Um período reprodutivo mais longo poderia colocar as mulheres em maior risco para a d. Alzheimer




A incidência de DA está aumentando rapidamente por causa do envelhecimento populacional, por isso vários estudos têm sido realizados para identificar outros fatores de risco, especialmente aqueles que podem explicar quaisquer diferenças sexuais


Períodos reprodutivos mais longos em mulheres com maior duração de estrogênio endógeno foram ligados a níveis mais elevados de biomarcadores de Alzheimer no fluido cefalorraquidiano.

Fonte: NAMS

Acredita-se que o estrogênio tenha um papel no risco de uma mulher desenvolver a doença de Alzheimer (DA). Um novo estudo adotou uma abordagem diferente para identificar fatores de risco para a DA, examinando a associação entre o tempo de vida reprodutiva da mulher como um indicador de exposição endógena de estrogênio e níveis de biomarcadores de fluidos cefalorraquidianos.

Os resultados do estudo são publicados online na Menopausa.

A doença de Alzheimer representa de 60% a 70% de todos os diagnósticos de demência, tornando-a a forma mais comum de demência. Aproximadamente dois terços dos que têm AD são mulheres. Isso não é surpreendente, porque a idade é o maior fator de risco conhecido para a DA, e as mulheres tendem a viver mais do que os homens.


A incidência de DA está aumentando rapidamente devido ao envelhecimento populacional, por isso vários estudos têm sido realizados para identificar outros fatores de risco, especialmente aqueles que podem explicar quaisquer diferenças sexuais. Estudos anteriores mostraram uma ligação entre os níveis sanguíneos estradiol mais altos e inferiores e o risco de demência, enquanto outros não identificaram associações.

Alguns estudos mostraram que a hormonioterapia após a menopausa pode aumentar o risco de demência, mas outros documentaram um risco reduzido. Da mesma forma, o declínio cognitivo tem sido associado a períodos reprodutivos mais longos e mais curtos.

Apesar de todas as evidências conflitantes, poucos, se houver, estudos examinaram a associação entre estrogênio e biomarcadores para DC em fluido cefalorraquidiano, o fluido corporal claro encontrado dentro dos tecidos ao redor do cérebro e da medula espinhal. Neste novo estudo, uma pequena amostragem de mulheres livre de demência e submetidas à menopausa natural foram acompanhadas por 25 anos.

Com base nos resultados das amostras de fluidos cefalorraquidianos, os pesquisadores concluíram que uma vida reprodutiva mais longa estava associada ao aumento dos níveis de biomarcadores da AD na fase pré-clínica da doença; no entanto, sugeriram que estudos maiores deveriam ser realizados para confirmar esses achados.

Os resultados do estudo aparecem no artigo "Período reprodutivo e marcadores de fluidos cerebrospinais pré-clínicos para a doença de Alzheimer: um estudo de 25 anos".

"Este pequeno estudo de base populacional mostrou associação entre a duração da vida reprodutiva (marcador substituto para exposição ao estrogênio endógeno) e biomarcadores da doença de Alzheimer no fluido cefalorraquidiano de mulheres sem demência. Esse achado precisa ser confirmado em estudos maiores, mas pode ser outro fator que contribui para o aumento da carga da doença de Alzheimer em mulheres que, pelo menos em parte, provavelmente se relaciona com o envelhecimento e a maior expectativa de vida das mulheres em comparação com os homens", diz a Dra. Stephanie Faubion, NAMS diretora médica.


Eileen Petridis – NAMS


249 visualizações0 comentário