Os dados das vacs cvd não mostraram redução nas mortes, diz especialista em segurança de drogas




Dr. Peter Doshi questionou a narrativa atual sobre as vacs C0vID e a pandemia, apoiando suas declarações com dados dos testes de vacs.

8 de novembro de 2021 - 14:11 EST

WASHINGTON, D.C– Um proeminente especialista em segurança de drogas questionou a eficácia das injeções de mRNA contra o COVID-19 e sugeriu que elas não se qualificam como vacs.

O Dr. Peter Doshi, professor associado de pesquisa de serviços farmacêuticos de saúde na Escola de Farmácia da Universidade de Maryland e editor associado do British Medical Journal (BMJ), discutiu a falta de evidências científicas para a eficácia da vac C0VID em um painel sobre mandatos e lesões de vacs. A mesa-redonda foi organizada pelo senador de Wisconsin Ron Johnson em Washington, D.C. em 2 de novembro. Incluía especialistas médicos e pessoas que descreveram suas lesões de vacs C0VID.

Doshi fez uma apresentação de 5 minutos na qual argumentou que dados recentes não mostram evidências de proteção eficiente contra o C0VD das vacs mRNA.

"Os ensaios não mostraram uma redução da morte, mesmo para as mortes por C0VID, em oposição a outras causas", disse ele ao painel.

Doshi é conhecido por ter criticado os testes de vac C0viD no passado e também se manifestou contra a vacinação de crianças contra o CVD-19.

Doshi começou sua apresentação com um apelo por um pensamento mais crítico dentro da indústria médica e farmacêutica.

"Na faculdade de farmácia, ensino um curso obrigatório sobre como avaliar criticamente a literatura médica", disse ele.

"Treinamos os alunos sobre como ir além de um resumo de estudo e começar a separar e avaliar criticamente os estudos biomédicos, não apenas levá-los ao valor facial", continuou.

"Quero usar meus cinco minutos aqui para aproveitar esse espírito de pensamento crítico."

Parte superior do formulário

Parte inferior do formulário


Doshi disse estar "triste" com a atitude de "todo mundo sabe" que se tornou predominante na medicina, "acabou com a curiosidade intelectual", e levou à "autocensura".

O professor passou a questionar a narrativa atual sobre as vacs C0VID e a pandemia, apoiando suas declarações com dados dos testes de vacs, exibidos em slides.

Doshi ofereceu uma lista de "todos sabem" certezas e questionou cada um, começando pela crença de que a pandemia C0VID-19 é atualmente predominante entre os não vacinados.

"Se as internações e óbitos estavam quase exclusivamente ocorrendo nos não vacinados, por que as vacs de reforço seriam necessárias?", perguntou.

"Ou por que as estatísticas seriam tão diferentes no Reino Unido, onde a maioria das internações e mortes do C0VID estão entre as totalmente vacinadas?", acrescentou.

Doshi disse que a aparente desconexão é algo que os médicos devem estar "curiosos".

Ele então criticou a noção de "pandemia dos não vacs".

"O que isso significa mesmo?", Perguntou ele.

Em seguida, na lista de certezas de Doshi que deveriam ser contestadas com base em dados científicos foi a certeza de que "as vacinas C0VD salvam vidas".

O professor se referiu a uma citação de fevereiro de 2021 do Journal of the American Medical Association (JAMA) na qual os médicos Fauci, Walke e Walensky afirmaram que "os testes clínicos mostraram as vacinas [...] são altamente eficazes contra C0VID-19 [...] e morte."

Doshi argumentou que a declaração não é apoiada pelos dados atuais.

"Hoje temos mais dados, e você pode ver que houve um número semelhante de mortes nos grupos de vacinas e placebo", disse ele.

"Os estudos não mostraram uma redução da morte, mesmo para as mortes por C0VID, em oposição a outras causas", concluiu.

O especialista em segurança de drogas então discutiu as definições de "anti-vaxxers" e "vacinas", contidas no dicionário Merriam-Webster.

Hoje, Merriam-Webster define "anti-vaxxer" como "uma pessoa que se opõe ao uso de vacs ou regulamentos que obrigam a vacinação".

Doshi disse estar "atordoado" com a segunda parte dessa definição, já que muitos países, incluindo o Japão e o Reino Unido, não mandam vacinas infantis e ainda alcançam altos níveis de vacinação.

"Eu apostaria que uma grande minoria majoritária, talvez até mesmo a maioria da população mundial, atenda [a essa] definição de um anti-vaxxer", disse ele.

A próxima definição que Doshi abordou foi a da palavra "vacina".

"Sou um dos acadêmicos que argumenta que esses produtos de MRA, que todos chamam de 'vacinas', são qualitativamente diferentes das vacinas padrão", afirmou.

Doshi observou que o dicionário Merriam-Webster mudou sua definição da palavra "vacina" no início deste ano. Ele então mostrou que os produtos mRNA não foram incluídos nessa definição até 26 de janeiro de 2021.

"O que acha de impor vacinas covid se não as chamássemos de vacinas? E se essas injeções fossem chamadas de drogas em vez disso?", Perguntou Doshi.

"Temos essa droga, e temos evidências de que ela não previne infecções, nem interrompe a transmissão viral", continuou.

"Você tomaria uma dose desta droga a cada seis meses ou mais para possivelmente o resto de sua vida? Se foi o que foi preciso para a droga se manter eficaz. Você não só tomaria essa droga sozinho, mas apoiaria regulamentos que obrigam que todos ao seu redor tomem essa droga?"

Doshi concluiu renovando seu apelo por um pensamento mais crítico dentro das indústrias médica e farmacêutica.

"Acho que é hora de injetar algum pensamento crítico nessa conversa, e é isso que espero que estejamos fazendo hoje", disse ele.



1.308 visualizações1 comentário