Comer mais frutas e legumes ligados a menos estresse.



As pessoas que consumiam 470 gramas de frutas e vegetais por dia tinham níveis 10% menores de estresse do que aqueles que comem 230 gramas de produtos frescos por dia.

Comer uma dieta rica em frutas e vegetais está associado a menos estresse, de acordo com uma nova pesquisa da Edith Cowan University (ECU).

O estudo analisou a ligação entre o consumo de frutas e vegetais e os níveis de estresse de mais de 8.600 australianos entre 25 e 91 anos que participaram do Estudo Australiano de Diabetes, Obesidade e Estilo de Vida (AusDiab) do Baker Heart and Diabetes Institute.

Os achados revelaram que as pessoas que comem pelo menos 470 gramas de frutas e hortaliças diariamente tinham níveis de estresse 10% menores do que aqueles que consumiam menos de 230 gramas. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda comer pelo menos 400 gramas de frutas e hortaliças por dia.

A pesquisadora-chefe, a doutoranda Simone Radavelli-Bagatini, do Instituto de Pesquisa nutricional da ECU, disse que o estudo fortalece a ligação entre dietas ricas em frutas e vegetais e bem-estar mental.

"Descobrimos que as pessoas que têm maior consumo de frutas e vegetais estão menos estressadas do que aquelas com menor consumo, o que sugere que a dieta desempenha um papel fundamental no bem-estar mental", disse Radavelli-Bagatini.

Uma questão crescente

As condições de saúde mental são um problema crescente na Austrália e em todo o mundo. Cerca de um em cada dois australianos experimentará um problema de saúde mental em sua vida. Globalmente, aproximadamente 1 em cada 10 pessoas convivem com um transtorno de saúde mental.

De acordo com a sra. Radavelli-Bagatini, algum estresse é considerado normal, mas a exposição a longo prazo pode impactar significativamente a saúde mental.

"O estresse a longo prazo e não gerenciado pode levar a uma série de problemas de saúde, incluindo doenças cardíacas, diabetes, depressão e ansiedade, por isso precisamos encontrar maneiras de prevenir e possivelmente aliviar os problemas de saúde mental no futuro", disse Radavelli-Bagatini.

Os benefícios de uma dieta saudável são bem conhecidos, mas apenas 1 em cada 2 australianos comem as duas porções recomendadas de frutas por dia e menos de 1 em cada 10 comem as cinco porções recomendadas de legumes por dia.

"Estudos anteriores mostraram a ligação entre o consumo de frutas e vegetais e o estresse em adultos mais jovens, mas esta é a primeira vez que vemos resultados semelhantes em adultos de todas as idades", disse Radavelli-Bagatini.

"Os achados do estudo enfatizam que é importante que as pessoas tenham uma dieta rica em frutas e vegetais para potencialmente minimizar o estresse."

Comida e humor

Embora os mecanismos por trás de como o consumo de frutas e vegetais influencie o estresse ainda não estão claros, a sra. Radavelli-Bagatini disse que os nutrientes-chave podem ser um fator.

"Vegetais e frutas contêm nutrientes importantes, como vitaminas, minerais, flavonoides e carotenoides que podem reduzir a inflamação e o estresse oxidativo e, portanto, melhorar o bem-estar mental", disse ela.

"Inflamação e estresse oxidativo no corpo são fatores reconhecidos que podem levar ao aumento do estresse, ansiedade e menor humor."

"Esses achados incentivam mais pesquisas sobre dieta e, especificamente, quais frutas e vegetais proporcionam mais benefícios para a saúde mental."

A pesquisa faz parte do recém-lançado Instituto de Pesquisa Nutricional da ECU, que tem como objetivo investigar como a nutrição pode ajudar a prevenir e tratar condições crônicas de saúde.

'A ingestão de frutas e hortaliças está inversamente associada ao estresse percebido em toda a vida adulta' foi publicado na Clinical Nutrition.

“Fruit and vegetable intake is inversely associated with perceived stress across the adult lifespan” by Simone Radavelli-Bagatini, Lauren C. Blekkenhorst, Marc Sim, Richard L. Prince, Nicola P. Bondonno, Catherine P. Bondonno, Richard Woodman, Reindolf Anokye, James Dimmock, Ben Jackson, Leesa Costello, Amanda Devine, Mandy J. Stanley, Joanne M. Dickson, Dianna J. Magliano, Jonathan E. Shaw, Robin M. Daly, Jonathan M. Hodgson, Joshua R. Lewis. Clinical Nutrition


61 visualizações0 comentário