Nascer pequeno não tende a prejudicar o desenvolvimento cognitivo dos bebês de FIV



O estudo mostra que nascer pequeno – pesando menos de 2,5 kg – não tende a dificultar o desenvolvimento cognitivo das crianças do MAR como acontece com suas contrapartes naturalmente concebidas


Menor peso ao nascer em bebês de reprodução medicamente assistida não parece dificultar o desenvolvimento cognitivo no mesmo grau que faz em crianças naturalmente concebidas com menor peso ao nascer.

Crianças concebidas através da reprodução medicamente assistida que nascem pequenas fazem tão bem em testes cognitivos durante a infância e adolescência quanto crianças naturalmente concebidas que nascem com peso normal, encontra um novo estudo liderado por pesquisadores da UCL.

A nova pesquisa, publicada hoje no International Journal of Epidemiology, é um dos primeiros estudos a examinar as ligações entre a reprodução assistida por médicos (MAR) – incluindo técnicas como tratamento de FIV, inseminação artificial e indução de ovulação – peso ao nascer e desenvolvimento cognitivo.

O estudo mostra que nascer pequeno – pesando menos de 2,5 kg – não tende a dificultar o desenvolvimento cognitivo das crianças do MAR como acontece com suas contrapartes naturalmente concebidas.

Os autores explicam que as crianças do MAR são mais propensas a vir de famílias melhores que podem ser capazes de compensar as consequências negativas de nascer pequeno, fornecendo mais recursos financeiros e educacionais para seus filhos.

Pesquisadores do Centro de Estudos Longitudinais do Instituto de Educação da UCL analisaram dados coletados de um grupo nacionalmente representativo de mais de 19.000 crianças que participam do Estudo da Coorte do Milênio (MCS) desde que nasceram em 2000-02.

Em suas análises, dividiram as crianças em quatro grupos: crianças de MAR nascidas pequenas, crianças de MAR que tinham peso normal, crianças naturalmente concebidas nascidas pequenas e crianças naturalmente concebidas que tinham peso normal.

Para examinar o papel desempenhado pela reprodução assistida medicamente e baixo peso ao nascer no desenvolvimento cognitivo das crianças, eles então compararam os escores de teste cognitivo entre os quatro grupos aos 3, 5, 7, 11 e 14 anos.

Em todas as idades, as crianças de MAR nascidas pequenas tiveram, em média, desempenho semelhante ou melhor em avaliações cognitivas como crianças concebidas naturalmente que eram peso normal ao nascer. Aos 5 anos, obtiveram maiores pontuações, e aos 3, 7, 11 e 14 anos não houve diferenças de desempenho. Além disso, até os 7 anos de idade, as crianças nascidas de idade pequena ganharam pontuações maiores do que as crianças concebidas naturalmente que tinham baixo peso ao nascer.

As crianças de MAR que nasceram com peso normal ganharam maiores escores cognitivos em todas as idades do que as crianças naturalmente concebidas de baixo peso ao nascer e peso normal. Crianças naturalmente concebidas nascidas pequenas tiveram os menores escores cognitivos até os 7 anos de idade.

Uma vez que os pesquisadores consideraram as circunstâncias familiares das crianças – medidas por características como escolaridade das mães, idade ao nascer e estado civil –, as diferenças nos escores de capacidade cognitiva desapareceram principalmente, sugerindo que o histórico socioeconômico é um fator importante para explicar a vantagem cognitiva das crianças concebidas através do MAR que nasceram pequenas.

Embora as crianças mar fossem muito mais propensas a nascer pequenas do que crianças naturalmente concebidas, elas também eram mais propensas a ter pais que eram bem educados e bem educados.

Os autores do estudo explicaram que ter acesso a maiores recursos financeiros e educacionais, especialmente na primeira infância, quando o envolvimento dos pais na aprendizagem é fundamental, provavelmente contraria a associação negativa entre o baixo peso ao nascer e o desenvolvimento cognitivo das crianças.

O estudo constatou que 22% das 396 crianças do MAR envolvidas no estudo nasceram pequenas, em comparação com apenas 7% das crianças concebidas naturalmente. Quase metade das mães de crianças de MAR (46%) tinha diploma universitário, em comparação com um terço das mães de filhos naturalmente concebidos (33%).

As mães de filhos de MAR eram, em média, mais de três anos mais velhas (33,1 anos) do que mães de crianças naturalmente concebidas (29,6 anos) quando deram à luz e, além disso, eram mais propensas a se casar ou conviver (98% vs 86%).

A coautora, Dra Alice Goisis, disse: "Pesquisas já mostraram anteriormente que crianças concebidas através da reprodução assistida médica tendem a realizar tão bem quanto ou melhor em testes cognitivos do que crianças concebidas naturalmente. Mas um aspecto importante que tem sido negligenciado é se esse também é o caso para os nascidos pequenos, que representam mais de 20% das crianças concebidas por meio da reprodução medicamente assistida, e que, segundo pesquisas anteriores, tendem a fazer pior em avaliações cognitivas do que aquelas que nascem com peso normal."

"Neste estudo, descobrimos que as crianças nascidas pequenas e concebidas pelo MAR têm escores de capacidade cognitiva semelhantes ou ligeiramente maiores em comparação com crianças concebidas naturalmente. No entanto, essas diferenças na capacidade cognitiva entre o MAR e as crianças concebidas naturalmente são explicadas pelo histórico socioeconômico dos pais.

"Os pais do MAR estão, em média, melhor e, portanto, são talvez mais propensos a ter os meios para oferecer aos seus filhos uma gama mais ampla de atividades extracurriculares e educacionais ao lado da escola que podem beneficiar o desenvolvimento das crianças.

"Juntos, essas características e comportamentos podem permitir que os pais do MAR compensem a possível desvantagem inicial de nascer pequenos que seus filhos enfrentam."

Financiamento: O estudo foi financiado pelo Conselho de Pesquisa Econômica e Social (ESRC).

“The cognitive development from childhood to adolescence of low birthweight children born after medically assisted reproduction—a UK longitudinal cohort study” by Marco Cozzani, Siddartha Aradhya, Alice Goisis. Journal of Epidemiology


6 visualizações0 comentário