top of page

Novas pistas sobre o desenvolvimento da epilepsia




A ativação de células de granulares dentados no hipocampo desempenha um papel fundamental nas alterações que ocorrem durante o desenvolvimento da epilepsia pós-traumática.

Fonte: Universidade Estadual do Colorado

A lesão cerebral traumática é uma das principais causas de epilepsia, um distúrbio neurológico crônico caracterizado por convulsões recorrentes que afetam cerca de 50 milhões de pessoas.

Uma equipe de pesquisa liderada por Bret Smith, professor e chefe do Departamento de Ciências Biomédicas, descobriu processos neuronais específicos que poderiam ajudar a avançar futuros tratamentos preventivos para a epilepsia pós-traumática.

Os resultados, publicados no The Journal of Neuroscience, mostram que a ativação de um subconjunto de neurônios do hipocampo desempenha um papel fundamental nas mudanças que ocorrem durante o desenvolvimento da epilepsia pós-traumática e pode ser restauradora.

"Sabemos que o trauma induz uma cascata de eventos que podem causar epilepsia", diz Smith. "Queremos entender exatamente o que está ocorrendo e quais são os desfechos e, em seguida, trabalhar para trás para tentar impedir que a epilepsia se desenvolva após uma lesão cerebral".

A pesquisa em neurociência no laboratório de Smith se concentra em dois programas distintos; um visa identificar alterações neurais relacionadas ao desenvolvimento da epilepsia, que a equipe criou os principais modelos no campo para estudar, e o outro examina como o cérebro é influenciado e contribui para a hiperglicemia no diabetes.

Para este estudo, a equipe de Smith analisou neurônios chamados células de grânulos dentados, que se regeneram continuamente em áreas do cérebro que são cruciais para o aprendizado e a memória e também são comumente afetadas pela epilepsia.

A equipe ficou surpresa ao descobrir que, quando eles foram ativados, a atividade de outras células cerebrais envolvidas na epilepsia foi inibida. E que as células que foram formadas pouco antes de uma lesão cerebral traumática eram muito mais propensas a ativar esse circuito do que aquelas geradas em outros pontos no tempo.

"Temos analisado como essas conexões sinápticas se reorganizam na epilepsia há muito tempo", diz Smith. "Agora, podemos olhar mais de perto para conexões específicas dessas células que se formam em momentos diferentes."

Em seguida, o laboratório de Smith investigará se essa nova conexão está restaurando a função e se ocorre em outros tipos de epilepsia.

"Se pudermos chegar a um ponto de entender as mudanças que ocorrem no desenvolvimento da epilepsia bem o suficiente, poderemos evitá-las ou revertê-las."


Author: Rhea Maze

Source: Colorado State University

Contact: Rhea Maze – Colorado State University

Original Research: Closed access.

“Adult Born Dentate Granule Cell Mediated Upregulation of Feedback Inhibition in a Mouse Model of Traumatic Brain Injury” by Young-Jin Kang et al. Journal of Neuroscience


85 visualizações0 comentário

Opmerkingen


bottom of page