Hepatite Viral




Dr José Augusto Nasser MD e PHD

CRM: 42-49913-0

Rio de Janeiro 25 de agosto de 2022


A hepatite é uma inflamação do fígado causada por uma variedade de vírus infecciosos e agentes não infecciosos que levam a uma série de problemas de saúde, alguns dos quais podem ser fatais. Existem cinco cepas principais do vírus da hepatite, conhecidas como tipos A, B, C, D e E. Embora todos causem doença hepática, eles diferem de maneiras importantes, incluindo modos de transmissão, gravidade da doença, distribuição geográfica e métodos de prevenção. Em particular, os tipos B e C levam a doenças crônicas em centenas de milhões de pessoas e juntos são a causa mais comum de cirrose hepática, câncer de fígado e mortes relacionadas à hepatite viral. Estima-se que 354 milhões de pessoas em todo o mundo vivem com hepatite B ou C, e para a maioria, os testes e o tratamento permanecem fora do alcance.

Alguns tipos de hepatite são evitáveis através da vacinação. Um estudo da OMS constatou que estima-se que 4,5 milhões de mortes prematuras poderiam ser evitadas em países de baixa e média renda até 2030 por meio de campanhas de vacinação, diagnóstico, medicamentos e educação. A estratégia global de hepatite da OMS, endossada por todos os Estados-Membros da OMS, visa reduzir as novas infecções por hepatite em 90% e as mortes em 65% entre 2016 e 2030.


Tipos de Hepatite

Existem cinco vírus que causam as diferentes formas de hepatite viral: hepatite A, B, C, D e E. A hepatite A é principalmente uma doença transmitida por alimentos e pode ser transmitida através de água contaminada e alimentos não lavados. É o mais fácil de transmitir, especialmente em crianças, mas também é o menos provável de danificar o fígado e geralmente é leve e é completamente resolvido dentro de seis meses. A hepatite B pode ser transmitida através da exposição a sangue contaminado, agulhas, seringas ou fluidos corporais e de mãe para bebê. É uma doença crônica e, em alguns casos, pode levar a danos hepáticos a longo prazo, câncer de fígado e cirrose hepática após muitos anos carregando o vírus. A hepatite C só é transmitida através do sangue infectado ou da mãe para o recém-nascido durante o parto. Também pode levar a câncer de fígado e cirrose a longo prazo. A hepatite D só é encontrada em pessoas que também estão infectadas com hepatite B. A hepatite E é predominantemente encontrada na África, Ásia e América do Sul. Certos medicamentos geralmente seguros podem ser tóxicos para o fígado e causar hepatite (hepatite induzida por drogas) quando tomados em excesso ou em doses muito altas. Estes incluem acetaminofeno (Tylenol) e até vitamina A

CASOS DE HEPATITE EM CRIANÇAS

O número de casos de hepatite em crianças aumentou recentemente. Médicos e

cientistas de saúde pública estão investigando o que pode estar causando isso.

Veja um GP se seu filho tem sintomas de hepatite, incluindo o amarelamento dos olhos e da pele (icterícia).

Uma boa higiene, incluindo supervisionar a lavagem das mãos em crianças pequenas, pode ajudar a prevenir infecções que podem causar hepatite.

Sintomas de hepatite

A hepatite de curto prazo (aguda) muitas vezes não tem sintomas perceptíveis, então você pode não perceber que tem.

Se os sintomas se desenvolverem, eles podem incluir:

· dor muscular e articular

· uma alta temperatura

· sentimento e estar doente

· sentindo-se extraordinariamente cansado o tempo todo

· uma sensação geral de se sentir mal

· perda de apetite

· dor de barriga

· urina escura

· fezes pálidas, cor cinza

· coceira pele

· amarelamento dos olhos e pele (icterícia)

A hepatite a longo prazo (crônica) também pode não ter sintomas óbvios até que o fígado pare de funcionar corretamente (insuficiência hepática) e só possa ser captada durante exames de sangue.

Nos estágios posteriores pode causar icterícia, inchaço nas pernas, tornozelos e pés, confusão e sangue em suas fezes ou vômito.

Hepatite A


Hepatite A é causada por um vírus de RNA transmitido entericamente que, em crianças mais velhas e adultos, provoca sintomas típicos da hepatite viral, incluindo anorexia, mal-estar e icterícia. Crianças pequenas podem ser assintomáticas. Hepatite fulminante e morte são raras nos países desenvolvidos. Hepatite crônica não ocorre. O diagnóstico é por teste para anticorpos. O tratamento é de suporte. Vacinação e infecção prévia são protetores. O vírus da hepatite A é um picornavírus de cadeia única de ácido ribonucleico (RNA). É a causa mais comum de hepatite viral aguda, particularmente comum em crianças e adultos jovens.

Em alguns países, > 75% da população adulta já foi exposta ao vírus da hepatite A. Nos EUA, em 2018, foram notificados 12.474 casos e ocorreram cerca de 24.900 casos [muitos deles não foram reconhecidos ou não foram notificados ( 1)]. Em todo o mundo, estima-se que a cada ano ocorram 1,4 milhão de casos de hepatite A ( 2).

O HAV é transmitido principalmente por via fecal-oral e, portanto, ocorre de forma mais frequente em áreas com pouca higiene. Ocorrem epidemias por contaminação alimentar e por água, principalmente em países subdesenvolvidos. A ingestão de mariscos crus contaminados pode ser uma forma de transmissão. Casos esporádicos também são comuns, geralmente por contato entre pessoas.

A disseminação fecal do vírus ocorre antes do aparecimento dos sintomas e geralmente acaba poucos dias depois do início da sintomatologia; portanto, a infecciosidade comumente já cessou quando a hepatite se torna clinicamente evidente.

O HAV não apresenta estado de portador crônico e não causa hepatite crônica ou cirrose.

· Cuidados de suporte

Tratamento da hepatite A

Nenhum tratamento atenua a hepatite viral aguda, incluindo hepatite A. Deve-se evitar a ingestão de álcool, pois pode haver piora da lesão hepática. Não existem evidências científicas que apoiem o uso de restrições dietéticas ou de atividades, incluindo o repouso no leito habitualmente prescrito.

Para a hepatite colestática, o uso de colestiramina, 8 g por via oral uma ou duas vezes ao dia, pode melhorar o prurido.

Deve-se relatar a ocorrência de hepatite viral às autoridades de saúde locais.

Prevenção da hepatite A

Bons hábitos de higiene pessoal ajudam a prevenir a transmissão fecal-oral da hepatite A. Recomenda-se barreiras de contato, mas o isolamento dos pacientes tem pouca efetividade para prevenir a propagação do HAV.

Quedas de líquidos e superfícies contaminadas na casa dos pacientes podem ser limpas com água sanitária diluída.

Vacinação


Recomenda-se a vacina contra hepatite A para todas as crianças a partir de 1 ano de idade, com uma 2ª dose aos 6 a 18 meses após a primeira (ver tabela Cronograma de imunização recomendado para idades de 0–6 anos).

Pré-exposição à vacina contra HAV (ver Cronograma de imunização de adultos) deve ser fornecida para adultos com maior risco, incluindo

· Viajantes para os países com incidência alta ou intermediária de HAV

· Funcionários de laboratórios de diagnóstico

· Homens que fazem sexo com homens

· Pessoas que usam drogas ilícitas injetáveis ou não injetáveis

· Pessoas com doenças hepáticas crônicas (incluindo hepatite C crónica) porque têm maior risco de desenvolver hepatite fulminante por HAV

· Pessoas que antecipam contato próximo com um adotado internacional durante os primeiros 60 dias após a chegada de um país com endemicidade alta ou intermediária de HAV

· Pessoas que não têm moradia estável ou que são sem-teto

Profilaxia pré-exposição para o vírus da hepatite A deve ser considerada para funcionários de creches e militares.

Anteriormente, viajantes eram aconselhados a se vacinarem contra hepatite A ≥ 2 semanas antes da viagem; aqueles partindo em < 2 semanas também devem receber imunoglobulina padrão. Evidências atuais sugerem que imunoglobulina é necessária apenas para viajantes mais velhos e aqueles com doença hepática crônica ou outra doença crônica.

Profilaxia pós-exposição

Profilaxia pós-exposição deve ser dada aos familiares e contatos próximos dos pacientes com hepatite A.

Para pacientes não vacinados saudáveis com 1 a 40 anos, uma dose única da vacina contra hepatite A é dada.

Para outros pacientes, particularmente aqueles > 75 anos, aqueles com doença hepática crônica e pacientes imunocomprometidos, imunoglobulina padrão (anteriormente, imunoglobulina sérica) previne ou diminui a gravidade da hepatite A. A dose recomendada é 0,02 mL/kg, IM mas alguns especialistas aconselham 0,06 mL/kg (3 a 5 mL para adultos). Pode ser administrada até 2 semanas depois da exposição, mas, quanto antes, melhor.


• HEPATITE B

A hepatite B é causada por um vírus de DNA muitas vezes transmitido parentericamente. Ela provoca sintomas típicos de hepatite viral, incluindo anorexia, mal-estar e icterícia. Hepatite fulminante e morte podem ocorrer. Infecção crônica pode levar à cirrose e/ou carcinoma hepatocelular. A sorologia faz o diagnóstico. O tratamento é de suporte. Vacinação é protetora e o uso pós-exposição de imunoglobulina contra hepatite B pode prevenir ou atenuar a doença clínica.

O vírus da hepatite B (HBV) é o vírus da hepatite mais complexo e mais estudado. A partícula infectante consiste em um core viral (núcleo viral) com um envelope proteico de superfície. O core contém ácido desoxirribonucleico (DNA, desoxiribonucleic acid) circular de cadeia dupla e DNA polimerase e replica-se no núcleo de hepatócitos infectados. O envelope proteico adere ao citoplasma e, por motivos desconhecidos, é produzido em grande excesso. Às vezes, ocorre coinfecção por hepatite D.

HBV é a 2ª causa mais comum de hepatite viral aguda após hepatite A. Infecção prévia não reconhecida é comum, mas muito menos disseminada do que por HAV. Nos EUA, relataram-se 3.322 casos de infecção aguda por hepatite B em 2018 — uma diminuição em relação aos 25.000 casos anuais notificados antes da utilização da vacina contra a hepatite B se tornar generalizada. Entretanto, como muitos casos não são reconhecidos ou não são notificados, os Centers for Disease Control and Prevention (CDC) estimam que o número real de novas infecções foi cerca de 21.600 em 2018 ( 1).

O HBV, por motivos desconhecidos, algumas vezes é associado a manifestações extra-hepáticas, incluindo a poliarterite nodosa e outras doenças do tecido conjuntivo, glomerulonefrite membranosa e crioglobulinemia mista essencial. O papel na patogenicidade dessas doenças pelo HBV é desconhecido, mas há suspeita de mecanismos autoimunes.

Transmissão da hepatite B

O HBV é mais frequentemente transmitido por via parenteral, tipicamente por sangue contaminado ou hemoderivados contaminados. Exames de rotina de doadores de sangue para o antígeno de superfície da hepatite B (HBsAg, hepatitis B surface antigen) praticamente eliminaram a transmissão pós-transfusional, entretanto, a transmissão por meio de agulhas compartilhadas por usuários de drogas injetáveis mantém-se frequente. O risco contaminação por HBV é maior em pacientes dialíticos e em unidades de oncologia, bem como profissionais da área de saúde em contato com sangue.

Crianças nascidas de mães infectadas têm risco 70 a 90% de contrair hepatite B durante o parto (ver Infecção pelo vírus da hepatite B neonatal), a menos que elas sejam tratadas com imunoglobulina contra hepatite B (IGHB) e sejam vacinadas logo depois do parto. A transmissão transplacentária precoce pode ocorrer, mas é rara. O vírus pode ser transmitido através do contato da mucosa com outros líquidos corporais (p. ex., entre parceiros sexuais, tanto heterossexuais como homossexuais; em instituições fechadas para pacientes mentais e prisões), mas a infecciosidade é muito menor que para o HAV e as formas de transmissão são geralmente desconhecidas.


Picadas de insetos não têm um papel claro na transmissão do HBV. Muitos casos de hepatite B aguda ocorrem esporadicamente sem uma fonte conhecida. Portadores crônicos do HBV são um reservatório mundial da infecção. A prevalência varia amplamente de acordo com diversos fatores, incluindo geográficos (p. ex., < 0,5% na América do Norte e no norte da Europa; > 10% em algumas regiões do Extremo Oriente e da África).

Sinais e sintomas da hepatite B aguda

Infecção por hepatite B causa um amplo espectro de doenças hepáticas, de um estado subclínico portador à hepatite grave ou insuficiência hepática aguda ( hepatite fulminante), particularmente em idosos, nos quais a mortalidade pode alcançar 10 a 15%.A maioria dos pacientes tem manifestações típicas da hepatite viral, incluindo anorexia, mal-estar, febre, náuseas, vômitos e então icterícia. Os sintomas persistem de algumas semanas até 6 meses.De 5 a 10% de todos os pacientes com infecção aguda por HBV desenvolvem hepatite B crônica. Quanto menor a faixa etária em que a hepatite B aguda ocorre, maior o risco de desenvolver hepatite B crônica. Para pessoas imunocompetentes, o risco de desenvolver infecção crônica por hepatite B é: Se a hepatite B cronificar, pode evoluir para cirrose e para carcinoma hepatocelular mesmo sem ser precedido de cirrose.

Sumário:

A hepatite B é muitas vezes transmitida por contato com sangue contaminado parentérico, mas pode resultar de contato da mucosa com outros líquidos corporais. Bebês nascidos de mães com hepatite B têm risco 70 a 90% de contrair a infecção durante o parto, a menos que eles sejam tratados com imunoglobulina contra hepatite B (IGHB) e sejam vacinados após o parto.

A infecção crônica se desenvolve em 5 a 10% dos pacientes com hepatite B aguda e muitas vezes leva à cirrose e/ou carcinoma hepatocelular. Diagnosticar testando para antígeno de superfície da hepatite B.

Tratamento de suporte.

Vacinação de rotina no nascimento é recomendada para todos.

A profilaxia pós-exposição consiste em HBIG e vacina; HBIG provavelmente não previne a infecção, mas previne ou atenua a evolução da hepatite clínica.

Informações adicionais Referências

CDC: hepatite B, perguntas e respostas para profissionais de saúde: esse site web fornece uma visão geral da hepatite B (incluindo estatísticas, transmissão, fatores de risco, rastreamento, sintomas, diagnóstico e tratamento), bem como informações sobre a vacina contra a hepatite B e hepatite B e viagens internacionais

Hepatite C

A hepatite C é causada por um vírus de RNA que é muitas vezes transmitido parentericamente. Ele às vezes causa sintomas típicos de hepatite viral, incluindo anorexia, mal-estar e icterícia, mas pode ser assintomático. Hepatite fulminante e morte raramente ocorrem. Hepatite crônica se desenvolve em cerca de 75% e pode levar a cirrose e raramente a carcinoma hepatocelular. A sorologia faz o diagnóstico. O tratamento é com fármacos antivirais. Não há vacina disponível.

Nos EUA, 3.621 casos de hepatite C aguda foram notificados em 2018. Entretanto, como muitos casos não são reconhecidos ou não são notificados, os Centers for Disease Control and Prevention (CDC) estimam que o número real de novas infecções foi mais de 50.300 em 2018 ( 1).

O vírus da hepatite C (VHC) é um flavivírus de RNA de fita simples que causa hepatite viral aguda e é uma causa comum da hepatite viral crônica. Existem seis subtipos principais de HCV com sequências variáveis de aminoácidos (genótipos); esses subtipos variam em sua distribuição geográfica, virulência e resposta ao tratamento. O HCV também pode variar sua sequência de aminoácidos com o passar do tempo em um indivíduo infectado produzindo quase-espécies.

A infecção por HCV às vezes ocorre simultaneamente com doenças sistêmicas específicas. Até 20% dos pacientes com doença hepática alcoólica são portadores de HCV. As razões para essa alta taxa de associação são incertas, uma vez que o uso concomitante de álcool e drogas injetáveis acontece em apenas uma parte dos casos. Nesses pacientes, há uma ação sinérgica do álcool com o HCV, o que piora a inflamação e fibrose hepáticas.

A hepatite C geralmente é transmitida por contato parenteral com sangue contaminado; a transmissão pelo contato da mucosa com outros líquidos corporais e a transmissão perinatal de mães infectadas são raras.

Cerca de 75% dos pacientes com hepatite C aguda desenvolvem hepatite C crônica, que leva à cirrose em 20 a 30%; alguns pacientes com cirrose desenvolvem carcinoma hepatocelular.

Diagnosticar testando a procura de anticorpos contra o HCV e o RNA do HCV.

Tratar com antivirais após o diagnóstico inicial da hepatite C, sem esperar pela resolução espontânea.

Não há vacina para hepatite C. Terapia antiviral

Há alguns antivirais de ação direta muito eficazes contra a hepatite C crônica que podem diminuir a probabilidade de infecção crônica. As recomendações atuais são iniciar o tratamento após o diagnóstico inicial da VHC aguda, sem esperar a resolução espontânea.

Álcool e fármacos hepatotóxicos (p. ex., paracetamol) devem ser evitados porque podem aumentar a lesão hepática. Não existem evidências científicas que apoiem o uso de restrições dietéticas ou de atividades, incluindo o repouso no leito habitualmente prescrito.

Deve-se relatar a ocorrência de hepatite viral às autoridades de saúde locais.

Referência sobre o tratamento

1. Associação Americana para o Estudo das Doenças Hepáticas (AASLD) e a Sociedade de Doenças Infecciosas da América (IDSA): Orientação do HCV: Recomendações para testar, gerenciar e tratar hepatite C: Manejo da infecção aguda pelo HCV. Acessado em 29/11/20.

Hepatite D

A hepatite D é causada por um vírus de RNA defeituoso (agente delta) que tem a capacidade de se replicar apenas na presença do HBV. Ocorre raramente como uma coinfecção com a hepatite B aguda ou como uma infecção secundária na hepatite B crônica. A hepatite D geralmente é transmitida por contato parenteral ou mucosa com sangue ou líquidos corporais infectados. Os hepatócitos infectados contêm partículas delta revestidas com o antígeno de superfície da hepatite B (HBsAg). A prevalência do vírus da hepatite D (HDV) varia de acordo com a região geográfica, com áreas endêmicas em diversos países. Usuários de drogas injetáveis têm maior risco, mas o HDV, diferentemente do vírus da hepatite B (HBV), não contamina a comunidade homossexual de forma intensa.

A hepatite D só ocorre com a hepatite B.

Suspeitar de hepatite D particularmente quando os casos de hepatite B são graves ou quando os sintomas de hepatite B crônica estão piorando.

Tratar e prevenir a infecção da mesma maneira como para hepatite B.


Hepatite E

A hepatite E é causada por um vírus de RNA transmitido entericamente e provoca os sintomas típicos da hepatite viral, incluindo anorexia, mal-estar e icterícia. Hepatite fulminante e morte são raras, exceto durante a gestação. O diagnóstico é por teste para anticorpos. O tratamento é de suporte, a menos que infecção crônica se desenvolva.

A hepatite E é causada pelo vírus da hepatite E. O número de casos na Europa aumentou nos últimos anos e agora é a causa mais comum de hepatite de curto prazo (aguda) no Reino Unido.

O vírus tem sido associado principalmente com o consumo de carne suína crua ou mal cozida ou assal, mas também com carne de javali, veado e mariscos.

A hepatite E é geralmente uma infecção leve e de curto prazo que não requer nenhum tratamento, mas pode ser grave em algumas pessoas, como aquelas que têm um sistema imunológico enfraquecido.

Não há vacina para hepatite E. Ao viajar para partes do mundo com saneamento precídulo, onde a hepatite E epidêmica pode ser comum, você pode reduzir seu risco praticando boas medidas de alimentação e higiene da água.

Há 4 genótipos do vírus da hepatite E (HEV). Todos causam hepatite viral aguda.


Os genótipos 1 e 2 geralmente causam surtos transmitidos pela água que estão ligados à contaminação fecal do abastecimento de água e de transmissão fecal-oral de uma pessoa para outra. Surtos ocorreram na China, Índia, México, Paquistão, Peru, Rússia e África do Norte e Central. Esses surtos têm características epidemiológicas semelhantes às do vírus da hepatite A. Casos esporádicos também podem ocorrer. Nenhum surto de hepatite E ocorreu nos EUA e na Europa Ocidental. A maioria dos casos no mundo desenvolvido ocorre em viajantes que regressam de um país em desenvolvimento, mas foram relatados casos esporádicos não relacionados a viagens.

Os genótipos 3 e 4 normalmente provocam casos esporádicos em vez de surtos. A transmissão é por alimentos e pode envolver ingestão de carne crua ou mal cozida; casos foram associados ao consumo de carne de porco, veado e mariscos.

Inicialmente não se considerava que o HEV causasse hepatite crônica, cirrose ou estado portador crônico; no entanto, relatórios documentam a crônica hepatite E do genótipo 3 exclusivamente em pacientes imunocomprometidos (incluindo receptores de órgãos transplantados, pacientes que recebem quimioterapia contra câncer e pacientes infectados por HIV).

A transmissão da hepatite E ocorre pela via oral-fecal.

A maioria dos pacientes se recupera espontaneamente, mas gestantes têm maior risco de hepatite fulminante e morte.

O genótipo 3 pode causar hepatite crônica em pacientes imunocomprometidos.

Suspeitar de hepatite E em viajantes para áreas endêmicas; fazer o teste de IgM anti-HEV se disponível.

Tratar pacientes com suporte; considerar o uso de ribavirina para a hepatite E crônica.

Existe uma vacina disponível na China.


Diagnóstico

São necessários para diagnosticar hepatite:

· Exame físico, que pode ou não revelar um fígado inchado e aumentado

· Exames de sangue para verificar enzimas hepáticas que são elevadas quando o fígado está danificado ou infectado, bem como exames de sangue para verificar a presença de qualquer um dos cinco vírus que causam hepatite

· Ultrassom do fígado para detectar quaisquer alterações

· Biópsia hepática para confirmar a suspeita de inflamação quando outros testes são inconclusivos e determinar o grau exato de dano hepático

Tratamento

Para prevenir a infecção, as crianças — ou qualquer pessoa que não tenha sido vacinada anteriormente — devem ser vacinadas contra hepatite B e hepatite A. Não há vacinas contra os tipos de hepatite C, D e E. Não há cura para hepatite uma vez que ocorre. O tratamento se concentra na prevenção de danos adicionais ao fígado, revertendo os danos existentes, se possível, e alívio dos sintomas. A maioria dos casos de hepatite aguda vai resolver com o tempo. Na hepatite autoimune, certos medicamentos podem ser usados para ajudar a manter o sistema imunológico hiperativo sob controle e evitar novos ataques ao fígado.

Hepatite Viral Fulminante causada por um Adenovírus com causa ainda a ser determinada e que evoluíram para Transplante de Fígado.

A possível causa seria o lockdown em crianças levando as mesmas a uma Imunossupressão severa que desencadearia tal patologia

Hepatite aguda de origem desconhecida em crianças

Muge Cevik, clinical lecturer1, Angela L Rasmussen, professor2, Isaac I Bogoch, associate professor diseases3, Jason Kindrachuk, Canada research chair4

Author affiliations

Correspondence to: J Kindrachuk Jason.Kindrachuk@umanitoba.ca

BMJ 2022; 377 doi: https://doi.org/10.1136/bmj.o1197 (Publicado em 17 de Maio de 2022)Cite isso como: BMJ 2022;377:o1197

Hepatite com causa desconhecida em crianças pode ser consequência da vacinação em massa com vacinas vetoriais de adenovírus em combinação com o bloqueio (Lockdown)

Infecções por AAV2 (adeno-associated virus 2) and adenovirus podem causar a hepatite aguda em crianças observadas. Está presente em 70% das crianças afetadas em comparação com o SARS-CoV-2 presente em apenas 15% [1]. Além disso, o SARS-CoV-2 se espalhou pelo mundo por mais de dois anos sem que os casos apareçam anteriormente. As infecções por adenovírus normalmente não causam hepatite em crianças saudáveis, sugerindo que um tipo completamente novo de adenovírus pode ter sido introduzido na população humana. A pergunta que se deve fazer neste caso é quais fatores e eventos ocorreram recentemente que distinguem o Reino Unido de outros países, uma vez que parece ser a origem e onde a maioria das crianças foram afetadas pela hepatite com uma causa desconhecida.

Uma proporção substancial da população no Reino Unido recebeu Vaxzevria, que é uma vacina vetorial de adenovírus da AstraZeneca desenvolvida pelo Instituto Jenner em Oxford [2]. O vetor viral do chimpanzé foi selecionado devido à baixa imunidade de rebanho na população humana e se origina de um adenovírus purificado das fezes dos filhotes de chimpanzé [3]. O vetor é geneticamente modificado para que não possa se multiplicar, e genes de interesse podem ser adicionados. Em Vaxzervria, a sequência de DNA expressando a proteína de pico do vírus original Wuhan SARS-CoV-2 foi inserida [4]. A vacina vetorial do adenovírus poderia ter contribuído para um novo vírus recombinante? Mesmo que o vetor do vírus não se multiplique, há um risco óbvio de expor um número tão grande de indivíduos que a recombinação com um adenovírus poderia ocorrer.

A reativação multiplicidade (MR) é um mecanismo de sobrevivência que foi descoberto para adenovírus em 1971 por Yamamoto e Shimojo [5]. É um processo onde genomas de adenovírus danificados podem interagir com outros adenovírus presentes na célula formando um novo genoma viral viável. O mecanismo é descrito como uma variante precoce de um processo reprodutivo (sexual) que pode ocorrer em microrganismos [6]. Uma proporção da população, especialmente indivíduos com sistema imunológico comprometido, está carregando adenovírus latentes. Na Suécia, aproximadamente 20% dos adultos e 50% das crianças do jardim de infância são portadores. Essa questão de segurança dos sistemas de entrega de vetores virais foi frequentemente discutida no início do desenvolvimento dessas ferramentas médicas. É a primeira vez na história que tantos indivíduos são expostos a vacinas vetoriais de adenovírus. O risco de recombinação com adenovírus é, portanto, aumentado.

O Lockdown, fechando a sociedade com o objetivo de impedir a propagação do coronavírus, recentemente também ocorreu no Reino Unido. A suscetibilidade para todo tipo de infecções, infelizmente, aumentará depois devido à menor imunidade de rebanho, particularmente em crianças pequenas. Eles são relativamente não expostos a diferentes vírus e precisam acumular imunidade contra diferentes patógenos. Um novo adenovírus, portanto, pode se espalhar mais rapidamente após medidas de isolamento porque há uma dívida de imunidade na população. A carga do vírus pode se tornar alta em indivíduos suscetíveis causando infecções mais graves e danos à área gastrointestinal que podem levar à hepatite viral.

Se as infecções por adenovírus estão causando hepatite aguda em crianças, os casos graves podem ser apenas a ponta do iceberg e a maioria infectada pelo adenovírus teria sintomas menos graves. O vírus pode ter se espalhado para outros países do Reino Unido, mas também é possível que recombinações de adenovírus possam ter ocorrido independentemente em outros lugares do mundo, onde também foram usadas vacinas vetoriais de adenovírus. O desenvolvimento de um novo adenovírus mais patogênico pode ser causado pelo uso de vacinas vetoriais de adenovírus em grandes populações, e é consistente com os fatos disponíveis. Para investigar essa importante questão de segurança das vacinas de vetores virais, é necessário verificar ou descartar toda a hipótese o sequenciamento de genomas inteiros de adenovírus de casos e comparações com o vetor viral da vacina para verificar ou descartar essa hipótese.


REFERÊNCIAS

1. https://www.gov.uk/government/news/increase-in-hepatitis-liver-inflammat... 2. Folegatti, Pedro M et al. “Safety and immunogenicity of the ChAdOx1 nCoV-19 vaccine against SARS-CoV-2: a preliminary report of a phase 1/2, single-blind, randomised controlled trial.” Lancet (London, England) vol. 396,10249 (2020): 467-478. doi:10.1016/S0140-6736(20)31604-4. 3. Morris, Susan J et al. “Simian adenoviruses as vaccine vectors.” Future virology vol. 11,9 (2016): 649-659. doi:10.2217/fvl-2016-0070 4. Zhu, Na et al. “A Novel Coronavirus from Patients with Pneumonia in China, 2019.” The New England journal of medicine vol. 382,8 (2020): 727-733. doi:10.1056/NEJMoa2001017 5. Yamamoto H, Shimojo H "Multiplicity reactivation of human adenovirus type 12 and simian virus 40 irradiated by ultraviolet light." Virology. 45,2 (1971): 529–31. doi:10.1016/0042-6822(71): 90355-2. PMID 4328814. 6. Michod, Richard E et al. “Adaptive value of sex in microbial pathogens”, Infection, Genetics and Evolution, vol. 8,3 (2008): 267-285. ISSN 1567-1348, https://doi.org/10.1016/j.meegid.2008.01.002. (https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S156713480800004X)




277 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo