Uma nova teoria de como as memórias são armazenadas no cérebro



A teoria é baseada na descoberta de moléculas de proteínas, conhecidas como talina, contendo domínios "semelhantes a interruptores" que mudam de forma em resposta a pressões em força mecânica pela célula


Uma nova teoria da memória visualiza o cérebro como um super-computador orgânico que executa código binário complexo com neurônios agindo como computadores mecânicos. A teoria é baseada na descoberta da molécula de proteína, talina, que contém domínios semelhantes a interruptores que mudam de forma em resposta à pressão em força mecânica por uma célula.

Pesquisas da Universidade de Kent levaram ao desenvolvimento da teoria MeshCODE, uma nova teoria revolucionária para entender a função cerebral e de memória. Essa descoberta pode ser o início de uma nova compreensão da função cerebral e no tratamento de doenças cerebrais como o Alzheimer.

Em um artigo publicado pela Frontiers in Molecular Neuroscience,o Dr. Ben Goult, da Escola de Biociências de Kent, descreve como sua nova teoria vê o cérebro como um supercomputador orgânico executando um complexo código binário com células neuronais trabalhando como um computador mecânico.

Ele explica como uma vasta rede de moléculas de memória que armazenam informações operando como interruptores é incorporada em cada sinapse do cérebro, representando um complexo código binário. Isso identifica um local físico para armazenamento de dados no cérebro e sugere que memórias são escritas na forma de moléculas nos andaimes sinápticos.

A teoria é baseada na descoberta de moléculas de proteínas, conhecidas como talina, contendo domínios "semelhantes a interruptores" que mudam de forma em resposta às pressões em força mecânica pela célula. Estes switches têm dois estados estáveis, 0 e 1, e este padrão de informações binárias armazenadas em cada molécula depende de entrada anterior, semelhante à função Save History em um computador. As informações armazenadas neste formato binário podem ser atualizadas por pequenas alterações em vigor geradas pelo citoesqueleto da célula.

No cérebro, a sinalização eletroquímica entre trilhões de neurônios ocorre entre as sinapses, cada uma delas contém um andaime das moléculas de talina. Uma vez assumida como estrutural, esta pesquisa sugere que o trabalho de malha de proteínas talin realmente representam uma matriz de interruptores binários com o potencial de armazenar informações e codificar memória.

Esta codificação mecânica funcionaria continuamente em todos os neurônios e se estenderia para todas as células, totalizando um código de máquina coordenando todo o organismo. Desde o nascimento, as experiências de vida e as condições ambientais de um animal poderiam ser escritas neste código, criando uma representação matemática constantemente atualizada de sua vida única.

Dr. Goult, um leitor de bioquímica, disse: "Esta pesquisa mostra que, em muitos aspectos, o cérebro se assemelha aos primeiros computadores mecânicos de Charles Babbage e seu Motor Analítico. Aqui, o citoesqueleto serve como alavancas e engrenagens que coordenam a computação na célula em resposta à sinalização química e elétrica. Como esses primeiros modelos de computação, essa descoberta pode ser o início de uma nova compreensão da função cerebral e no tratamento de doenças cerebrais."

Sam Wood – University of Kent


19 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo