top of page

Ovos podem ser a chave para um novo tratamento contra a C-19




Vários estudos publicados nos últimos dois anos indicam que ovos de galinhas imunizadas contra o SARS-CoV-2 poderiam ser usados para criar tratamentos eficazes contra a C-19 em humanos. Não há evidências, no entanto, de que esse desenvolvimento seja responsável pela atual escassez de ovos nos Estados Unidos, como alegam algumas teorias da conspiração.

Em um estudo publicado no Journal of Applied Microbiology em março passado, os pesquisadores descobriram que os anticorpos contra ovos (IgYs) produzidos por galinhas imunizadas contra a proteína spike SARS-CoV-2 tinham a capacidade de neutralizar o vírus, especificamente interferindo na capacidade da proteína spike de se ligar às células humanas.

Os pesquisadores concluíram que a IgY direcionada à proteína spike "poderia ser um candidato promissor para profilaxia pré e pós-exposição ou tratamento da C-19".

Eles acrescentaram que "a administração de preparação oral à base de IgY, spray oral ou nasal pode ter implicações profundas para o bloqueio do SARS-CoV-2".

Um estudo de 2021 publicado na revista International Immunopharmacology concluiu que a proteína anti-spike IgYs "mostrou potência neutralizante significativa contra o pseudovírus SARS-CoV-2, vários mutantes da proteína spike e até mesmo SARS-CoV in vitro".

Os autores concluíram que tais anticorpos "podem ser uma ferramenta viável para a prevenção e controle da C-19 em curso".

Este estudo também sugeriu que tal tratamento pode ter várias vantagens sobre os anticorpos monoclonais, incluindo efeitos colaterais reduzidos e custos de produção reduzidos. Como os autores apontam, as IgYs têm sido observadas por pesquisadores desde 1959 por "suas propriedades químicas estáveis" e resultados de baixo custo e alto rendimento que as tornam uma opção de tratamento potencialmente mais atraente para os países em desenvolvimento.

Quando se trata de efeitos colaterais reduzidos, o estudo observa: "IgYs não se ligam aos fatores reumatoides humanos, nem ativam o sistema de complemento humano, o que minimiza os riscos de inflamação". Em essência, os anticorpos contra o ovo não causam alergia ou desencadeiam reações imunes quando injetados em humanos.

O estudo aponta que os anticorpos IgY também foram aplicados para combater infecções virais humanas, como o vírus sincicial respiratório (VSR), o vírus da gripe e o vírus Coxsackie.

Os autores citam um estudo de 2006 de um coronavírus SARS anterior no qual as IgYs anti-SARS coronavírus foram purificadas de galinhas imunizadas com uma forma inativa do vírus, e os anticorpos resultantes foram capazes de neutralizar o vírus vivo tanto in vitro quanto in vivo.

Um terceiro estudo publicado pela última vez em Virus em julho passado por pesquisadores da UC-Davis também encontrou evidências que apoiam a abordagem de produzir anticorpos contra a COVID-19 em aves.

Rodrigo Gallardo, professor de medicina avícola da UC-Davis na UC Davis School of Veterinary Medicine, elogiou a abordagem em um artigo no site da universidade.

"A beleza do sistema é que você pode produzir muitos anticorpos em aves. Além de um baixo custo para produzir esses anticorpos em galinhas, eles podem ser atualizados muito rapidamente usando antígenos atualizados para hiperimunizar as galinhas, permitindo proteção contra as cepas variantes atuais".

A Teoria da Escassez de Ovos

A pesquisa de anticorpos contra ovos oferece um caminho tão atraente para o tratamento da COVID-19 que estimulou questões de uma potencial conspiração, dada a atual escassez de ovos nos Estados Unidos.

Um artigo no DCPatriot perguntou: "É por isso que os ovos estão desaparecendo a um ritmo alarmante? É por isso que as granjas de frango estão sendo destruídas? Não sabemos, mas com certeza é um momento de 'que diabos está acontecendo aqui', não é?"

No entanto, mesmo que as galinhas possam ser usadas para produzir anticorpos, elas primeiro precisam ser expostas ao vírus. Todos os estudos envolveram galinhas que foram expostas ao coronavírus. O estudo publicado na Applied Microbiology descobriu que um grupo controle de IgYs não imunizadas não tinha "nenhum efeito inibitório óbvio sobre o vírus", conforme indicado no gráfico abaixo, que compara os resultados de IgYs de galinhas imunizadas (linha azul) com os do grupo controle (linha vermelha):


Parece não haver evidências científicas de que os ovos em seu supermercado local sejam um tratamento eficaz para a COVID-19. Além disso, os sistemas de entrega contemplados, como sprays nasais, forneceriam uma dosagem altamente refinada e concentrada, aumentando ainda mais o impacto dos anticorpos.

Ovos como combatentes da COVID-19

Dito isto, conforme relatado pelo Times of India, "as instalações de quarentena do coronavírus em todo o mundo estão oferecendo ovos a seus pacientes em recuperação com suas refeições diárias".

O Times informou que as autoridades também estão fornecendo muitos óvulos aos profissionais de saúde diariamente para aumentar sua imunidade.

Os ovos vêm embalados com aminoácidos e antioxidantes, que melhoram sua saúde e mantêm seu sistema imunológico funcionando de forma ideal.

Cada ovo (85 calorias) contém 7 gramas de proteína de construção muscular, além de vitaminas essenciais como selênio (22%) e vitamina A, B e K. Os ovos também contêm outro nutriente, a riboflavina, que suporta o desenvolvimento e o crescimento.

Cada ovo também fornece 27% da RDA de vitamina D, que uma meta-análise recente de vários estudos mostrou ser eficaz na redução de casos de infecção por COVID-19, bem como a gravidade das infecções.


J Appl Microbiol. 2022 Mar;132(3):2421-2430.

doi: 10.1111/jam.15340. Epub 2021 Nov 3.

Egg yolk immunoglobulin (IgY) targeting SARS-CoV-2 S1 as potential virus entry blocker

Lirong Bao 1, Cheng Zhang 1, Jinglu Lyu 1, Ping Yi 1 2, Xin Shen 1, Boyu Tang 1, Hang Zhao 1, Biao Ren 1, Yu Kuang 3, Linlin Zhou 3, Yan Li 1

Affiliations expand

Abstract Aims: COVID-19 pandemic caused by SARS-CoV-2 has become a public health crisis worldwide. In this study, we aimed at demonstrating the neutralizing potential of the IgY produced after immunizing chicken with a recombinant SARS-CoV-2 spike protein S1 subunit. Methods and results: E. coli BL21 carrying plasmid pET28a-S1 was induced with IPTG for the expression of SARS-CoV-2 S1 protein. The recombinant His-tagged S1 was purified and verified by SDS-PAGE, Western blot and biolayer interferometry (BLI) assay. Then S1 protein emulsified with Freund's adjuvant was used to immunize layer chickens. Specific IgY against S1 (S1-IgY) produced from egg yolks of these chickens exhibited a high titer (1:25,600) and a strong binding affinity to S1 (KD = 318 nmol L-1 ). The neutralizing ability of S1-IgY was quantified by a SARS-CoV-2 pseudotyped virus-based neutralization assay with an IC50 value of 0.99 mg ml-1 . In addition, S1-IgY exhibited a strong ability in blocking the binding of SARS-CoV-2 S1 to hACE2, and it could partially compete with hACE2 for the binding sites on S1 by BLI assays. Conclusions: We demonstrated here that after immunization of chickens with our recombinant S1 protein, IgY neutralizing antibodies were generated against the SARS-CoV-2 spike protein S1 subunit; therefore, showing the potential use of IgY to block the entry of this virus. Significance and impact of the study: IgY targeting S1 subunit of SARS-CoV-2 could be a promising candidate for pre- and post-exposure prophylaxis or treatment of COVID-19. Administration of IgY-based oral preparation, oral or nasal spray may have profound implications for blocking SARS-CoV-2. Keywords: COVID-19; S1; SARS-CoV-2; antibody; egg yolk immunoglobulin Y (IgY); hACE2. © 2021 The Society for Applied Microbiology.

537 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page