Grande número de sobreviventes da COVID-19 sofrerá complicações cognitivas



Os principais problemas cognitivos de curto prazo foram considerados a atenção prejudicada (relatada por 45% dos pacientes) e a memória prejudicada (entre 13-28% dos pacientes).


Estudo revela que um número significativo de sobreviventes da COVID-19 sofre de uma série de problemas neuropsicológicos e cognitivos após a recuperação. Sobreviventes do Coronavirus relatam ter experimentado TEPT, depressão, prejuízos de memória e prejuízos à atenção após a recuperação do vírus.

Uma pesquisa liderada pela Universidade de Oxford Brookes descobriu que uma grande proporção de sobreviventes do COVID-19 será afetada por complicações neuropsiquiátricas e cognitivas.

Psicólogos da Universidade de Oxford Brookes e um psiquiatra da Oxford Health NHS Foundation Trust, avaliaram artigos de pesquisa publicados para entender mais sobre os possíveis efeitos da infecção pelo SARS-COV-2 no cérebro, e a extensão que as pessoas podem esperar para experimentar problemas de saúde mental a curto e longo prazo.

Os pacientes tiveram uma série de problemas psiquiátricos

O estudo constatou que, a curto prazo, uma ampla gama de problemas neuropsiquiátricos foram relatados. Em um estudo examinado, 95% dos pacientes clinicamente estáveis do COVID-19 apresentavam transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) e outros estudos encontrados entre 17-42%* de pacientes com transtornos afetivos, como a depressão.

Os principais problemas cognitivos de curto prazo foram considerados a atenção prejudicada (relatada por 45% dos pacientes) e a memória prejudicada (entre 13-28% dos pacientes).

A longo prazo, os problemas neuropsiquiátricos foram, em sua maioria, transtornos afetivos e fadiga, bem como a atenção prejudicada (relatada por 44% dos pacientes) e a memória (relatada entre 28-50% dos pacientes).


Transtornos de saúde mental podem ter impacto significativo no NHS

O Dr. Sanjay Kumar, Professor Sênior de Psicologia da Universidade de Oxford Brookes, disse: "Entender as consequências neuropsiquiátricas e cognitivas do COVID-19 é importante, pois milhões de pessoas foram afetadas pelo vírus, e muitos casos passam despercebidos. Essas condições afetam a capacidade das pessoas de trabalhar de forma eficaz, conduzir, gerenciar finanças, tomar decisões informadas e participar de atividades familiares diárias.

"Se mesmo uma fração de pacientes sofrer complicações neuropsiquiátricas, o impacto nos serviços públicos de saúde pode ser significativo."

Os acadêmicos dizem que é provável que haja um aumento de pacientes com problemas psiquiátricos e cognitivos que eram saudáveis antes da infecção pelo COVID-19.

"A avaliação cognitiva detalhada e o monitoramento robusto dos pacientes devem ser considerados para detectar novos casos neurológicos", continua o Dr. Kumar.

"Isso também permitirá que os prestadores de cuidados de saúde planejem cuidados e recursos adequados para a saúde e melhorem a qualidade de vida de muitos sobreviventes do COVID-19.

"Estes são resultados emergentes, porém, e aprenderemos muito mais à medida que a pesquisa no campo progride."

A coautora Dra Tina Malhotra, psiquiatra consultora que trabalha na Oxford Health NHS Foundation Trust, disse: "Já estamos vendo um impacto do COVID -19 na saúde mental. Os pacientes estão apresentando síndrome de COVID longo que inclui fadiga, problemas cognitivos e uma série de problemas psiquiátricos.

"Estima-se que esses problemas sejam vivenciados por 1 em cada 5 pessoas que tiveram COVID. A gestão desses pacientes em clínicas de longa duração deve envolver uma equipe multidisciplinar, incluindo psiquiatras.

"A NHS England estabeleceu um plano de recuperação que inclui a criação de clínicas de covid ."

Neuropsychiatric and Cognitive Sequelae of COVID-19” by Sanjay Kumar et al. Frontiers in Psychology


29 visualizações0 comentário