Pesquisadores estudam drogas centenárias em potencial nova abordagem ao autismo

Atualizado: 2 de Jul de 2021



Pequenos estudos clínicos randomizados relataram benefícios mensuráveis, mas transitórios, após uma única dose de suramina, destacando a nova teoria causadora e a necessidade de ensaios mais, maiores e mais longos

Em um pequeno e randomizado ensaio clínico da Fase I/II (SAT1), pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade da Califórnia em San Diego dizem que uma droga de 100 anos chamada suramina, originalmente desenvolvida para tratar a doença do sono africana, foi administrada com segurança para crianças com transtorno do espectro autista (TEA), que posteriormente apresentou melhora mensurável, mas transitória, nos sintomas centrais do autismo.