Vacinação aumenta risco de infecção por COVID-19, mas infecção sem vacinação dá imunidade: estudo



Por Marina Zhang

Ter duas doses de uma vacina COVID-19 foi associado à proteção negativa contra infecção sintomática com a doença, dizem os cientistas, enquanto uma infecção anterior sem vacinação oferece cerca de 50% de imunidade, de acordo com um estudo que analisou a onda Omicron no Catar.

O estudo, publicado no New England Journal of Medicine em 15 de junho, analisou a onda Omicron no Catar que ocorreu entre dezembro de 2021 e fevereiro de 2022, comparando as taxas de vacinação e imunidade entre mais de 100.000 indivíduos infectados e não infectados por Omicron.

Os autores do estudo descobriram que aqueles que tiveram uma infecção anterior, mas sem vacinação, tinham imunidade de 46,1% e 50% contra os dois subvariantes da variante Omicron, mesmo em um intervalo de mais de 300 dias desde a infecção anterior.

No entanto, indivíduos que receberam duas doses da vacina Pfizer e Moderna, mas não tiveram infecção anterior, foram encontrados com imunidade negativa contra subvariantes de Omicro BA.1 e BA.2, indicando um risco aumentado de contrair COVID-19 do que uma pessoa média.

Mais de seis meses depois de receber duas doses da vacina Pfizer, a imunidade contra qualquer infecção por Omicron caiu para -3,4%.

Mas para duas doses da vacina Moderna, a imunidade contra qualquer infecção por Omicron caiu para -10,3% após mais de seis meses desde a última injeção.

Embora os autores tenham relatado que três doses da vacina Pfizer aumentaram a imunidade para mais de 50%, esta foi medida pouco mais de 40 dias após a terceira vacinação, o que é um intervalo muito curto. Em comparação, a imunidade natural persistiu em torno de 50% quando medida mais de 300 dias após a infecção anterior, enquanto os níveis de imunidade caíram para números negativos 270 dias após a segunda dose da vacina.

Esses números indicam o risco de diminuição da imunidade para a terceira dose da vacina à medida que o tempo avança.

Os achados são apoiados por outro estudo recente de Israel que também descobriu que a imunidade natural diminuiu significativamente mais lentamente em comparação com a imunidade artificial, ou vacinada.

O estudo constatou que tanto a imunidade natural quanto a artificial diminuíram com o tempo.

Indivíduos previamente infectados, mas não vacinados, apresentaram metade dos riscos de reinfecção em comparação com aqueles que foram vacinados com duas doses, mas não infectados.

"A imunidade natural ganha novamente", escreveu no Twitter o Dr. Martin Adel Makary, pesquisador de políticas públicas da Universidade Johns Hopkins, referindo-se ao estudo israelense.

"Entre as pessoas que haviam sido infectadas anteriormente pelo SARS-CoV-2, a proteção contra a reinfecção diminuiu à medida que o tempo aumentava", concluíram os autores, "no entanto, essa proteção foi maior" do que a proteção conferida no mesmo intervalo de tempo através de duas doses da vacina.

The new england journal of medicine Original Article

Effects of Previous Infection and Vaccination

on Symptomatic Omicron Infections

Heba N. Altarawneh, M.D., Hiam Chemaitelly, Ph.D., Houssein H. Ayoub, Ph.D., Patrick Tang, M.D., Ph.D., Mohammad R. Hasan, Ph.D., Hadi M. Yassine, Ph.D., Hebah A. Al-Khatib, Ph.D., Maria K. Smatti, M.Sc., Peter Coyle, M.D., Zaina Al-Kanaani, Ph.D., Einas Al-Kuwari, M.D., Andrew Jeremijenko, M.D., Anvar H. Kaleeckal, M.Sc., Ali N. Latif, M.D., Riyazuddin M. Shaik, M.Sc., Hanan F. Abdul-Rahim, Ph.D., Gheyath K. Nasrallah, Ph.D., Mohamed G. Al-Kuwari, M.D., Adeel A. Butt, M.B., B.S., Hamad E. Al-Romaihi, M.D., Mohamed H. Al-Thani, M.D., Abdullatif Al-Khal, M.D., Roberto Bertollini, M.D., M.P.H., and Laith J. Abu-Raddad, Ph.D.

ABSTRACT

BACKGROUND

The protection conferred by natural immunity, vaccination, and both against symp- tomatic severe acute respiratory syndrome coronavirus 2 (SARS-CoV-2) infection with the BA.1 or BA.2 sublineages of the omicron (B.1.1.529) variant is unclear.

METHODS

We conducted a national, matched, test-negative, case–control study in Qatar from December 23, 2021, through February 21, 2022, to evaluate the effectiveness of vac- cination with BNT162b2 (Pfizer–BioNTech) or mRNA-1273 (Moderna), natural im- munity due to previous infection with variants other than omicron, and hybrid im- munity (previous infection and vaccination) against symptomatic omicron infection and against severe, critical, or fatal coronavirus disease 2019 (Covid-19).

RESULTS

The effectiveness of previous infection alone against symptomatic BA.2 infection was 46.1% (95% confidence interval [CI], 39.5 to 51.9). The effectiveness of vac- cination with two doses of BNT162b2 and no previous infection was negligible (−1.1%; 95% CI, −7.1 to 4.6), but nearly all persons had received their second dose more than 6 months earlier. The effectiveness of three doses of BNT162b2 and no previous infection was 52.2% (95% CI, 48.1 to 55.9). The effectiveness of previous infection and two doses of BNT162b2 was 55.1% (95% CI, 50.9 to 58.9), and the effectiveness of previous infection and three doses of BNT162b2 was 77.3% (95% CI, 72.4 to 81.4). Previous infection alone, BNT162b2 vaccination alone, and hybrid immunity all showed strong effectiveness (>70%) against severe, critical, or fatal Covid-19 due to BA.2 infection. Similar results were observed in analyses of effective- ness against BA.1 infection and of vaccination with mRNA-1273.

CONCLUSIONS

No discernable differences in protection against symptomatic BA.1 and BA.2 infec- tion were seen with previous infection, vaccination, and hybrid immunity. Vaccina- tion enhanced protection among persons who had had a previous infection. Hybrid immunity resulting from previous infection and recent booster vaccination conferred the strongest protection. (Funded by Weill Cornell Medicine–Qatar and others.)

n engl j med nejm.org

The authors' affiliations are listed in the Appendix. Dr. Chemaitelly can be contact- ed at hsc2001@qatar-med.cornell.edu or at Weill Cornell Medicine–Qatar, P.O. Box 24144, Qatar Foundation, Education City, Doha, Qatar. Dr. Abu-Raddad can be contacted at lja2002@qatar-med .cornell.edu or at Weill Cornell Medicine– Qatar, P.O. Box 24144, Qatar Foundation, Education City, Doha, Qatar.

This article was published on June 15, 2022, at NEJM.org.

DOI: 10.1056/NEJMoa2203965

Copyright © 2022 Massachusetts Medical Society.



2.039 visualizações0 comentário