top of page

Resenha do livro: Em 'We Are the Prey' os Breggins oferecem uma cura para nossos problemas coletivos




O livro do psiquiatra Peter Breggin e sua esposa jornalista Ginger Ross Breggin, "C-19 and the Global Predators: We are the Prey", ( C19 e os predadores globais, nós somos as presas, descreve as condições sociais subjacentes que eles acreditam que permitiram que oportunistas poderosos assumissem o controle durante a pandemia. Eles também recomendam métodos para que os cidadãos globais recuperem força e esperança.

Neste estudo perspicaz, os Breggins assumem muitos papéis, incluindo pesquisadores médicos, jornalistas investigativos, comentaristas políticos e profetas espirituais, mas eles estão no seu melhor quando estão analisando as condições sociais / econômicas contemporâneas. A dupla inteligentemente puxa as cortinas da propaganda da mídia para revelar o ataque bem planejado da elite global às classes baixa e média, usando a pandemia como pano de fundo.

Este não é apenas um livro sobre a COVID-19. O comentário de 541 páginas dos Breggins fornece uma estrutura para entender o colapso da burguesia e das pequenas empresas. Embora a COVID possa ter acelerado o processo de colapso financeiro, os Breggins afirmam que os "predadores" planejavam o caos econômico global e um subsequente sistema de controle tecnológico há décadas.


Quem são os predadores globais?


Enquanto os Breggins nomeiam os suspeitos de sempre, como Anthony Fauci, os Irmãos Koch e Bill Gates, o casal expande a lista para incluir "muitos governos e seus líderes", em particular o Partido Comunista Chinês, que eles chamam de "o maior predador totalitário do mundo", "as Nações Unidas e sua Organização Mundial da Saúde, a maioria das grandes corporações internacionais, incluindo a farmacêutica, empresas químicas, e agrícolas ... e os complexos militares-industriais".

Eles também sugerem que a maioria dos bilionários do mundo e várias instituições de ensino superior também podem estar envolvidos.

Esses predadores globais podem ser identificados através das seguintes tendências psicológicas de acordo com os escritores (que poderiam se aplicar a pessoas ou instituições): Uma negação flagrante dos danos que estão causando; uma racionalização dos danos cometidos; uma tendência a culpar e desumanizar suas vítimas, a ser grandioso e egocêntrico e a afirmar autoridade, poder e dominação; falta de empatia; uma negação de suas próprias vitimizações anteriores e uma alienação de suas próprias necessidades básicas; respostas raivosas e um sentimento de empoderamento através de suas explorações.


O que os predadores querem?


Embora a agenda dos predadores possa ser multifacetada, os Breggins afirmam que "suas políticas melhoram os ricos e drenam ou destroem os pobres, a classe trabalhadora e a classe média e média-alta".

Os Breggins acreditam que essa agenda foi "construída em todas as políticas e práticas de saúde pública" e inclui:

"A paralisação da economia; a repressão focalizada das pequenas empresas; a perturbação da vida familiar e social; a ruptura do nosso sistema educativo; a repressão focalizada de reuniões religiosas; o esmagamento das classes trabalhadora e média; a rejeição do patriotismo em favor das preocupações planetárias e a submissão forçada e o isolamento de nossos cidadãos com máscaras, separação física e isolamento, tornando-os passíveis de controle autoritário e totalitário".

Os predadores "não vêem nenhum valor inerente em humanos individuais e não valorizam a vida humana", afirmam os Breggins. Isso pode explicar o objetivo dos predadores de livrar a humanidade "de seus enfermos ou idosos".

Eles escrevem:

"Fechar pequenas empresas e instituições religiosas e encolher a força de trabalho durante a COVID-19, deixando abertas grandes empresas e governo, não foi um acidente do destino. Os predadores globais sempre tiveram a intenção de destruir esse coração conservador da América que prospera na responsabilidade pessoal, no individualismo, na independência, nas tradições sólidas, no patriotismo, na liberdade e em Deus.


Como evitar os predadores e manter um senso de esperança


Apesar de seus comentários desanimadores, os Breggins insistem que há uma saída para a desesperança deixada para trás na esteira da histeria da COVID:

"Construa sua vida em torno de relacionamentos confiáveis baseados em valores compartilhados ..."

"Inúmeras alternativas às instituições convencionais, globais e predatórias estão sendo desenvolvidas por pessoas que acreditam na responsabilidade pessoal, na autodeterminação, na liberdade pessoal, no sonho americano e na liberdade política... Precisamos refazer o futuro."

Vale a pena ler este livro – completamente abrangente em seu escopo. Se um leitor optar por se concentrar nos aspectos de saúde da pandemia ou nas repercussões políticas, o material pode atrair uma grande variedade de leitores.


161 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page