Proteínas sanguíneas podem ser a chave para uma vida longa e saudável




Pesquisadores identificaram duas proteínas sanguíneas que influenciam a saúde e a longevidade. O desenvolvimento de drogas para atingir essas proteínas pode ajudar a retardar o processo de envelhecimento.

Fonte: Universidade de Edimburgo

Duas proteínas sanguíneas foram mostradas pelos cientistas para influenciar o tempo e a saúde de uma vida que vivemos, sugere a pesquisa.

Desenvolver medicamentos que visam essas proteínas pode ser uma forma de retardar o processo de envelhecimento, de acordo com o maior estudo genético do envelhecimento.

À medida que envelhecemos, nossos corpos começam a diminuir depois que chegamos à idade adulta, o que resulta em doenças relacionadas à idade e morte. Esta última pesquisa investiga quais proteínas podem influenciar o processo de envelhecimento.

Muitos fatores complexos e relacionados determinam a taxa em que envelhecemos e morremos, e estes incluem genética, estilo de vida, ambiente e acaso. O estudo lança luz sobre o papel das proteínas nesse processo.

Algumas pessoas naturalmente têm níveis mais altos ou mais baixos de certas proteínas por causa do DNA que herdam de seus pais. Esses níveis de proteína podem, por sua vez, afetar a saúde de uma pessoa.

Pesquisadores da Universidade de Edimburgo combinaram os resultados de seis grandes estudos genéticos sobre o envelhecimento humano – cada um contendo informações genéticas sobre centenas de milhares de pessoas,

Entre as 857 proteínas estudadas, os pesquisadores identificaram duas que tiveram efeitos negativos significativos em várias medidas de envelhecimento.

As pessoas que herdaram o DNA que causa níveis elevados dessas proteínas eram mais frágeis, tinham uma saúde auto-avaliada mais pobre e eram menos propensas a viver uma vida excepcionalmente longa do que aquelas que não tinham.

A primeira proteína, chamada apolipoproteína(a) (LPA), é feita no fígado e pensa-se em desempenhar um papel na coagulação. Altos níveis de LPA podem aumentar o risco de aterosclerose – uma condição na qual as artérias ficam entupidas com substâncias gordurosas. Doenças cardíacas e derrame é um possível resultado.

A segunda proteína, a molécula de adesão de células vasculares 1 (VCAM1), é encontrada principalmente nas superfícies das células endoteliais – uma camada unicelular que re linese os vasos sanguíneos. A proteína controla a expansão e retração dos vasos – e funciona na coagulação sanguínea e na resposta imune.

Os níveis de VCAM1 aumentam quando o corpo envia sinais para indicar que detectou uma infecção, o VCAM1 então permite que as células imunes cruzem a camada endotelial, como visto para pessoas que têm níveis naturalmente baixos dessas proteínas.

Os pesquisadores dizem que os medicamentos usados para tratar doenças reduzindo os níveis de LPA e VCAM1 poderiam ter o benefício adicional de melhorar a qualidade e o tempo de vida.

Um exemplo é um estudo clínico que está testando um medicamento para diminuir o LPA como forma de reduzir o risco de doenças cardíacas.

Atualmente, não há ensaios clínicos envolvendo VCAM1, mas estudos em camundongos mostraram como anticorpos que reduzem o nível dessa proteína melhoraram a cognição durante a velhice.

As descobertas foram publicadas na revista Nature Aging.


O Dr. Paul Timmers, pesquisador-chefe da Unidade de Genética Humana da MRC na Universidade de Edimburgo, disse: "A identificação dessas duas proteínas-chave pode ajudar a estender os anos saudáveis de vida. Drogas que reduzem esses níveis de proteína em nosso sangue podem permitir que a pessoa média viva tão saudável e desde que indivíduos que ganharam na loteria genética e nascem com níveis geneticamente baixos de LPA e VCAM1."


O professor Jim Wilson, presidente de Genética Humana do Instituto Usher da Universidade de Edimburgo, disse: "Este estudo mostra o poder da genética moderna para identificar dois alvos potenciais para futuras drogas para prolongar a vida útil."


Mendelian randomization of genetically independent aging phenotypes identifies LPA and VCAM1 as biological targets for human aging” by Paul Timmers et al. Nature Aging


1.062 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo