artigo da Lancet, Huber encontrou apenas 13 estudos globais mostrando resultados neutros ou negativos no HCQ e 10 deles eram de patentes em estágios muito tardios da doença, onde nenhum medicamento antiviral deve ter muito efeito. O autor de dois dos artigos negativos atraiu seus dados de um obscuro estudo brasileiro que deu enormes doses de HCQ a pacientes extremamente doentes.

Outra droga menos conhecida que os médicos estão usando para tratar com sucesso o COVID é a ivermectina, que além do HCQ, está na Lista de Medicamentos Essenciais da Organização Mundial da Saúde.

Huber aponta para uma meta-análise de 49 ensaios de ivermectina tratando COVID em humanos, todos mostraram resultados positivos.

Apesar das evidências de segurança que remontam a três décadas, a FDA desencoraja o uso da ivermectina para o COVID. No entanto, a única preocupação que a agência menciona é o risco de overdose. A ivermectina só está disponível para humanos por prescrição médica, mas é vendida sobre o balcão para uso veterinário. O medo é que um indivíduo doente e desesperado possa morder muito de uma grande pílula destinada a um cavalo.

"A FDA recebeu vários relatos de pacientes que precisaram de apoio médico e foram hospitalizados após se automedicarem com ivermectina destinada a cavalos", disse a agência em um comunicado. "A FDA não revisou os dados para apoiar o uso de ivermectina em pacientes COVID-19 para tratar ou prevenir o COVID-19; no entanto, algumas pesquisas iniciais estão em andamento. Tomar uma droga para um uso não aprovado pode ser muito perigoso. Isso é verdade de ivermectina, também.

Médicos prescrevem ivermectina para COVID em todo o mundo, e um grande atrativo é o preço. Huber diz que, na África, um curso completo de tratamento de ivermectina para COVID custa menos que um dólar americano. Tanto para a segurança quanto para a eficácia, ela classifica-o como o melhor tratamento COVID.

"Acho que a ivermectina mostra a maior promessa de todas as terapêuticas que mencionei. Para fins preventivos, as pessoas devem ter certeza de que têm vitamina D suficiente a bordo. Mas de uma forma curativa, nada supera a ivermectina. A proteína de pico que é a chave de entrada SARS-CoV2 na célula humana tem três partes para ela. É uma proteína aparadrica. Acho que teríamos sorte se a ivermectina bloqueasse apenas uma dessas três partes, mas foi encontrado para bloquear as três", disse ela.

"A ivermectina quase foi feita para o COVID porque bloqueia as três partes da proteína do pico, e bloqueia a replicação viral e não a deixa entrar na célula humana. Além disso, tem um perfil de segurança maravilhoso. 3,7 bilhões de doses foram dadas desde 1975, e todas as crianças de idade estavam bem. Nenhuma gravidez foi perdida."


541 visualizações1 comentário