top of page

O que são frequências eletromagnéticas (EMF) e como me protejo?




A quantidade de frequências eletromagnéticas (EMFs) a que estamos expostos disparou nas últimas duas décadas. Com a tecnologia 5G agora alimentando a internet dos dispositivos, nosso uso quase constante de smartphones e hotspots onipresentes, devemos considerar as ramificações que essas exposições de longo prazo trazem.

Infelizmente, os especialistas nos disseram por anos que os EMFs não são prejudiciais à nossa saúde, mas um crescente corpo de pesquisas indica que os EMFs afetam o corpo humano de várias maneiras prejudiciais.

O que exatamente são campos eletromagnéticos (EMFs)?

Existem muitos tipos diferentes de EMFs. Cada tipo tem sua própria frequência, ou o número de ondas que passam por um ponto fixo por segundo. A frequência é medida em Hertz (Hz).

Os EMFs vêm de fontes naturais e artificiais. O campo magnético e a luz solar da Terra são exemplos de EMFs que são naturais. Wi-Fi, fiação elétrica e telefones celulares são algumas fontes de EMF artificiais. Todas as frequências EMF caem em um espectro de frequência extremamente baixa para frequência extremamente alta.

O espectro de EMFs vai de frequências extremamente baixas, como ondas de rádio, a altas frequências, como os raios gama que atingem a Terra a partir do espaço sideral.

Aqui estão alguns exemplos de frequências mais baixas para mais altas:

· Alimentação CA (50 a 60Hz)

· Ondas de TV e rádio

· Sinais de telefone celular

· Wi-Fi (em

· Microondas

· Algumas redes de telefonia celular e Wi-Fi

· Raios infravermelhos

· Luz visível

· Luz ultravioleta (UV)

· Raios-X

· Raios gama

· Raios cósmicos

Tipos de CEM

No espectro listado acima, essas fontes de EMFs são classificadas em dois grupos de acordo com o Instituto Nacional de Ciências da Saúde Ambiental:

1. Radiação EMF de baixo nível e não ionizante: Esses EMFs têm uma frequência menor do que a luz visível. Estes são muitas vezes considerados inofensivos porque não envolvem o desprendimento de elétrons dos átomos. Exemplos disso incluem WiFi, linhas de energia ou Bluetooth.

2. Radiação EMF ionizante de alto nível: Este tipo de EMF tem energia suficiente para interromper a estrutura de um átomo, ionizando o átomo ou separando um elétron do átomo. Esses EMFs têm uma frequência maior do que a luz visível. Alguns exemplos dessa radiação incluem coisas como raios-X, raios gama e luz ultravioleta.

Não há controvérsia real sobre as descobertas de que a exposição à radiação EMF ionizante de alto nível é prejudicial à saúde humana. Como resultado, existem extensas precauções de segurança tomadas para evitar danos à saúde. Em alguns casos, essas precauções podem até exagerar, como pedir às pessoas que sempre usem protetor solar sempre que saírem para evitar os efeitos dos raios ultravioletas do sol.

Os danos potenciais da radiação não ionizante de baixo nível são mais controversos, apesar de uma crescente abundância de evidências que sugerem que ela tem seus próprios prejuízos à saúde.

Em nossa sociedade moderna, dependemos de muitas peças de tecnologia em nossas vidas cotidianas. Praticamente todas as tecnologias geram campos eletromagnéticos, até mesmo lâmpadas, mas é o aumento mais recente de dispositivos sem fio, incluindo torres de celular, telefones celulares, dispositivos WiFi e assim por diante, que realmente saturaram nossos corpos com níveis sem precedentes de radiação EMF.


Como os EMFs causam danos ao corpo?

Pesquisas mostram que a radiação de baixa frequência interrompe os canais de cálcio dependentes de voltagem (VGCCs), que são proteínas transmembranares encontradas em muitas células do corpo. Em células saudáveis, há uma quantidade muito específica de cálcio dentro da célula para manter a homeostase, muito pode contribuir para problemas. VGCCs são encontrados em várias células, incluindo células musculares, células gliais e neurônios e são importantes reguladores do cérebro, coração e músculos. Os VGCCs atuam como guardiões da célula e permitem que os íons de cálcio na célula realizem vários processos, como expressão genética, equilíbrio endócrino e função de neurotransmissores.

Existem muitos estudos que mostram como os VGCCs são interrompidos pelos EMFs. Esses estudos demonstram que a radiação de baixo nível causa um enorme influxo de íons cálcio nas células. Esse influxo de cálcio pode levar ao estresse oxidativo, danos ao DNA celular, apoptose (morte celular), interrupção da atividade enzimática e excitotoxicidade – efeitos também diretamente ligados aos EMFs. Estes efeitos nocivos sobre o corpo, portanto, podem levar a vários estados de doença.

Além disso, não podemos esquecer o fato de que os seres humanos são seres elétricos. Na verdade, todas as nossas células têm uma tensão mensurável. Todos os órgãos, incluindo o cérebro e o coração, funcionam com base em intrincados sinais eletroquímicos. Esses sinais estão intimamente envolvidos com praticamente todos os processos do corpo, desde a digestão até o movimento muscular, a função cerebral e o sono. Como você pode imaginar, os EMFs podem afetar diretamente a "eletricidade" dentro de nossos corpos e perturbar a fisiologia normal.


Riscos para a saúde para a exposição a campos eletromagnéticos


Você pode se surpreender ao saber que há um crescente corpo de evidências que aponta para a relação entre a exposição prolongada a EMF e vários problemas de saúde e estados de doença. Acreditamos que provavelmente há maiores implicações para a saúde da exposição a EMF do que as listadas aqui, mas a pesquisa está começando a mostrar os seguintes estados de doença e consequências para a saúde:

· Doença de Alzheimer

· Auto-imunidade

· Problemas de tireoide

· Infertilidade e problemas reprodutivos

· Dor crônica

· Condições da pele

· Aumento da gravidade de outras condições, como a doença de Lyme e a doença do mofo

· Interrupção do sono

·

Sintomas de exposição a EMF e síndrome de hipersensibilidade eletromagnética


A exposição a EMF pode se manifestar em muitos sintomas. De fato, estima-se que pelo menos 6% da população é mais sensível aos EMFs do que outros e se enquadra no termo síndrome de hipersensibilidade eletromagnética (EHS). Os sintomas associados aos EMFs incluem

· Fadiga

· Dificuldade de concentração

· Cefaléias

· Náusea

· Tontura

· Palpitações

· Problemas digestivos

· Pele vermelha

· Formigamento

· Queimação

· Interrupção do sono ou insônia

· Dores musculares e dores

· Depressão

· Infertilidade

· Zumbido

· Arritmia cardíaca


Como os EMFs afetam as crianças?


As crianças são mais suscetíveis a EMFs por causa da taxa de desenvolvimento em sua estrutura óssea e sistema nervoso. Além disso, o tecido cerebral das crianças é mais condutor, tornando-o especialmente vulnerável. A barreira protetora do cérebro, a barreira hematoencefálica, também é mais permeável em crianças; alguns dizem que não está totalmente selado até os 7 anos de idade.

Como essa barreira ainda não está totalmente intacta em muitas crianças pequenas, seus cérebros são ainda mais vulneráveis às toxinas e radicais livres presentes na corrente sanguínea. A "taxa de absorção específica" produzida pelos telefones celulares difere entre crianças e adultos. EMF penetra maior em relação ao tamanho da cabeça.

Um estudo de 2011 publicado na Electromagnetic Biology and Medicine ajuda a ilustrar a grande absorção dos EMFs no cérebro. Os autores dizem o seguinte: "Quando as propriedades elétricas são consideradas, a absorção da cabeça de uma criança pode ser mais de duas vezes maior, e a absorção da medula óssea do crânio pode ser dez vezes maior do que a dos adultos".

Com esse entendimento em mente, os adultos devem estar vigilantes na proteção dos jovens da exposição aos campos eletromagnéticos. O tempo de tela deve ser inexistente ou incrivelmente limitado em nossa população pediátrica. Temos de proteger a geração futura!


Como proteger a si mesmo e aos entes queridos


Felizmente, apesar do ataque de EMFs em nosso ambiente, existem várias maneiras de proteger a si mesmo e seus entes queridos de exposições a EMF. Três aspectos-chave da proteção incluem: diminuir o uso de dispositivos emissores de EMF, aumentar a distância entre você e os EMFs e escolher opções com fio em vez de sem fio.

· Considere desligar o Wi-Fi por uma grande parte do dia, especialmente enquanto você dorme. Instale um interruptor para desligá-lo facilmente.

· Tire o Apple Watch, o Fitbit ou outros wearables. Considere não usá-los em tudo!

· Abandone o forno de micro-ondas.

· Mantenha seu telefone no modo avião quando você não estiver usando-o.

· Não utilize Bluetooth no seu automóvel. Desligue-o para evitar EMFs.

· Evite eletrodomésticos inteligentes, dispositivos domésticos, termostatos e telefones celulares habilitados para 5 G.

· Use a função de alto-falante em seu telefone e segure-o mais longe do seu corpo

· Não carregue seu telefone em seu corpo.

· Use um estojo faraday enquanto carrega seu telefone.

· Não use seu telefone quando o sinal estiver fraco, pois o telefone aumentará sua saída para alcançar um sinal.

· Use um dispositivo de proteção EMF em seu telefone celular, iPad, laptop e computador desktop.

· Ao usar um laptop, use um escudo para se proteger da radiação nociva. Isto é particularmente importante para manter os órgãos reprodutivos seguros.

· Considere colocar tinta de proteção EMF em áreas de dormir.

· Remova todas as lâmpadas fluorescentes e luminárias de sua casa.

· Se você não pode desligar seu WiFi à noite ou ainda está exposto ao WiFi do seu vizinho, uma gaiola de faraday pode ser útil para proteger o ambiente de sono.

· Instale uma tampa de medidor inteligente e tente colocar camas o mais longe possível do medidor inteligente doméstico.

· Use um mouse, teclado, telefone e Ethernet com fio.


Embora a exposição a EMF seja uma realidade cada vez maior do nosso mundo hoje, seja capacitado com ferramentas para proteger a si mesmo e seus entes queridos dos efeitos prejudiciais dos EMFs. Com passos intencionais à frente, você pode reduzir drasticamente a exposição a EMF e promover a saúde ideal.

Sources and Additional Reading





Comments


bottom of page