Pandemia aumentou o estresse da gravidez para mulheres dos EUA



Mulheres grávidas dos EUA já enfrentam mais estressores do que muitos de seus pares em países industrializados

A pandemia COVID-19 teve um impacto significativo no estresse tanto em mulheres grávidas quanto no pós-parto. Pesquisadores dizem que isso é preocupante, pois o estresse pré-natal pode dificultar o desenvolvimento cerebral fetal.

Fonte: Universidade Estadual de Washington

O COVID-19 criou novos problemas para gestantes nos Estados Unidos, um grupo que já enfrentou a maior taxa de mortalidade materna no mundo desenvolvido antes mesmo da pandemia.

Uma de suas maiores preocupações é o bebê contrair a doença, de acordo com um estudo da Universidade estadual de Washington publicado recentemente na revista BMC Pregnancy and Childbirth. Algumas mulheres expressaram medo de que simplesmente ir ao hospital para o parto faria com que elas pegassem o vírus e depois fossem forçadas a isolar-se de seu recém-nascido.

"As gestantes estão realmente estressadas com a contratação do COVID-19", disse a autora principal Celestina Barbosa-Leiker, vice-chanceler de pesquisa da WSU Health Sciences Spokane.

"Eles têm muitas perguntas para seus prestadores de cuidados de saúde. Ainda não sabemos muito, o que é compreensível, mas é especialmente estressante para as mães."

Os pesquisadores também descobriram que a pandemia aumentou as preocupações financeiras das gestantes, dificultou a busca de alimentos saudáveis e fez com que elas perdessem as consultas de pré-natal.

O estudo revelou níveis ainda maiores de estresse e falta de apoio social entre mulheres de cor e gestantes de baixa renda, destacando um aumento das disparidades de saúde que já existiam antes da pandemia.

"Sabemos que o estresse pré-natal impacta o desenvolvimento fetal, então são preocupações muito grandes", disse Barbosa-Leiker.

Para o estudo, a equipe de pesquisa da WSU analisou as respostas da pesquisa de mais de 160 gestantes e pós-partos de 28 de abril a 30 de junho de 2020. Eles coletaram tanto respostas quantitativas de todo o grupo quanto respostas qualitativas mais aprofundadas de um subgrudo de mulheres.

No estudo, 52% das gestantes e 49% das mulheres pós-parto se preocuparam com a contração do COVID-19, e 46% procuraram informações extras sobre os protocolos COVID-19 do hospital onde planejavam dar à luz, ou tinham feito o parto, seus bebês.

Na parte qualitativa da pesquisa, as mulheres relataram muitas preocupações sérias. Por exemplo, um participante observou que sua principal preocupação durante a pandemia era contrair COVID-19 e morrer. Outros se preocupavam em contrair o vírus no hospital quando eles entregassem e que as políticas COVID-19 os forçariam a isolar de seu recém-nascido ou manter seus parceiros fora da sala de parto.

Barbosa-Leiker disse que os hospitais tinham políticas variadas, especialmente no início das medidas domiciliares, embora a recomendação agora seja manter bebês e mães juntos.

Durante o período da pesquisa, 27% das gestantes relataram incapacidade de obter alimentação saudável e 25% faltaram às consultas de pré-natal. As finanças também emergiram como uma questão substancial: 19% relataram ter sua renda reduzida; 9% foram demitidos e outros 10% relataram que alguém em sua casa havia perdido o emprego.

Na amostra da pesquisa, as gestantes pareciam estar mais estressadas do que as mulheres pós-parto que já haviam dado à luz, pois eram menos propensas a se envolver em comportamentos saudáveis de enfrentamento ao estresse, como se exercitar, tirar pausas das notícias e ter tempo para relaxar.

As grávidas dos EUA já enfrentam mais estressores do que muitos de seus pares em países industrializados. De acordo com um relatório de nove comitês de revisão da mortalidade materna, eles têm a maior taxa de mortalidade materna no mundo desenvolvido, e estressores sociais e ambientais contribuem para o risco de uma mulher americana morrer no primeiro ano de gravidez. Estudos anteriores também mostraram que as grávidas dos EUA têm níveis mais elevados de ansiedade e depressão em comparação com as holandesas, e níveis mais altos de estresse psicológico do que as mulheres britânicas – e isso foi antes do COVID-19.

Os resultados do recente estudo da WSU reforçam a necessidade de mais recursos e apoio às gestantes, especialmente durante a pandemia, disse Barbosa-Leiker.

"Os profissionais de saúde devem continuar a conversar com as mães sobre todos os seus estressores, pois sua saúde mental e bem-estar emocional são fundamentais durante esse tempo", disse ela. "Os provedores podem manter os recursos em mãos. Por exemplo, se eles souberem que há perda de emprego na família, eles podem encaminhá-los rapidamente para serviços de embrulho."


Outras pessoas também podem dar mais apoio, mas de forma fisicamente distante, disse Barbosa-Leiker, já que mulheres grávidas e novas mães expressaram muita culpa por manter parentes, especialmente avós, longe do recém-nascido.

"Ouvimos muito dos nossos participantes que eles estavam estressados porque tinham medo de ofender os familiares", disse ela. "Tendo em mente que os novos pais estão fazendo tudo o que podem para manter seu bebê e eles mesmos seguros e saudáveis, devemos realmente tentar apoiar os desejos dos pais sobre como eles querem lidar com os visitantes durante a pandemia."

Celestina Barbosa-Leiker – Washington State University“Stressors, coping, and resources needed during the COVID-19 pandemic in a sample of perinatal women” by Celestina Barbosa-Leiker, Crystal Lederhos Smith, Erica J. Crespi, Olivia Brooks, Ekaterina Burduli, Samantha Ranjo, Cara L. Carty, Luciana E. Hebert, Sara F. Waters & Maria A. Gartstein. BMJ Pregnancy and Childbirth

8 visualizações0 comentário