Falsas memórias podem ser revertidas




Estudar como as memórias são criadas, identificadas e invertidas pode ser um divisor de águas nos ambientes policiais e legais, onde falsas memórias dadas como evidência em um tribunal podem levar a condenações injustas.


Pesquisadores desenvolveram novas técnicas que podem corrigir falsas lembranças de memória sem danificar verdadeiras memórias autobiográficas.

Ricas memórias falsas de eventos autobiográficos podem ser plantadas – e, em seguida, revertidas, um novo artigo encontrou.

O estudo destaca – pela primeira vez – técnicas que podem corrigir falsas lembranças sem danificar memórias verdadeiras. É publicado por pesquisadores da Universidade de Portsmouth, no Reino Unido, e das Universidades de Hagen e Mainz, alemanha.

Há muitas pesquisas psicológicas que mostram que as memórias são muitas vezes reconstruídas e, portanto, falíveis e maleáveis. No entanto, esta é a primeira vez que pesquisas mostram que falsas memórias de eventos autobiográficos podem ser desfeitas.

Estudar como as memórias são criadas, identificadas e invertidas pode ser um divisor de águas nos ambientes policiais e legais, onde falsas memórias dadas como evidência em um tribunal podem levar a condenações injustas.

De acordo com o Dr. Hartmut Blank, coautor da pesquisa do Departamento de Psicologia da Universidade de Portsmouth, "acreditar, ou mesmo lembrar de algo que nunca aconteceu pode ter consequências graves. Em interrogatórios policiais ou processos legais, por exemplo, pode levar a confissões falsas ou falsas alegações, e seria altamente desejável, portanto, reduzir o risco de falsas memórias em tais ambientes.


"Neste estudo, demos um passo importante nessa direção, identificando técnicas de entrevista que possam capacitar as pessoas a retratar suas falsas memórias."

Os pesquisadores recrutaram 52 participantes para um estudo sobre "memórias de infância" e, com a ajuda dos pais, implantaram duas falsas memórias negativas que definitivamente não aconteceram, mas eram plausíveis. Por exemplo, se perder, fugir ou se envolver em um acidente de carro.

Junto com dois eventos reais, que realmente aconteceram, os participantes foram convencidos por seus pais de que todos os quatro eventos faziam parte de sua memória autobiográfica.

Os participantes foram então convidados a recordar cada evento em várias sessões de entrevista. Na terceira sessão, a maioria acreditava que os falsos eventos tinham acontecido e – semelhantes à pesquisa anterior – cerca de 40% haviam desenvolvido falsas memórias reais deles.

Os pesquisadores então tentaram desfazer as falsas memórias usando duas estratégias.

O primeiro envolveu lembrar aos participantes que as memórias podem nem sempre ser baseadas na própria experiência das pessoas, mas também em outras fontes, como uma fotografia ou uma narrativa de um membro da família. Eles foram então questionados sobre a origem de cada um dos quatro eventos.

A segunda estratégia envolvia explicar a eles que ser solicitado a recordar repetidamente algo pode provocar falsas memórias. Eles foram convidados a revisitar suas memórias de eventos com isso em mente.

O resultado, segundo o Dr. Blank, foi que "ao conscientizar os participantes sobre a possibilidade de falsas memórias, instando-os a refletir criticamente sobre suas lembranças e fortalecendo sua confiança em sua própria perspectiva, conseguimos reduzir significativamente suas falsas memórias. Além disso, e importante, isso não afetou sua capacidade de lembrar acontecimentos reais.

"Projetamos nossas técnicas para que elas possam ser aplicadas principalmente em situações do mundo real. Ao capacitar as pessoas a ficarem mais próximas de sua própria verdade, em vez de confiar em outras fontes, mostramos que poderíamos ajudá-las a perceber o que pode ser falso ou mal lembrado – algo que poderia ser muito benéfico em ambientes forenses."

“Rich false memories of autobiographical events can be reversed” by Aileen Oeberst, Merle Madita Wachendörfer, Roland Imhoff, and Hartmut Blank. PNAS


119 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo