top of page

Ouça, ouça! Como a música e o som nos acalma e nos conectam





Também entendemos melhor como o cérebro compreende a linguagem e o poder da música para afetar a atividade cerebral.

Os pesquisadores exploram como os sons e a música têm o poder de acalmar, energizar e nos conectar uns aos outros.

Fonte: USC

Quando Ludwig van Beethoven começou a perder a audição quando jovem em 1798, ele culpou uma queda, embora os pesquisadores modernos acreditem que doenças, envenenamento por chumbo ou uma deformidade do ouvido médio possam ter sido fatores.

Seja qual for a causa, a deficiência auditiva não fez nada para adoçar a disposição notoriamente azeda do aclamado compositor, contribuindo compreensivelmente para sua melancolia e mau humor.

Hoje, mais de 200 anos após o início dos problemas auditivos de Beethoven, sabemos muito mais sobre a natureza do som e as causas da perda auditiva. Também entendemos melhor como o cérebro compreende a linguagem e o poder da música para afetar a atividade cerebral.

Mas se agora temos os meios para proteger contra certas doenças que afetam a audição, as soluções para abordar a causa mais comum de perda auditiva, o envelhecimento, têm sido mais desafiadoras. Os efeitos do envelhecimento na audição podem ser retardados ou parcialmente melhorados sem dispositivos biomédicos, mas ainda não podem ser revertidos.

Nova esperança para os surdos

Charles McKenna, professor de química da USC Dornsife, acredita que ele, juntamente com cientistas do Instituto de Olhos e Ouvidos de Massachusetts da Harvard Medical School, pode ter descoberto uma droga para reparar as células do ouvido interno que são danificadas não apenas pelo envelhecimento, mas pela exposição prolongada ao ruído. Esta droga tem o potencial de tratar áreas danificadas sem ser lavada pelo fluido natural da orelha - um avanço crucial.

McKenna explica que os sensores neurais transformam as vibrações que percebemos como sons em impulsos elétricos que o cérebro pode registrar e decifrar. Quando esses sensores são danificados, ocorrem perda auditiva e outros problemas.

"Um nervo pode enviar um sinal para o cérebro que permite que o cérebro diga: 'Esta é uma composição de Mozart' ou 'Esta é alguém falando'", diz McKenna.

"A teoria é que, se você pudesse regenerar os sensores neurais, restauraria a audição daqueles que a perderam. Embora existam drogas que parecem ter a capacidade de induzir a regeneração desses sensores neurais, a implantação bem-sucedida dessas drogas tem sido um tremendo desafio. "

Primeiro, a cóclea, a parte do ouvido interno onde as células danificadas estão localizadas, é óssea, dificultando a adesão das drogas. Em segundo lugar, mesmo que um composto seja mostrado para se ligar à estrutura, o fluido natural do ouvido interno tende a lavá-lo antes que ele possa funcionar.

Com base em descobertas encorajadoras de seu último estudo, McKenna diz que ele e seus colegas estão otimistas de que seu composto aderirá à cóclea por tempo suficiente para ser eficaz. Com mais pesquisas, eles esperam provar sua eficácia.

O Poder da Música

Enquanto Beethoven lutava com problemas auditivos, sua música, talvez paradoxalmente, pode ajudar a melhorar as funções cerebrais dos outros.

Assal Habibi, chefe do Laboratório de Cérebro e Música do Instituto de Cérebro e Criatividade da USC Dornsife e professor associado (pesquisa) de psicologia, explora como a música e a música afetam a atividade cerebral usando dados coletados por meio de eletroencefalografia e neuroimagem.

Ela e seus colegas descobriram que a música pode ter vários benefícios quantificáveis para o cérebro humano, particularmente em crianças. Por exemplo, tocar música pode ajudar as crianças a aprimorar suas habilidades de concentração.

"O treinamento musical ajuda com o que é conhecido como percepção de fala no ruído – por exemplo, quando você está em um ambiente barulhento e alguém está chamando seu nome ou dizendo algo que você precisa ouvir", diz Habibi. "Esta é uma habilidade crucial para as crianças em uma sala de aula barulhenta que precisam ser capazes de ouvir o professor e desligar o ruído de fundo."

O treinamento musical também demonstrou ajudar algumas crianças a alcançar marcos de desenvolvimento mais rapidamente. Se a pesquisa em andamento puder estabelecer a conexão, o treinamento musical pode ser capaz de prevenir o aparecimento de certos problemas comportamentais e de aprendizagem e levar a novas terapias para crianças que lutam com eles.

"Uma hipótese é que, se a música puder ajudar as crianças a alcançar marcos de desenvolvimento mais rapidamente, por exemplo, se desenvolverem habilidades linguísticas mais cedo, elas poderão expressar melhor seus sentimentos e se comunicar de forma mais eficaz", diz Habibi.

A Ciência da Linguagem

Enquanto a musicoterapia pode ajudar os indivíduos a aguçar sua capacidade de discernir o sinal do ruído, a linguística é a disciplina que lida com a forma como criamos e processamos o sinal – a própria fala.

Os linguistas se especializam nos blocos de construção da linguagem, ou como os sons se combinam para criar uma palavra que é entendida por pessoas diferentes, apesar do fato de que não há duas pessoas que falem uma palavra de forma completamente idêntica.

Dani Byrd, professora de linguística da USC Dornsife, examina como o trato vocal cria e combina esses sons na fala cotidiana e como as linguagens evoluem para estruturar esses sons para codificar informações.

"Como linguista, pergunto: 'Quais são as regras que as línguas usam para construir suas estruturas, para construir suas palavras e frases? Como eles diferem de língua para língua?' E eu vejo como e por que podemos entender esses sons como fazemos."

Byrd diz que nosso senso complicado e incrivelmente matizado de audição espelha uma complexidade correspondente em como moldamos nossas palavras e sons para transmitir significado.

"As células sensoriais do ouvido interno são o mecanorreceptor mais sensível do corpo. Eles têm movimentos em escala nanométrica", diz. "Quando as flutuações da pressão do ar movem o tímpano, isso cria movimento e uma cascata eletroquímica dentro do ouvido interno."

Nosso senso de audição tem o poder de nos mover de inúmeras maneiras. Ele também tem o poder de inspirar admiração por seus muitos mistérios ainda não resolvidos: por que é que entendemos um suspiro como um sinal de surpresa, ou possivelmente medo? Por que a chave de Ré menor muitas vezes provoca sentimentos de tristeza em um ouvinte, mas não em outro? E como é que o nosso cérebro pode pegar essas vibrações do ar e transformá-las em palavras, emoções ou mensagens?

"Não é incrível", diz Byrd, "que essas pequenas flutuações na pressão do ar possam fazer você rir ou chorar, possam transmitir urgência, possam fazer você se apaixonar?"

Author: Meredith McGroarty

Source: USC

Contact: Meredith McGroarty – USC


173 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page