Melhorando o sono profundo




SleepLoop, um sistema móvel recém-projetado, pode ajudar a promover o sono profundo através da estimulação cerebral auditiva. O dispositivo rastreia quando uma pessoa entra em atividade cerebral de ondas lentas, acionando um sinal auditivo que ajuda a sincronizar neurônios e melhorar as ondas lentas.

Fonte: ETH Zurique

Muitas pessoas, especialmente os idosos, sofrem de sono anormal. Em particular, as fases de sono profundo tornam-se mais curtas e mais rasas com a idade. O sono profundo é importante para a regeneração do cérebro e da memória, e também tem uma influência positiva no sistema cardiovascular.

Pesquisadores mostraram que as ondas cerebrais que caracterizam o sono profundo, as chamadas ondas lentas, podem ser melhoradas tocando sons precisamente cronometrados através de fones de ouvido enquanto dormem. Embora isso funcione bem no laboratório do sono em condições controladas, até agora não houve nenhuma solução em casa que possa ser usada por mais tempo do que apenas uma noite.

SleepLoop para o resgate

Como parte do projeto SleepLoop, pesquisadores da ETH Zurique desenvolveram um sistema móvel que pode ser usado em casa e tem como objetivo promover o sono profundo através da estimulação cerebral auditiva.

O sistema SleepLoop consiste em uma bandana que é colocada na hora de dormir e usada durante toda a noite. Esta bandana contém eletrodos e um microchip que mede constantemente a atividade cerebral da pessoa dormindo. Os dados deste são analisados de forma autônoma em tempo real no microchip usando software personalizado.

Assim que a pessoa adormecida mostra ondas lentas na atividade cerebral caracterizando o sono profundo, o sistema aciona um sinal auditivo curto (clicando). Isso ajuda a sincronizar as células neuronais e melhorar as ondas lentas. O que torna a solução única é que a pessoa que dorme não está consciente desse som durante o sono profundo.

O primeiro estudo clínico

Pesquisadores da ETH Zurique e do Hospital Universitário de Zurique, liderados por Caroline Lustenberger, líder do grupo no Neural Control of Movement Lab, realizaram um estudo clínico com este dispositivo pela primeira vez. Os resultados acabaram de ser publicados na revista Communications Medicine.

O estudo envolveu a equipagem de participantes, entre 60 e 80 anos, com o sistema SleepLoop, que eles eram obrigados a operar em sua própria casa. O sistema foi projetado para funcionar de forma independente até mesmo por usuários com pouca experiência técnica. "Isso funcionou muito bem. Tivemos surpreendentemente pouca perda de dados e os participantes classificaram o dispositivo como fácil de usar", diz Lustenberger.

Eles usavam o dispositivo todas as noites por um total de quatro semanas, com a estimulação auditiva dada em uma base noturna por duas semanas e sem estímulo para as próximas duas semanas. Nem os sujeitos nem os pesquisadores sabiam em que duas semanas os sinais auditivos eram tocados e em que dois não eram.

Estimulação auditiva é de fato viável

Os resultados de 16 participantes do estudo mostram que foi possível realçar as ondas lentas através de sinais auditivos durante o sono profundo na maioria dos participantes. No entanto, as diferenças individuais foram extensas com alguns dos sujeitos respondendo muito bem aos estímulos, enquanto outros responderam minimamente ou não.

Segundo Lustenberger, a questão de saber se uma pessoa reagiu a um estímulo não dependia de seu bem-estar durante o dia. "Algumas pessoas geralmente responderam bem aos estímulos e claramente mostraram ondas lentas melhoradas, enquanto outras não mostraram resposta, independentemente de seu bem-estar diário."

Os pesquisadores têm usado essas diferenças individuais para prever melhor como um determinado indivíduo responderá ao estímulo auditivo. Isso, por sua vez, ajuda-os a otimizar e melhorar o desempenho do SleepLoop.

No caminho para o lançamento do mercado

Uma empresa spin-off Tosoo AG, está atualmente trabalhando no desenvolvimento do dispositivo e na preparação para o mercado clínico. Já está claro que não estará livremente disponível, mas apenas através de prescrição médica.

"Este é um dispositivo médico, não apenas um produto de consumo de bem-estar que você pode pedir online quando você tem problemas para dormir", enfatiza Walter Karlen, que desenvolveu a tecnologia na ETH Zurique. 1 Karlen foi nomeado Diretor do Instituto de Engenharia Biomédica da Universidade de Ulm em maio de 2021.

"O uso do dispositivo deve ser medicamente indicado e supervisionado por um médico", diz. O desenvolvimento adicional da tecnologia continuará agora também em Ulm.

Auditory deep sleep stimulation in older adults at home: a randomized crossover trial” by Lustenberger C et al. Communications Medicine



154 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo