top of page

Chá verde e resveratrol reduzem as placas de Alzheimer





Dois compostos comuns, catequinas de chá verde e resveratrol, um composto encontrado no vinho tinto, reduzem a formação de placas amiloides associadas à doença de Alzheimer no tecido cerebral.

Fonte: Universidade Tufts

A doença de Alzheimer é a sexta principal causa de morte nos Estados Unidos, afetando mais de 6 milhões de americanos, e sua incidência deve aumentar nas próximas décadas.

A causa da doença em sua forma mais comum, que não é de base genética, não é bem compreendida. Isso dificulta o tratamento, mas o progresso está sendo feito. Usando um modelo 3D de células cerebrais humanas vivas, os pesquisadores da Tufts no início deste ano mostraram que o vírus do herpes comum poderia induzir placas no cérebro associadas à doença de Alzheimer.

Agora, os pesquisadores da Tufts estão trabalhando para entender o que pode retardar a progressão da doença. Eles testaram 21 compostos diferentes em células neurais afetadas pela doença de Alzheimer em laboratório, medindo o efeito dos compostos no crescimento de placas beta-amilóides pegajosas. Essas placas se desenvolvem no cérebro de pessoas com Alzheimer.

Os pesquisadores descobriram que dois compostos comuns – catequinas de chá verde e resveratrol, encontrados no vinho tinto e outros alimentos – reduziram a formação de placas nessas células neurais. E eles fizeram isso com poucos ou nenhum efeito colateral.

Os pesquisadores relataram suas descobertas na revista Free Radical Biology and Medicine.

Alguns dos 21 compostos testados reduziram a progressão da doença, agindo como agentes antivirais – retardando a doença de Alzheimer induzida pelo vírus do herpes.

Mas encontrar um composto "que pudesse diminuir as placas, independentemente do componente do vírus, seria ideal, porque isso mostraria que, independentemente da causa da doença de Alzheimer, você ainda pode ver algum tipo de melhora", diz Dana Cairns, GBS12. Cairns é pesquisador associado no Kaplan Lab na Escola de Engenharia e liderou a pesquisa.

A triagem inicial foi feita em modelos mais simples, e os compostos que tiveram um efeito positivo foram então testados no modelo de tecido neural 3D. Esse modelo é criado usando uma esponja de seda não reativa semeada com células da pele humana que, através de reprogramação genética, são convertidas em progenitores de células-tronco neurais.

Essas células crescem e povoam a esponja, "o que permite a formação de neurônios em rede 3D semelhantes ao que você veria no cérebro humano", diz Cairns.

A tela inicial descobriu que cinco compostos tinham "uma prevenção realmente robusta dessas placas", diz ela. Além dos compostos de chá verde e resveratrol, eles encontraram curcumina de açafrão, o medicamento diabético metformina, e um composto chamado citicolina impediu a formação de placas e não teve efeitos antivirais.

"Esperávamos encontrar compostos que fossem inofensivos e mostrassem algum nível de eficácia", disse ela. Compostos de chá verde e resveratrol atendiam a esse padrão.

"Tivemos sorte que alguns deles mostraram uma eficácia muito forte", disse Cairns.

"No caso desses compostos que passaram na triagem, eles praticamente não tinham placas visíveis depois de cerca de uma semana."

As catequinas do chá verde – moléculas nas folhas de chá que têm um efeito antioxidante – foram exploradas como um tratamento potencial para cânceres, e o resveratrol foi testado para propriedades antienvelhecimento.

Cairns alertou que ver efeitos no laboratório "nem sempre se traduz necessariamente no que você pode ver em um paciente". Alguns compostos não atravessam a barreira hematoencefálica, o que seria essencial no caso da doença de Alzheimer, e alguns têm baixa biodisponibilidade, o que significa que não são prontamente absorvidos pelo corpo ou pela corrente sanguínea.

Ainda assim, a descoberta é significativa porque não há cura para a doença de Alzheimer ou uma maneira de prevenir sua progressão, além de vários medicamentos potenciais desenvolvidos por empresas farmacêuticas que ainda estão em testes, diz Cairns. Compostos como esses dois, que mostram alguma eficácia e são conhecidos por serem seguros e facilmente acessíveis, podem ser tomados como suplemento ou consumidos como parte da dieta, acrescenta ela.

"Por exemplo, fontes naturais de resveratrol incluem vinho tinto, certas frutas, como uvas, mirtilos e cranberries, amendoim, pistache e cacau", diz Cairns.

"Embora seja empoderador poder tomar medidas como essas para potencialmente prevenir a neurodegeneração no futuro, também é importante consultar seu médico antes de fazer grandes mudanças em sua dieta".

Olhando para o futuro, uma área potencial de pesquisa para pesquisadores e empresas farmacêuticas seria tomar as propriedades benéficas desses compostos e "tentar aprimorá-los para torná-los mais biodisponíveis ou fazê-los penetrar na barreira hematoencefálica um pouco melhor", diz Cairns.

Além de Cairns, outros coautores do artigo da revista incluem Isabella A. Silveira, E21, e Adam Mullis, um estudioso de pós-doutorado na Tufts, juntamente com David Kaplan, Professor de Engenharia da Família Stern e presidente do Departamento de Engenharia Biomédica.


Author: Mike Silver

Source: Tufts University

Contact: Mike Silver – Tufts University


Original Research: Closed access.

“Screening neuroprotective compounds in herpes-induced Alzheimer’s disease cell and 3D tissue models” by Dana Cairns et al. Free Radical Biology and Medicine

189 visualizações0 comentário
bottom of page