Não tão doce: dieta açucarada no início da vida pode levar a problemas cognitivos mais tarde



De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, as bebidas adoçadas com açúcar são uma das principais fontes de açúcares adicionados nas dietas dos americanos. Quase dois terços dos jovens nos Estados Unidos consomem pelo menos uma bebida açucarada por dia



Consumir altos níveis de bebidas adoçadas com açúcar no início da vida pode levar a problemas de memória durante a vida adulta. Os pesquisadores descobriram que, em comparação com ratos que consumiam apenas água, aqueles que bebiam bebidas adoçadas com açúcar tiveram dificuldades na memória associadas ao hipocampo. O estudo também encontrou uma ligação entre mudanças específicas nas bactérias intestinais em ratos que bebiam bebidas açucaradas e funcionavam com o cérebro prejudicado.

Novas pesquisas mostram como beber bebidas açucaradas no início da vida pode levar a uma memória prejudicada na idade adulta.

O estudo, publicado hoje na Translational Psychiatry, também é o primeiro a mostrar como uma mudança específica no microbioma intestinal — as bactérias e outros microrganismos que crescem no estômago e intestinos — pode alterar a função de uma determinada região do cérebro.

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, as bebidas adoçadas com açúcar são uma das principais fontes de açúcares adicionados nas dietas dos americanos. Quase dois terços dos jovens nos Estados Unidos consomem pelo menos uma bebida açucarada por dia.

O neurocientista Scott Kanoski, professor associado de ciências biológicas na Faculdade de Letras, Artes e Ciências da USC Dornsife, estudou a ligação entre dieta e função cerebral há anos. Sua pesquisa mostrou que o consumo de bebidas açucaradas prejudica a função da memória em ratos e que essas mesmas bebidas mudam o microbioma intestinal.

No presente estudo, Kanoski e pesquisadores da UCLA e da Universidade da Geórgia, Atenas, procuraram descobrir se existe uma ligação direta entre as mudanças no microbioma e na função da memória.

Os cientistas deram aos ratos adolescentes acesso livre a uma bebida adoçada com açúcar semelhante àquequelheira.

Quando os ratos se tornaram adultos após cerca de um mês, os pesquisadores testaram suas memórias usando dois métodos diferentes. Um método testou a memória associada a uma região do cérebro chamada hipocampo. O outro método testou a função de memória controlada por uma região chamada córtex perirhinal.

Os pesquisadores descobriram que, em comparação com ratos que bebiam apenas água, os ratos que consumiam altos níveis de bebida açucarada tinham mais dificuldade com a memória que usa o hipocampo. O consumo de açúcar não afetou as memórias feitas pelo córtex perirhinal.

"O consumo de açúcar no início da vida parece prejudicar seletivamente seu aprendizado e memória hipocampal", disse a autora principal do estudo, Emily Noble, professora assistente na Faculdade de Ciências da Família e do Consumidor da UGA e ex-bolsista de pós-doutorado na USC Dornsife.

Os cientistas então verificaram os microbiomas intestinais dos ratos e encontraram diferenças entre aqueles que bebiam a bebida doce e aqueles que bebiam água. Os bebedores de açúcar tinham populações maiores de duas espécies particulares de bactérias intestinais: Parabacteroides distasonis e Parabacteroides johnsonii.

Os pesquisadores então perguntaram se as bactérias Parabacteroides poderiam, sem a ajuda do açúcar, afetar a função de memória dos ratos. Eles transplantaram bactérias parabacteroides que foram cultivadas em laboratório nas entranhas de ratos adolescentes que bebiam apenas água. Os ratos que receberam as bactérias mostraram prejuízo de memória no hipocampo quando cresceram até a idade adulta, da mesma forma que os ratos que bebiam açúcar.

Os cientistas também descobriram que, ao contrário dos ratos que bebem açúcar, os ratos transplantados também mostraram prejuízo de memória no córtex perirhinal. Essa diferença fornece mais evidências de que a função cerebral alterada associada à dieta pode realmente estar enraizada em mudanças no microbioma intestinal.

Estudos anteriores transplantaram todo o microbioma intestinal de um grupo de animais para outro, produzindo alterações semelhantes à função cerebral. No entanto, este estudo está entre os primeiros a fazê-lo com apenas duas espécies específicas.

"Foi surpreendente para nós que conseguimos essencialmente replicar os prejuízos de memória associados ao consumo de açúcar não transferindo todo o microbioma, mas simplesmente enriquecendo uma única população bacteriana no intestino", disse Kanoski, que é um autor correspondente no estudo.

Finalmente, os cientistas examinaram a atividade dos genes no hipocampo, comparando ratos que beberam a bebida açucarada com aqueles que bebiam apenas água e comparando bebedores de água com os transplantados com Parabacteroides.

A atividade genética, de fato, mudou tanto nos ratos que consumiram as bebidas adoçadas com açúcar quanto nos ratos transplantados com Parabacteroides. Os genes afetados controlam como as células nervosas transmitem sinais elétricos para outras células nervosas e como enviam sinais moleculares internamente.

Os resultados deste estudo confirmam uma ligação direta, em nível molecular, entre o microbioma intestinal e a função cerebral.

Em estudos futuros, Kanoski e os pesquisadores esperam determinar se a mudança de hábitos, como comer uma dieta mais saudável ou aumentar o exercício, pode reverter os danos à memória causados pelo aumento do consumo de açúcar no início da vida.

Além de Kanoski e Noble, os autores do estudo incluem Elizabeth Davis, Linda Tsan, Clarissa Liu, Andrea Suarez e Roshonda Jones da USC Dornsife; Christine Olson, Yen-Wei Chen, Xia Yang e Elaine Y. Hsiao UCLA; e Claire de La Serre e Ruth Schade da UGA.

Financiamento: A pesquisa foi apoiada pelo Instituto Nacional de Diabetes e Doenças Digestivas e Renais concede DK116942, DK104897, DK118000, DK111158, DK116558, DK 118944 e DK104363; Prêmio Do Instituto Nacional do Envelhecimento F31 AG064844; e Departamento de Defesa ARO MURI prêmio W911NF-17-1-0402.

Jim Key – USC

The study will appear in Translational Psychiatry

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo