Vacinar em meio a Pandemia : Riscos e Benefícios



Introdução:


Até agora, ninguém forneceu qualquer tipo de evidência cientifica ou racional que a intervenção humana maciça (ou seja, global implementation of infection prevention measures vaccinations) na pandemia Covid-19 levará a uma diminuição nas taxas de mortalidade e morbidade no ser humano. Essas intervenções humanas em larga escala têm sido imitadas sem prestar atenção à dinâmica populacional de uma pandemia natural causada por infecções virais agudas (auto-limitantes).

O melhor exemplo de tal pandemia natural é provavelmente a pandemia H1N1Infuenza que ocorreu durante a Primeira Guerra Mundial . O curso natural desta pandemia infuenza não foi distorcido por ampla propagação implementação de mediadas de prevenção em massa. A pandemia foi caracterizada por 3 ondas antes do vírus se tornar endêmico. Como podemos considerar intervir em uma pandemia natural sem qualquer compreensão básica da interação evolutiva entre o vírus e o estado imunológico da população? A higiene/ contenção não informada e intervenções imunológicas correm o risco de perturbar a dinâmica natural de uma pandemia e, portanto, para evitar que o vírus e a defesa imunológica da população se comprometam a fazer um compromisso que seja "viável" tanto para o vírus quanto para o sistema imunológico, e que naturalmente segue as 3 ondas de mortalidade e morbidade. Quando o vírus finalmente chegar a um acordo com o sistema imunológico, a imunidade do rebanho impedirá que o vírus cause uma nova sequência de ondas de morbidade e mortalidade, enquanto é falho o suficiente para não erradicar o vírus. Qualquer intervenção sobre isso aumenta a pressão imunológica da população sobre o vírus sem erradicar o vírus inevitavelmente levará a uma fuga viral seletiva (veja abaixo).

A fuga imunológica viral seletiva é, por exemplo, conhecida por ocorrer quando a capacidade de neutralização de anticorpos soros específicos Ag (antígeno)não aparece para eliminar totalmente vírus altamente mutáveis (por exemplo, Coronavirus; CoV) por falta de concentração ou afinidade. Devido às medidas de prevenção de infecções em larga escala implementadas desde o início da pandemia, a replicação viral e a propagação têm ocorrido cada vez mais em um contexto de alta pressão imunológica e, portanto, levaram à fuga imunológica viral. As variantes infecciosas que começaram a surgir no final de 2020 são uma consequência direta das medidas tomadas para evitar que o vírus se espalhe.


Curso natural de uma pandemia causada por infecção viral aguda.


Tem uma primeira onda de doença ( mortalidade) que afeta principalmente idosos (ou, mais geralmente, indivíduos com imunidade inata fraca). O aumento da propagação viral faz com que essa onda se transforme em uma mais grave, segunda onda em faixas etárias mais jovens. Posteriormente, em declínio de títulos de anticorpos em sujeitos soropositivos (ou seja, aqueles que se recuperaram da doença contraída durante a primeira onda)e aumento da pressão infecciosa desencadeará uma terceira onda afetando ambas as faixas etárias. Este terceira onda de doença (e mortalidade) chega ao fim quando aqueles que estão se recuperando do doença vão montar Anticorpos Funcionais contra a tensão viral circulantes. O vírus tem, de fato, não tem chance de provocar uma onda adicional de morbidade e mortalidade em pessoas previamente infectadas cujos Títulos de Anticorpos, entretanto, começou a diminuir.

Por causa de memória imunológica, a soroconversão neste segmento populacional ocorrerá muito rápido, enquanto aqueles com Suficiente imunidade inata continuará resistir à doença. Isso quer dizer que após a 3ª onda de uma pandemia natural, a propagação viral irá dramaticamente diminuir como resultado de uma Imunidade de Rebanho Forte, consistindo de ambas Imunidade Inata e Adquirida. Interessante notar que durante uma pandemia natural (ou seja, sem Intervenção humana), não há necessidade do vírus selecionar Mutações que torná-lo mais Infeccioso.

É razoável assumir que CoV pode persistir no população apesar da imunidade do rebanho. Indivíduos sintomáticos isto é, infectados, podem espalhar o vírus após reinfeção quando seus Anticorpos séricos neutralizadores não são mais altos o suficiente para reduzir a Replicação Viral na mucosa portal de Entrada. Sujeitos infectados previamente (ou seja, a grande maioria dos jovens e pessoas de meia-idade) também podem transmitir vírus em reinfecção. Então, neste ponto a PANDEMIA CHEGOU AO FIM, O VÍRUS CONTINUA PARA SE ESPALHAR NO POPULAÇÃO, CAUSANDO assim Infeção endêmica.


No entanto, como enquanto a maioria da população descarta títulos de anticorpos S-específicos ou Anticorpos naturais (ou seja, imunidade de rebanho!), ondas de mortalidade e morbidade não mais ocorrem.


PORTADORES ASSINTOMÁTICOS:


Infecção por Covid em portadores assintomáticos é revogada depois de um curto período de contaminação viral. O que ocorre nesses sujeitos é através da ativação de células NK, que mais tarde são capazes de reconhecer Cov-associado a Padrões Antígeno-Inespecífico na superfície do CoV-infectado. Para efeitos deste manuscrito, 'doença' refere-se à doença grave covid-19 com envolvimento de vias respiratórias inferiores . Para o propósito deste manuscrito, infecção 'Assintomática' refere-se ao CoV Infeção que não cause sintomas clinicamente relevantes ou apenas cause um nível leve de doença (ou seja, apenas envolvendo vias respiratórias superiores)células alvo epitelial. Como matar por células NK não é Antígeno específico , este mecanismo imunológico não é suscetível a Seletiva fuga imunológica.


PRESSÃO IMUNOLÓGICA SELETIVA E FUGA IMUNOLÓGICA OCORREM COMO RESULTADO DA INTERVENÇÃO HUMANA EM LARGA ESCALA À PANDEMIA,

É qualquer intervenção na pandemia que diretamente (por exemplo, através de campanhas de imunização em massa) ou indiretamente (ou seja, através de medidas de prevenção de infecções) exerce pressão significativa sobre a infectividade viral (e, portanto, exerce pressão seletiva sobre a proteína spike [S]) permitirá que o vírus para escapar sempre que ele é exposto a Abs específico S que são subótimos, seja em concentração ou afinidade. Isso inevitavelmente será permitir que o vírus para rapidamente se desdobrar mais infeccioso, muta em variantes de fuga imunológicas. Campanha de Vacinação em Massa conduzido depois de um período prolongado de medidas de prevenção de infecções aumentarão drasticamente a pressão sobre a infecciosidade viral por causa da ampla pressão imunológica seletiva sobre a proteína S (devido a Anticorpo- S-Específico ). Tal pressão imune adicional de seleção, especialmente quando exercido durante a segunda onda provável que a pandemia de COV precipite e amplie a fuga imunológica viral. É razoável assumir que a pressão seletiva cumulativa sobre a infecciosidade viral pode causar a segundo e a terceira onda da pandemia para aumentar drasticamente e se fundir em uma onda ainda muito maior de doenças e mortes que, em última análise, afetará todas as camadas da população (possivelmente, com exceção de crianças pequenas).

As atuais campanhas de vacinação em massa cumprem as condições acima mencionadas para situações dramáticas, com o aprimoramento da fuga Seletiva S-imune. Quando conduzida no meio de uma pandemia, campanhas de vacinação em Massa (usando as vacinas Covid-19 atuais) exercem uma enorme quantidade de pressão sobre as cepas de vírus circulantes. No entanto, como a proteína S(spike) composta dentro das vacinas atuais não corresponde adequadamente ao S proteína das variantes "pré-selecionadas", altamente infecciosas e como as mais recentes se tornaram agora dominantes, o uso dessas vacinas em campanhas de vacinação em massa fará inevitavelmente acelerar o surgimento de variantes de fuga imune ainda mais infecciosas. Isso é, porque o número de receptores de vacinas que estão em processo de soroconversão, enquanto já estão expostos ao vírus aumentará drasticamente.

Assim, isso leva a infecção viral na presença de uma sub ótima resposta imune. Reinfecção viral na presença de respostas imunes sub ótimas/imaturas também pode ocorrer em receptores de vacina que estão esperando sua segunda dose de uma vacina ou cujo corpo vacinal não reconhece totalmente a 'edição' S(spike) das Variantes do SarsCov2. Vacinação de sujeitos que são soropositivos como resultado da doença natural covid-19 pode ter substancialmente prolongados Titulos de Anticorpos S-específicos . Esses sujeitos podem, portanto, servir como um reservatório para fuga imunológica sustentada. Quanto mais a proteína S do vírus torna-se imuno pressurizada, quanto mais selecionará mutações de fuga que convergem para o domínio de ligação receptora (RBD) da proteína S (como essas são obviamente mais eficazes na fuga de anticorpos induzidos por vacina), isso vai inevitavelmente levar a resistência completa de variantes Covid-19 para qualquer uma das vacinas atuais e, portanto, aumentar ainda mais a infecciosidade viral.

Ao longo do mesmas linhas de raciocínio, não é impensável que o vírus, mais uma vez, cruze barreiras. Não se pode definitivamente descartar que com o crescimento da seleção imuno-mediada de variantes de vírus, Sars-cov2 finalmente será capaz de saltar para outras espécies animais, especialmente animais industriais (por exemplo, fazendas intensivas de suínos e aves com alta densidade de estocagem) como essas espécies já são conhecidas por hospedar vários coronavírus diferentes e variabilidade/mutações na própria proteína de pico, e particularmente no RBD, são conhecidas por serem responsáveis por mudanças no tropismo hospedeiro/ suscetibilidade. Semelhante à situação com o vírus da gripe, esses animais espécies poderiam então constituir um reservatório para o vírus SARS-COV2.

Dependendo da prevalência de animal circulante CoVs nessas fazendas (e, portanto, o nível de imunidade treinada), aqueles animais poderiam agora servir como portadores assintomáticos, constituindo assim uma ameaça séria para a vacinação em Massa à margem da imunidade variante-inespecífica em indivíduos jovens e saudáveis anticorposo específicos, alta afinidade Abs( anticorpos) induzidos por qualquer uma das vacinas atuais vai superar a imunidade natural, amplamente protetor natural Anticorpos IgMs como mais tarde apenas se ligam com baixa afinidade com o pico da proteína de Covid-19. Mesmo que a afinidade de Anticorpos S-Específicos induzidos por essas vacinas não pode, mais Superfície para evitar a vinculação mediada por S das variantes Covid-19 ao RBD de CoV, eles podem Ainda serem capaz de dificultar a vinculação de sIgM. Isso é, porque sIgM Abs natural têm baixo afinidade para proteína S (apesar de sua alta avidez para a superfície do vírus). A supressão que se seguiu da resposta imune inata será particularmente afetar resistência natural de faixas etárias mais jovens que - graças a um sistema imunológico inato bem treinado - resistiu à doença de Covid-19 durante o Primeira Onda.

Durante o curso natural de uma pandemia, a supressão do sistema imune inato e, portanto, potencialmente reforçada susceptibilidade à doença, em anteriormente assintomáticos infectados (principalmente as faixas etárias mais jovens) é apenas de curta duração, pois eles só experimentam um momentâneo aumento em anticorpos S-Específicos depois da Infeção.

Sua Vacinação, no entanto, levará a ao longo da supressão vivida de seu sistema imunológico inato, enquanto oferecendo apenas limitado ou nenhuma proteção contra a doença causada por Variantes altamente infecciosas. Isso é, portanto, razoável para assumir que Vacinação de pessoas jovens e saudáveis vai inevitavelmente levar a longa vida supressão de sua variante-Não Específica, defesa imunológica inata no portal mucosal de entrada sem oferecer uma Proteção Adaptável a resposta imune Natural ou Inata. Essas faixas etárias podem, portanto, se enfrentando um aumento prolongado da suscetibilidade à infecção sintomática e contaminações serão, facilmente acometidos, quando exposto a variantes mais infecciosas.

Como S-Específico as respostas imunológicas têm memória imunológica, o "programa" imunológico impresso da geração Anticorpo específica de S e, portanto, a supressão imunológica inata, será lembrada em cada próximo encontro com covid-19 cepas, ou mesmo com cepas coV em geral (um fenômeno conhecido como 'código antigênico). Isso corre o risco de induzir um estado persistente de aumento suscetibilidade à doença associada ao CoV em receptores de vacinas. Além disso, campanhas de vacinação em Massa também terão consequências graves para aqueles que ficaram vacinados primeiro (principalmente os idosos, pessoas com doença subjacente ou aqueles que são sabidamente imunocomprometidos. Neste caso é altamente provável que a vacinação em massa resultará em breve, em resistência viral às vacinas, essas pessoas não terão nenhum braço de sua imunidade deixado para confiar. Em contraste com o vírus infeccioso circulante, vacinas atuais ou não contêm qualquer célula Natural Killers ( NK) ou deixar de ativar as células assassinas dedicadas. Ela vai, portanto, sem dizer que, vacina induz respostas imunes, resultarão inevitavelmente em um dramático aumento das taxas de morbi-mortalidade em todos os vacinados.

A população quando exposta às Variantes Altamente Infecciosas Covid-19 sofrem um impacto de continua infeção. Medidas de Prevenção em não-vacinados, anteriormente assintomáticos e por isso tiveram insuficiente exposição a Cepas circulantes CoV (por exemplo, devido a medidas de contenção rigorosas) enfraquecerão cada vez mais sua imunidade inata de mucosa por falta de treinamento. Mais uma vez, isso é particularmente relevante para aqueles que mesmo com a sua suficiente e eficaz defesa imunológica inata adequada – foi poupado com uma Infeção assintomática, durante a Primeira Onda. Para estas pessoas, medidas de prevenção estão cada vez mais comprometendo sua imunidade inata e tornando-os mais suscetíveis aos casos mais graves. Isso vem em cima da probabilidade crescente de que estes sujeitos saudáveis ficarão expostos ao vírus enquanto experimentam uma onda de curta duração em S-Específico Abs (por causa da abundância atual de mais tensões infecciosas).

Então, em segmento de não-vacinados, anteriormente assintomáticos, ou seja, sujeitos saudáveis infectados podem agora acabar com relativo aumento das taxas de morbidade e mortalidade, independentemente do tipo de variante que eles ficarem expostos.

Isto quer dizer que a sustentação de medidas de prevenção amplas só vai amplificar as consequências já prejudiciais da massa em curso nas Campanhas de Vacinação. Isso se observa no segmento idoso e imunologicamente vulnerável. Isso é, também conhecido como Imprinting antigênico, refere-se à propensão do sistema imunológico do corpo a preferencialmente utilizar memória imunológica baseada em uma Infeção prévia, quando uma segunda versão ligeiramente diferente desse patógeno (por exemplo, um vírus ou bactéria) é encontrada na população.

É, portanto, razoável supor que – mesmo em pessoas saudáveis e não vacinadas e faixas etárias mais jovens , a vacinação em massa no segmento idoso e vulnerável do população, combinada com medidas de contenção, levará às taxas de morbidade e mortalidade explodirem. Vacinação de idosos e imunes comprometidos (vulneráveis) seguidos de vacinação de faixas etárias mais jovens, anteriormente assintomáticas infectadas, como mencionado acima, as campanhas de vacinação em massa neste grupo se deteriorariam drasticamente. A situação agrave porque, como eles vão levar a um aumento rápido e maciço no número de assintomáticos, devido ao fato de que estão em processo de soroconversão, em um ambiente altamente infeccioso, tornam-se, portanto, suscetíveis a doenças graves e propensos a promover a fuga imunológica viral. Para as razões mencionadas acima, vacinação dos jovens e anteriormente assintomática população infectada faria a situação muito pior em que este população seria vítima de uma onda de morbidade catastrófica e mortalidade. Vacinação covid-19 e imunidade de rebanho tão grande quanto campanhas de vacinação em escala combinadas com a implementação sustentada de várias medidas de contenção só agilizarão a ocorrência de mutações de fuga viral direcionadas ao S, a esperança ilusória de que as vacinas Covid-19 atuais poderiam gerar imunidade de rebanho deve ser de uma vez por todas serem excluídas. No contrário, contágio e transmissão de variantes altamente infecciosas devido à capacidade de neutralização insuficiente do Abs vacinal estão cada vez mais virando vacina receptores em espalhadores de vírus assintomáticos. Esses vão constituir em uma fonte substancial de infecção para segmentos não imunizados da população em vez de (indiretamente) protegê-los. Entretanto há um amplo consenso de que – ao contrário da imunização da população durante o curso natural de uma pandemia – campanhas de vacinação em massa em andamento nunca terão sucesso na geração de imunidade de rebanho suficiente para trazer a pandemia sob controle.




CONCLUSÃO:

A combinação de vacinação em massa (uso de vacinas atuais) e medidas de prevenção de infecção , é uma receita para um desastre global de saúde. Seguindo a ciência, é preciso concluir que todas as faixas etárias (possivelmente com exceção de crianças pequenas) serão fortemente afetados e sujeitos a taxas de morbidade e mortalidade que aumentam muito mais rápido e muito mais alto do que os esperados para ocorrer durante o curso natural de uma pandemia de CoV.

Isso se aplicará particularmente se a sequência de vacinas em massa após a primeira onda infecciosa for paralela à da infecção natural (ou seja, pessoas imunocomprometidas e idosos, seguidas pelas faixas etárias mais jovens). A vacinação em massa no calor de uma pandemia que agora é dominada por uma infinidade de variantes altamente infecciosas é particularmente prejudicial, pois essas variantes facilmente escapam para espaços específicos de S induzidos por vacinas, enquanto ainda é capaz de superar a variante-inespecífica anticorpos naturais bloqueiam o Covid-19 (variantes), privando assim os indivíduos de sua amplamente protetora, linha (vida) natural de defesa imunológica contra Covid-19 (variantes) em particular as CoVs em geral.

Ninguém, aliás, deve ser concedido o direito de implementar medidas farmacológicas em larga escala e intervenções imunológicas não-farmacológicas durante uma pandemia viral sem ter obtido uma compreensão aprofundada da patogênese imunológica do vírus e da população afetada. É fundamental se de forma intrínseca sobre as dinâmicas de infecção e imunidade que resultam naturalmente da introdução de um novo vírus em uma grande parte da população humana.

Quando se segue a ciência, e nada além da ciência, torna-se extremamente difícil não rotular as campanhas de vacinação em massa em curso como um erro maciço, não só para a saúde pública, mas também para a saúde individual.

A comprovação do raciocínio apresentado acima pode ser extraída dos meus slides na Cúpula de Vacinas de Ohio (1 a 3 de março de 2021) e várias entrevistas postadas onhtps://www.geertvandenbossche.org/



Essas entrevistas lançam alguma luz sobre

i)Como os componentes do sistema imunológico inato podem proteger contra o Covid-19 e tornar infecções assintomáticas


ii)Porque e como, em uma população imunologicamente logicamente Covid-19-ingênua, a supressão ab-mediada específica do sistema imunológico inato muda a primeira onda de doença e morte de (predominantemente) idosos (e imunocomprometidos) para aqueles que no início da pandemia escaparam com infecção assintomática (ou seja, predominantemente, o segmento populacional mais jovem e de meia-idade).


iii)Como a diminuição da imunidade adaptativa em sujeitos soropositivos e o aprimoramento da supressão específica da imunidade inata na população assintomática infectada finalmente causa uma terceira onda de morbidade e mortalidade em partes substanciais da população global


iv)Como a população eventualmente controla a pandemia construindo imunidade de rebanho. Tudo isso ilustra a contribuição crítica de ambos, a imunidade inata e adaptativa para colocar a pandemia viral sob controle e eventualmente mudar seu curso para a de uma infecção endêmica.


v)Como nossa compreensão da dinâmica populacional de uma pandemia natural (ou seja, sem intervenção humana) causada por uma infecção viral aguda como o Covid-19 ajuda a compreender a interação sofisticada entre o vírus por um lado e a imunidade populacional por outro durante uma pandemia natural de CoV


vi)Porque a intervenção humana em larga escala tem um impacto altamente prejudicial na interação refinada entre o vírus e seu hospedeiro e como a perturbação disso leva a um aumento dramático da infectividade viral, morbidade e mortalidade, principalmente em S-ab sujeitos soropositivos.


vii)Porque a medida de contenção/higiene impulsiona o surgimento de cepas altamente infecciosas e por que campanhas subsequentes de vacinação em massa com vacinas 'vazadas'(protegendo contra doenças, mas não prevenindo infecções) agravam drasticamente a fuga imunológica seletiva e, portanto, a infectividade viral


viii Como a infecção viral aumentada leva a um aumento dramático na taxa de morbidade e mortalidade, por que a revogação da infecção viral em indivíduos assintomaticamente infectados fornece uma lógica surpreendente para o desenvolvimento de imunes baseados em intervenções de células NK e por que tal abordagem não seria propensa à fuga imunológica e tem o potencial de fornecer imunidade esterilizadora


x)Porque intervenções imunológicas que permitam a imunidade esterilizada serão necessárias para erradicar todas as variantes altamente infecciosas Covid-19

xi)como a imunidade inata e inpecífica do CoV pode ser treinada pela exposição regular ao CoV e promovida por um estilo de vida saudável


xii)Como um ensaio rápido e fácil de usar sorodiagnóstico poderia potencialmente ajudar indivíduos saudáveis e não vacinados que experimentaram infecção assintomática Covid-19 para medir seu perfil específico de S, como permitir que eles se protejam contra doenças (quando soropositivo) ao mesmo tempo dando-lhes a oportunidade de treinar seu sistema imunológico inato (quando soronegativo).


Eu só assumo a responsabilidade pelas declarações e documentos científicos que eu mesmo publiquei. Quero enfatizar que o que estou tentando transmitir vai além de várias crenças e opiniões. Eles são irrelevantes para o que nos preocupa como humanos. Na verdade, eles são um obstáculo. Acima de tudo, quero proteger minha integridade e insistir na independência absoluta. A resposta ao meu apelo deve permanecer única e puramente científica e em nenhuma ocasião jamais ser usada ou abusada por qualquer retórica não-científica.


Autor: G. Vanden Bossche, DVM, PhD; atualização 17 março 2021

419 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo