THC fica no leite materno por seis semanas



O THC permanece presente no leite materno até seis semanas após uma mulher se abster do consumo de maconha.

Em um novo estudo publicado na JAMA Pediatrics,pesquisadores do Hospital Infantil Colorado (Infantil Colorado) descobriram que o tetrahidrocanabinol (THC), o componente psicoativo da maconha, permanece no leite materno por até seis semanas, apoiando ainda mais as recomendações da Academia Americana de Pediatria, do American College of Obstetricians and Gynecologists e da Academia de Medicina de Amamentação para abster-se do uso de maconha durante a gravidez e enquanto uma mãe está amamentando.

Este é o primeiro estudo que examina o THC no leite materno e no plasma entre mulheres com uso conhecido de maconha na gravidez desde um estudo de 1982 no New England Journal of Medicine.

"Com a crescente utilização da maconha na sociedade como um todo, estamos vendo mais mães que usam maconha durante a gravidez", disse Erica Wymore, MD, MPH, pesquisadora primária, neonatologista do Children's Colorado e professora assistente de pediatria na Faculdade de Medicina da Universidade do Colorado no Campus Médico anschutz.

"No entanto, dada a falta de dados científicos sobre quanto tempo o THC persiste no leite materno, foi desafiador fornecer às mães uma resposta definitiva sobre a segurança do uso da maconha durante o aleitamento materno e simplesmente 'bombeamento e despejo' até que o THC não fosse mais detectável em seu leite. Com este estudo, buscamos compreender melhor essa questão, determinando a quantidade e duração da excreção de THC no leite materno entre mulheres com uso conhecido de maconha pré-natal."

Os pesquisadores estudaram mulheres com uso de maconha pré-natal que deram à luz seus bebês no Hospital Infantil colorado e na Universidade do Colorado da UCHealth entre 1º de novembro de 2016 e 30 de junho de 2019. Especificamente, pesquisadores recrutaram mulheres que:

· Tinha histórico de uso de maconha durante a gravidez/um teste de urina positivo para THC quando admitido para o parto

· Tinham mais de 18 anos

· Tinha a intenção de amamentar

· Estavam dispostos a abster-se do uso de maconha por seis semanas após o parto

· Estavam dispostos a fornecer amostras de leite, sangue e urina durante essas seis semanas

Das 394 mulheres que foram examinadas, 25 se inscreveram. Sete dessas mulheres foram capazes de se abster do uso de maconha durante a duração do estudo. As razões listadas para a incapacidade dos outros de abster-se incluíam estresse, sono e alívio da dor.

O estudo constatou que, enquanto as concentrações de THC variavam de mulher para mulher (provavelmente dependendo do seu nível de uso, IMC e metabolismo), o THC foi excretado no leite materno dessas sete mulheres por até seis semanas. Na verdade, todas as mulheres ainda apresentavam níveis detectáveis de THC no leite materno ao final do estudo.

Este estudo forneceu uma visão inestimável do tempo que uma mulher leva para metabolizar o THC em seu corpo após o nascimento, mas também nos ajudou a entender por que as mães usam maconha em primeiro lugar, disse Maya Bunik, MD, MPH, pesquisadora sênior, diretora médica da Clínica de Saúde da Criança e da Clínica de Gestão de Amamentação do Colorado infantil e professora de pediatria na Faculdade de Medicina da.


"Para limitar os efeitos desconhecidos do THC no desenvolvimento do cérebro fetal e promover o aleitamento materno seguro, é fundamental enfatizar a abstenção da maconha tanto no início da gravidez quanto no pós-parto. Para ajudar a incentivar a abstenção bem-sucedida, precisamos olhar – e melhorar – o sistema de apoios que oferecemos às novas mães."

Estudos longitudinais da década de 1980 mostraram que crianças nascidas de mães que usaram maconha durante a gravidez experimentaram problemas de longo prazo com o funcionamento cognitivo e executivo, incluindo impulsividade, bem como déficits na aprendizagem, atenção sustentada e habilidades de resolução de problemas visuais.

"Este estudo não foi sobre o impacto que a maconha tem sobre os bebês, mas estamos preocupados", disse Wymore. "Especialmente quando consideramos que a maconha de hoje é cinco a seis vezes maior em potência do que o que estava disponível antes da recente legalização da maconha em muitos estados."

Financiamento: Este estudo foi financiado pelo Departamento de Saúde Pública e Meio Ambiente do Colorado (Bolsa de Pesquisa em Saúde Pública da Maconha 2902) e um microgrant do Hospital Infantil Colorado Research Institute e recebeu apoio do Centro de Cuidados Fetais do Colorado e do Centro de Pesquisa Clínica e Translacional do Colorado Perinatal.

“Persistence of Δ-9-Tetrahydrocannabinol in Human Breast Milk” by Erica Wymore, MD, MPH et al. JAMA Pediatrics


6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo