Executando o exercício 'Ponto chave' para reverter o declínio cognitivo





Pesquisadores identificaram um "ponto chave" durante o exercício que parece reverter o declínio cognitivo relacionado à idade e melhora o aprendizado.

Fonte: Universidade de Queensland

Pesquisadores da Universidade de Queensland descobriram um "ponto chave" de exercício que reverte o declínio cognitivo em camundongos envelhecidos, abrindo caminho para estudos humanos.

Após mais de uma década de pesquisa, liderada pelo professor emérito do Queensland Brain Institute (QBI), Perry Bartlett e pelo Dr. Dan Blackmore, a equipe encontrou 35 dias de exercício físico voluntário melhorando o aprendizado e a memória.

"Testamos a capacidade cognitiva de camundongos idosos após períodos definidos de exercício e encontramos um período ideal ou 'ponto doce' que melhorou muito sua aprendizagem espacial", disse o Dr. Blackmore.

Os pesquisadores também descobriram como o exercício melhorou o aprendizado.

"Descobrimos que os níveis de hormônio do crescimento (GH) atingiram o pico durante este tempo, e conseguimos demonstrar que a criação artificial de GH em camundongos sedentários também foi eficaz na melhoria de suas habilidades cognitivas", disse o Dr. Blackmore.

"Descobrimos que o GH estimula a produção de novos neurônios no hipocampo — a região do cérebro criticamente importante para o aprendizado e a memória.

"Esta é uma descoberta importante para os milhares de australianos diagnosticados com demência todos os anos."

A demência é a segunda principal causa de morte de todos os australianos, e sem avanço médico, espera-se que o número de pessoas com demência aumente para cerca de 1,1 milhão até 2058.

O professor Bartlett disse que os achados fornecem mais uma prova de que a perda da função cognitiva na velhice está diretamente relacionada à diminuição da produção de novos neurônios.

"Ele ressalta a importância de ser capaz de ativar as células-tronco neurogênicas no cérebro que identificamos pela primeira vez há 20 anos", disse o professor Bartlett.

A equipe foi capaz de explorar como a produção de novos neurônios mudou o circuito no cérebro usando ressonância magnética (RM).

"Usando a ressonância magnética, pudemos estudar o cérebro após o exercício e, pela primeira vez, identificar as mudanças críticas na estrutura e nos circuitos funcionais do hipocampo necessários para uma melhor aprendizagem espacial", disse o Dr. Blackmore.


“An exercise “sweet spot” reverses cognitive deficits of aging by growth-hormone-induced neurogenesis” by Daniel G. Blackmore et al. iScience

“Neurogenic-dependent changes in hippocampal circuitry underlie the procognitive effect of exercise in aging mice” by Xiaoqing Alice Zhou et al. iScience

534 visualizações4 comentários