top of page

Como a música pode prevenir o declínio cognitivo




Ouvir ou praticar música teve implicações positivas no declínio cognitivo em adultos mais velhos, estimulando a produção de massa cinzenta em áreas-chave do cérebro, revela um novo estudo.

Fonte: Universidade de Genebra

O envelhecimento normal está associado ao declínio cognitivo progressivo. Mas podemos treinar nosso cérebro para atrasar esse processo?

Uma equipe da Universidade de Genebra (Unige), Hes-Soo Genebra e EPFL descobriu que praticar e ouvir música pode alterar o declínio cognitivo em idosos saudáveis, estimulando a produção de massa cinzenta.

Para alcançar esses resultados, os pesquisadores acompanharam mais de 100 aposentados que nunca haviam praticado música antes. Eles foram matriculados em treinamento de piano e conscientização musical por seis meses. Esses resultados abrem novas perspectivas para o apoio ao envelhecimento saudável.

Eles são relatados em NeuroImage: Reports.

Ao longo de nossas vidas, nosso cérebro se remodela. A morfologia e as conexões cerebrais mudam de acordo com o ambiente e as experiências, por exemplo, quando aprendemos novas habilidades ou superamos as consequências de um derrame. No entanto, à medida que envelhecemos, essa "plasticidade cerebral" diminui. O cérebro também perde massa cinzenta, onde nossos preciosos neurônios estão localizados. Isso é conhecido como "atrofia cerebral".

Gradualmente, um declínio cognitivo aparece. A memória de trabalho, no centro de muitos processos cognitivos, é uma das funções cognitivas que mais sofrem. A memória de trabalho é definida como o processo no qual retemos e manipulamos brevemente informações para atingir um objetivo, como lembrar um número de telefone por tempo suficiente para escrevê-lo ou traduzir uma frase de uma língua estrangeira.

Um estudo liderado pela UNIGE, HES-SO Genebra e EPFL revelou que a prática musical e a escuta ativa podem prevenir o declínio da memória de trabalho. Tais atividades promoveram a plasticidade cerebral, elas foram associadas ao aumento do volume de massa cinzenta. Impactos positivos também foram medidos na memória de trabalho.

Este estudo foi realizado com 132 aposentados saudáveis de 62 a 78 anos de idade. Uma das condições para a participação era que eles não tivessem tido nenhuma aula de música por mais de seis meses de vida.

Praticar música vs. ouvir música

"Queríamos pessoas cujos cérebros ainda não mostrassem quaisquer vestígios de plasticidade ligados à aprendizagem musical. De fato, mesmo uma breve experiência de aprendizado no curso da vida pode deixar marcas no cérebro, o que teria enviesado nossos resultados", explica Damien Marie, primeiro autor do estudo, pesquisador associado do CIBM Center for Biomedical Imaging, da Faculdade de Medicina e do Interfaculty Center for Affective Sciences (CISA) da UNIGE, bem como na Escola de Ciências da Saúde de Genebra.

Os participantes foram aleatoriamente designados para dois grupos, independentemente de sua motivação para tocar um instrumento. O segundo grupo teve aulas de escuta ativa, que se concentraram no reconhecimento de instrumentos e análise de propriedades musicais em uma ampla gama de estilos musicais. As aulas duraram uma hora. Os participantes de ambos os grupos foram obrigados a fazer o dever de casa por meia hora por dia.

Efeitos positivos em ambos os grupos

"Após seis meses, encontramos efeitos comuns para ambas as intervenções. A neuroimagem revelou um aumento na massa cinzenta em quatro regiões do cérebro envolvidas no funcionamento cognitivo de alto nível em todos os participantes, incluindo áreas do cerebelo envolvidas na memória de trabalho. Seu desempenho aumentou 6% e esse resultado foi diretamente correlacionado com a plasticidade do cerebelo", diz Clara James, última autora do estudo, professora particular da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da UNIGE e professora titular da Escola de Ciências da Saúde de Genebra.


Os cientistas também descobriram que a qualidade do sono, o número de lições seguidas ao longo da intervenção e a quantidade diária de treinamento tiveram um impacto positivo no grau de melhoria no desempenho.

No entanto, os pesquisadores também encontraram uma diferença entre os dois grupos. Nos pianistas, o volume de massa cinzenta permaneceu estável no córtex auditivo primário direito – uma região chave para o processamento do som, enquanto diminuiu no grupo de escuta ativa.

"Além disso, um padrão cerebral global de atrofia estava presente em todos os participantes. Portanto, não podemos concluir que as intervenções musicais rejuvenescem o cérebro. Eles só previnem o envelhecimento em regiões específicas", diz Damien Marie.

Esses resultados mostram que praticar e ouvir música promove a plasticidade cerebral e a reserva cognitiva. Os autores do estudo acreditam que essas intervenções lúdicas e acessíveis devem se tornar uma grande prioridade política para o envelhecimento saudável.

O próximo passo para a equipe é avaliar o potencial dessas intervenções em pessoas com comprometimento cognitivo leve, um estágio intermediário entre o envelhecimento normal e a demência.


Author: Antoine Guenot

Source: University of Geneva

Contact: Antoine Guenot – University of Geneva

Image: The image is credited to UNIGE – Damien Marie


Original Research: Open access.

“Music interventions in 132 healthy older adults enhance cerebellar grey matter and auditory working memory, despite general brain atrophy” by Damien Marie et al. Neuroimage: Reports


Saiba tudo sobre Bioressonância e Terapia Biofotônica acessando : www.aquera.org

349 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page